porrah ja é preciso ter azar pah

Ir em baixo

porrah ja é preciso ter azar pah

Mensagem por Vitor mango em Dom Maio 29, 2011 12:10 am

Histórias de encantar IV - 2ª edição
A viver no Brasil há um bom par de anos, o meu tio Henrique e a mulher foram convidados para o casamento do filho de um importante cliente. O meu tio Henrique, mulherengo incorrigível e incompetente profissional, herdara uma pequena fábrica no Brasil e para lá se deslocara com o objectivo de endireitar a vida, estragando-a o menos possível. Dirigir uma pequena fábrica de componentes industriais, em perfeito funcionamento, com um rendimento mensal certo e razoável, dirigida por uma administração competente e de confiança foi o melhor que lhe poderia ter acontecido em toda a puta da sua vida.
O local onde se realizaria o casamento era uma fazenda grande e muito antiga, na família do noivo havia várias gerações, bem no interior do pantanal. A viagem seria longa e por isso iam preparados para lá pernoitarem. A sogra do meu tio Henrique também ia.
A certa altura da viagem, a minha tia e a mãe dela ressonavam profunda e alternadamente, dando a impressão que o carro se transformara num barco, subindo e descendo imensos vagalhões invisíveis à medida que o ronco delas se intensificava e alternava. Com os movimentos que fizera enquanto dormia, a sogra do meu tio Henrique descalçara um sapato que, com outros movimentos seguintes mas ainda a dormir, fora empurrando para debaixo do banco do meu tio Henrique. A certa altura, o meu tio Henrique sentiu que o seu pé tocara em qualquer coisa. Enfiando a mão por debaixo do banco sentiu, e adivinhou de imediato, os contornos e textura inconfundíveis de um sapato feminino de cetim e salto alto. Aquilo só poderia ter sido esquecimento de uma das últimas parceiras de regabofe e fodilhanço a quem ele dera boleia.
Da última vez quase tinha sido descoberto quando a mulher, ao baixar a pala para se ver ao espelho, levara nas trombas com um par de cuecas de renda pretas.
- Aquele cabrão-, vociferara de imediato o meu tio Henrique arrancando as cuecas da cara da mulher e aventando-as pela janela fora.
- Aquele mecânico de um cabrão, é a terceira vez que arruma ali a puta da camurça dos vidros. Filho da puta.
- A camurça dos vidros ? - , repetira a mulher tentando recompôr-se do cagaço que aquela cegueira súbita seguida de impropérios e corrente de ar lhe provocara.
- Sim, filha. A camurça que eles usam para limpar os vidros do carro por dentro. É diferente das que usam do lado de fora.-
- Ahh..Suspirou sossegada a mulher. - Se calhar devias mudar de mecânico.-
Mas agora era diferente. Nenhum mecânico, por muito paneleiro que fosse, usaria sapatos de cetim e salto alto. Certificando-se que a mulher dormia profundamente, olhou no retrovisor e confirmou que a sogra também dormia. Muito devagar abriu o vidro e, acto contínuo, arremessou fora o dito sapato.
Suspirando de alívio, fechou o vidro até meio, recostou-se no banco, acendeu um cigarro e, confiante, sorriu. Estava safo.
Chegados ao local do casamento assistiu, impávido e sereno, à maior de
scompostura que alguma vez presenciara a mulher dar em alguém, na pessoa da sua própria sogra.
Publicada por Afonso Henriques em 10:30 AM 3 comentários Hiperligações para esta mensagem

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
avatar
Vitor mango

Pontos : 110760

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: porrah ja é preciso ter azar pah

Mensagem por Vitor mango em Dom Maio 29, 2011 9:42 am

tem o...bolinha



A rata-pingada





No
outro dia acordei com muita vontade de ouvir uma marmanjona a berrar à
maluca. Por isso fui a um bar que estava na berra. Pareceu-me o local
indicado para encontrar uma. Mas claro que o Patife não se contenta com
qualquer uma, por isso não bastava que fosse uma que simplesmente
berrasse. Como também andava com vontade de comer uns caracóis, tentei
juntar o fútil ao agrafável e arranjar uma mariola de cabelos aos
caracóis para agrafar por trás. E como com o Patife “querer é cozer”,
assim que ela entrou no raio do bar percebi logo que era a eleita. Ar
altivo, voz quase tão bem colocada como eu costumo colocar o Pacheco,
caracóis naturais e pose de gata-pingada, o que me levou a acreditar que
a ia deixar de rata-pingada. E se há coisa com que o Patife pode é com
uma rata pelo nabo. Claro que durante a conversa apeteceu-me chamar por
diversas vezes a brigada anti-tédio, mas eu estava muito focado na
berraria desenfreada que se adivinhava. Assim que a começo a despir deu
logo a entender que o céu seria o limite para os excessos vocálicos que
seria capaz de fazer. A cada toque de pele ela gemia muito mais do que
lhe seria exigido. Mas entre gemidos sem eira nem beira soltou um: Chama-me puta!
Oh diabo. Já tratei muitas como putas, e oh se gostam, mas acho
indelicado meter isso por palavras. Ainda tentei perguntar se podia
meter isso por actos, mas ela estava lançada e atalhou o meu raciocínio:
Sim, sim, sou uma putalhona! Até o Pacheco lá em baixo
fez uma pausa para processar a informação. Para compensar o facto de não
a ter chamado como pediu, tive o cuidado de lhe deixar uma notinha no
final. Curiosamente não gostou de ser tratada da forma como,
expressamente, me pediu. Nunca hei-de perceber tamanha falta de
coerência feminina.






