o massacre que se adivinha em gaza

Novo Tópico   Responder ao tópico

Página 10 de 11 Anterior  1, 2, 3 ... , 9, 10, 11  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Sex Nov 16, 2012 1:17 am

Relembrando a primeira mensagem :

Egypt Prime Minister Qandil arrives in Gaza

Fri Nov 16, 2012 7:7AM GMT
2



12



6


Egyptian
Prime Minister Hisham Qandil has arrived in Gaza amid Israel’s ongoing
airstrikes on the besieged territory, in order to express Egypt’s
solidarity with the Palestinians.

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo


Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Qui Dez 06, 2012 8:20 am

haaretz
Apesar do apoio da ONU, Canadá reprimendas Israel sobre liquidação novos planos
Poucos dias depois de Netanyahu chamou PM do Canadá Harper para agradecer-lhe o seu apoio na votação palestino na ONU, Harper chamado de volta para censurá-lo por planos de desenvolver a E-1 corredor na Cisjordânia.
Por Barak Ravid | 16:00 06.12.12 | 5

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, recebeu uma advertência na quarta-feira o chefe de Estado estrangeiro que é considerado um dos mais amigável para Israel. Seu homólogo canadense, o primeiro-ministro Stephen Harper, chamou-o na quarta-feira e esclareceu que o Canadá não poderia apoiar Israel em sua decisão de avançar a construção de assentamentos

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Joao Ruiz em Qui Dez 06, 2012 8:44 am

Vitor mango escreveu:

in haaretz

Olha o Mango a mostrar a língua ao PM israelita! Mas que falta de educação!


Laughing Laughing Laughing Laughing Laughing


_________________
Amigos?Longe! Inimigos? O mais perto possível!

Joao Ruiz

Pontos : 32035

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Qui Dez 06, 2012 9:43 am

Portugal fez bem



Portugal fez bem em votar favoravelmente, na Assembleia Geral das Nações Unidas, a elevação do estatuto da Palestina para “Estado observador não membro” daquela organização. Portugal foi assim um dos 138 países que subscreveram aquela proposta. Apenas nove votaram contra. Registaram-se 41 abstenções.



A diplomacia portuguesa, em nome da coerência com a linha que tem adoptado ao longo dos anos, na defesa de uma solução para o Médio Oriente assente no princípio dos “dois Estados”, não tinha outro caminho a tomar. Mesmo que isso implicasse (como implicou) um desalinhamento total com a posição de Washington, um aliado natural de Portugal, com o qual tem havido uma harmonia intocável em matéria de política externa.



A preocupação de preservar essa harmonia ficou aliás bem patente em Outubro do ano passado, quando os membros da Assembleia Geral foram chamados a votar a admissão da Palestina na UNESCO. Na altura, Portugal absteve-se, mas sem apresentar argumentos que sustentassem a sua decisão.



A interpretação do Diplomata é simples: Portugal encontrava-se numa encruzilhada. Se, por um lado, queria evitar desalinhar-se com Washington, por outro, Lisboa acreditava (e acredita) genuinamente na Palestina enquanto Estado independente, como parte da solução para o Médio Oriente.



E foi perante esta encruzilhada que Portugal acabou por abster-se no ano passado, ficando numa espécie de “meio caminho”, tentando não contrariar frontalmente Washington e ao mesmo tempo não trair totalmente a sua visão da política externa em relação à Palestina.



A investigadora do Instituto Português de Relações Internacionais (IPRI-UNL), Ana Santos Pinto, num pertinente artigo do jornal Público, chamava a atenção precisamente para a evolução da posição de Portugal em apenas um ano. E analisa ainda a importância do recente voto português na Assembleia Geral quando enquadrado nas relações político-diplomáticas com os Estados Unidos, já que desta vez se assistiu a uma bipolarização entre Lisboa e Washington.



tags: assembleia geral, estados unidos, onu, palestina, portugal, washington

Publicado por Alexandre Guerra às 15:21
link do post | comentar

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Qui Dez 06, 2012 9:45 am

A investigadora do Instituto Português de Relações Internacionais (IPRI-UNL), Ana Santos Pinto, num pertinente artigo do jornal Público, chamava a atenção precisamente para a evolução da posição de Portugal em apenas um ano. E analisa ainda a importância do recente voto português na Assembleia Geral quando enquadrado nas relações político-diplomáticas com os Estados Unidos, já que desta vez se assistiu a uma bipolarização entre Lisboa e Washington.

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Qui Dez 06, 2012 9:47 am

Três notas sobre o acordo de tréguas entre Israel e o Hamas
23 | Novembro | 2012
Ana Santos Pinto

Estudos Regionais - Médio Oriente

1. O acordo de tréguas, alcançado entre Israel e o Hamas com mediação do Presidente do Egito e o apoio dos Estados Unidos, é, por natureza, um acordo frágil. É-o, no essencial, porque as questões estruturais que levaram à eclosão do conflito não foram alvo de negociação. Estamos a falar de um acordo que consagra apenas os termos gerais do fim das hostilidades e da possibilidade de abertura de fronteiras para a circulação de pessoas e bens – ou seja, um alívio potencial do bloqueio a Gaza – mas as questões centrais que levam ao lançamento de rockets a partir de Gaza e à resposta israelita por questões de segurança não foram – e provavelmente não serão num curto prazo – tratadas. Ou seja, podem terminar as hostilidades no imediato, mas elas poderão voltar num outro momento, mais próximo ou mais distante, porque os motivos do conflito mantêm-se.

2. Mas o processo negocial e os termos do acordo parecem indicar consequências significativas ao nível interno – em Israel e nos territórios palestinianos – mas também ao nível regional.
Em Israel o conflito e os termos do acordo, serão, certamente uma das questões centrais no debate entre os partidos políticos que se encontram em campanha eleitoral para as eleições legislativas do próximo mês de janeiro. O acordo negociado pelo actual Governo de Netanyahu está a ser bastante criticado pelos partidos à direita, que consideram que os objectivos da operação militar não foram atingidos, que o Hamas sai reforçado deste conflito e que o Governo de Israel demonstra fragilidade. É com estes argumentos que tentarão granjear o apoio do eleitorado, que está neste momento muito susceptível às questões de segurança.
O Hamas terá a provar a sua capacidade de controlar os diversos movimentos no território para cumprir o acordo. Mas, mais importante, com este processo a liderança política do Hamas demonstra um claro alinhamento com o actual Presidente do Egipto, o que contrasta com as relações de proximidade que a sua ala militar desenvolveu com o Irão ao longo dos últimos anos. É certo que esta mudança não resulta apenas do conflito, já tinha ficado clara nos últimos meses – em resultado do conflito na Síria – mas fica agora mais evidente.
Finalmente, ao nível regional, o Egipto afirma-se como o principal promotor do processo negocial – é, aliás, o único actor externo referido no acordo como garante do seu cumprimento – em paralelo com a presença tradicional dos Estados Unidos nos processos de negociação.

3. De uma forma geral, podemos considerar que o processo negocial e a assinatura deste acordo demonstra um novo alinhamento de posições no Médio Oriente, resultado das alterações políticas dos últimos dois anos: Israel mantém as suas preocupações de segurança, tenta garanti-las de acordo com as capacidades militares e alianças que dispõe – nomeadamente com os Estados Unidos – mas encontra-se mas exposto à pressão regional e internacional, o que condiciona o cumprimento dos seus objectivos. O Hamas sente-se mais reforçado pelo apoio regional, mas ao mesmo tendo mais condicionado pela pressão de Estados como o Egipto. E os actores regionais – e principalmente o Egipto, mas também os países do Golfo ou mesmo a Turquia – tendem a assumir um papel mas activo na região, de liderança dos processos negociais, cabendo aos Estados Unidos – parece-me que por opção própria – um papel de mediação mais distante. Internamente, os territórios palestinianos parecem cada vez mais divididos, do ponto de vista político, entre a Cisjordânia e Gaza, com duas lideranças distintas, que agem em ‘tabuleiros políticos’ diferentes, o que só parece inviabilizar, cada vez mais, a já ‘frágil’ solução de 2 Estados e o processo de paz que a defende.

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Sex Dez 07, 2012 2:30 am

Hoje vou ser radical e acabar com este conflito que se arrasta eternamente

A Onu declara o fim da divisão da Palestina ja que nem Israel respeitou as fronteiras e os arabes nunca a aceitaram e criam um só pais ...A Palestina laica livre onde a religiões serão atirada para as urtigas da bosta de sangue que criaram

Jerusalém será propriedade e gestionada pela ONU


_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Sex Dez 07, 2012 10:31 am

Líder do Hamas regressa a Gaza após 45 anos no exílio
Khaled Meshaal entrou hoje em Gaza, após 45 anos no exílio. O líder político do Hamas participa sábado na cerimónia de 25º aniversário do grupo islamita.
Margarida Mota (www.expresso.pt)
13:15 Sexta feira, 7 de dezembro de 2012

8 0

Aumentar Texto Diminuir Texto Link para esta página Imprimir Enviar por email
Deixe aqui o seu comentário 5 comentários
Ismail Haniyeh, primeiro-ministro do Hamas, beija Khaled Meshaal, no posto de fronteira de Rafah, junto ao Egito
Ismail Haniyeh, primeiro-ministro do Hamas, beija Khaled Meshaal, no posto de fronteira de Rafah, junto ao Egito
Ahmed Jadallah/Reuters

Khaled Meshaal, o líder político do Hamas, entrou hoje na Faixa de Gaza, terminando com um exílio de 45 anos. Depois de pisar solo palestiniano, Meshaal ajoelhou-se e beijou o chão.

Amanhã, o líder do Hamas participará no comício comemorativo do 25º aniversário da fundação do Hamas (oficialmente assinalada a 14 de dezembro), na cidade de Gaza. O palco já está montado e tem ao centro uma réplica gigante do rocket M75, de longo alcance, fabricado pelo Hamas, e disparado contra Telavive e Jerusalém no conflito com Israel do mês passado.

Meshaal, de 56 anos, vive no Qatar desde janeiro de 2012. Até então, ele geria o Hamas a partir de Damasco, cidade que abandonou no contexto do conflito armado na Síria que opõe o Presidente Bashar al-Assad a grupos opositores de inspiração sunita, como o Hamas.

Em 1997, ele foi alvo de uma tentativa de envenenamento, em Amã. Dois agentes da Mossad foram detidos durante a operação e o rei Hussein da Jordânia obrigou Israel a fornecer o antídoto em troca da sua libertação.

A visita de Meshaal a Gaz dura 48 horas.

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/lider-do-hamas-regressa-a-gaza-apos-45-anos-no-exilio=f772227#ixzz2EO8cnwPJ

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Sex Dez 07, 2012 10:32 am

Em 1997, ele foi alvo de uma tentativa de envenenamento, em Amã. Dois agentes da Mossad foram detidos durante a operação e o rei Hussein da Jordânia obrigou Israel a fornecer o antídoto em troca da sua libertação.

o rei Hussein da Jordânia obrigou Israel

lembro-me bem deste episodio macabro em que o Rei mostrou q2ue os tinha no sitio

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Sex Dez 07, 2012 10:41 am

Após a votação da ONU, Lieberman cancela visita à Geórgia
Geórgia votou a favor da proposta palestina na ONU; Lieberman estava programado para visitar a Geórgia algum tempo durante as próximas duas semanas, funcionários próximos ao dizer FM visita foi adiada, não cancelada.
Por Barak Ravid | 20:49 06.12.12 | 0

Avigdor Lieberman

A Organização das Nações Unidas voto para aceitar a Palestina como um Estado observador não-membro criou um racha nas relações não só entre Israel e União Europeia Estados-Membros, mas com outras nações também. Uma dessas nações é a Geórgia. De acordo com um Ministério das Relações Exteriores ...

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Sex Dez 07, 2012 10:42 am

Vitor mango escreveu:Após a votação da ONU, Lieberman cancela visita à Geórgia
Geórgia votou a favor da proposta palestina na ONU; Lieberman estava programado para visitar a Geórgia algum tempo durante as próximas duas semanas, funcionários próximos ao dizer FM visita foi adiada, não cancelada.
Por Barak Ravid | 20:49 06.12.12 | 0

Avigdor Lieberman

A Organização das Nações Unidas voto para aceitar a Palestina como um Estado observador não-membro criou um racha nas relações não só entre Israel e União Europeia Estados-Membros, mas com outras nações também. Uma dessas nações é a Geórgia. De acordo com um Ministério das Relações Exteriores ...

a alcunha dele é o IMBECIL ...quando fala larga mierda

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Sex Dez 07, 2012 1:06 pm

Internacional

Ataques na Faixa de Gaza
Human Rights Watch acusa Israel de violar as leis da guerra
2012-12-07 18:27:08

Jerusalém – A organização Human Rights Watch acusou Israel de violar as
leis da guerra devido ao ataque aéreo de 18 de Novembro contra uma
residência em Gaza, que vitimou uma dúzia de palestinos, incluindo
mulheres e crianças.

Num comunicado divulgado esta sexta-feira, 7 de Dezembro, a organização
de direitos humanos refere que as forças armadas israelitas (Tzahal)
violaram «claramente» as leis de guerra, depois da ofensiva contra uma
casa habitada por civis.


«A possibilidade de o ataque contra uma casa civil poder provocar a
morte de numerosos civis tornava aquela operação desproporcionada e
ilegal», assegura a Human Rights Watch.


O ataque, realizado no âmbito da operação «Pilar de Defesa», tinha como
alvo Mohammed Jamal al-Dallu, considerado pelo Tzahal como um
terrorista.


O Governo de Benjamin Netanyahu aceitou, a 21 de Novembro, um
cessar-fogo com o Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) na Faixa de
Gaza.


Durante a operação «Pilar de Defesa», que durou uma semana, a crise em
Gaza vitimou cerca de 180 pessoas e feriu mais de 1300, a maioria das
quais, palestinianos.
(c) PNN Portuguese News Network

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Sab Dez 08, 2012 1:47 am

Regime israelense recebe primeira sanção: Analista
Alemanha expressou desaprovação de planos de Israel de construir mais assentamentos nos territórios palestinos ocupados. Na
foto acima, a chanceler alemã Angela Merkel (R) é visto ao lado de
primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, 6 de dezembro de 2012.
Alemanha expressou desaprovação de planos de Israel de construir mais assentamentos nos territórios palestinos ocupados. Na
foto acima, a chanceler alemã Angela Merkel (R) é visto ao lado de
primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, 6 de dezembro de 2012.
Sáb 8 de dezembro de 2012