Publicada por
Patife


21
comentários









Hiperligações para esta mensagem

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
avatar
Vitor mango

Pontos : 110760

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: porrah ja é preciso ter azar pah

Mensagem por Vitor mango em Qui Abr 12, 2012 8:16 am

Vitor mango escreveu:Histórias de encantar IV - 2ª edição
A viver no Brasil há um bom par de anos, o meu tio Henrique e a mulher foram convidados para o casamento do filho de um importante cliente. O meu tio Henrique, mulherengo incorrigível e incompetente profissional, herdara uma pequena fábrica no Brasil e para lá se deslocara com o objectivo de endireitar a vida, estragando-a o menos possível. Dirigir uma pequena fábrica de componentes industriais, em perfeito funcionamento, com um rendimento mensal certo e razoável, dirigida por uma administração competente e de confiança foi o melhor que lhe poderia ter acontecido em toda a puta da sua vida.
O local onde se realizaria o casamento era uma fazenda grande e muito antiga, na família do noivo havia várias gerações, bem no interior do pantanal. A viagem seria longa e por isso iam preparados para lá pernoitarem. A sogra do meu tio Henrique também ia.
A certa altura da viagem, a minha tia e a mãe dela ressonavam profunda e alternadamente, dando a impressão que o carro se transformara num barco, subindo e descendo imensos vagalhões invisíveis à medida que o ronco delas se intensificava e alternava. Com os movimentos que fizera enquanto dormia, a sogra do meu tio Henrique descalçara um sapato que, com outros movimentos seguintes mas ainda a dormir, fora empurrando para debaixo do banco do meu tio Henrique. A certa altura, o meu tio Henrique sentiu que o seu pé tocara em qualquer coisa. Enfiando a mão por debaixo do banco sentiu, e adivinhou de imediato, os contornos e textura inconfundíveis de um sapato feminino de cetim e salto alto. Aquilo só poderia ter sido esquecimento de uma das últimas parceiras de regabofe e fodilhanço a quem ele dera boleia.
Da última vez quase tinha sido descoberto quando a mulher, ao baixar a pala para se ver ao espelho, levara nas trombas com um par de cuecas de renda pretas.
- Aquele cabrão-, vociferara de imediato o meu tio Henrique arrancando as cuecas da cara da mulher e aventando-as pela janela fora.
- Aquele mecânico de um cabrão, é a terceira vez que arruma ali a puta da camurça dos vidros. Filho da puta.
- A camurça dos vidros ? - , repetira a mulher tentando recompôr-se do cagaço que aquela cegueira súbita seguida de impropérios e corrente de ar lhe provocara.
- Sim, filha. A camurça que eles usam para limpar os vidros do carro por dentro. É diferente das que usam do lado de fora.-
- Ahh..Suspirou sossegada a mulher. - Se calhar devias mudar de mecânico.-
Mas agora era diferente. Nenhum mecânico, por muito paneleiro que fosse, usaria sapatos de cetim e salto alto. Certificando-se que a mulher dormia profundamente, olhou no retrovisor e confirmou que a sogra também dormia. Muito devagar abriu o vidro e, acto contínuo, arremessou fora o dito sapato.
Suspirando de alívio, fechou o vidro até meio, recostou-se no banco, acendeu um cigarro e, confiante, sorriu. Estava safo.
Chegados ao local do casamento assistiu, impávido e sereno, à maior de
scompostura que alguma vez presenciara a mulher dar em alguém, na pessoa da sua própria sogra.
Publicada por Afonso Henriques em 10:30 AM 3 comentários Hiperligações para esta mensagem


relido

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
avatar
Vitor mango

Pontos : 110760

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: porrah ja é preciso ter azar pah

Mensagem por Vitor mango em Sex Jun 19, 2015 9:56 am

POIS

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
avatar
Vitor mango

Pontos : 110760

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: porrah ja é preciso ter azar pah

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum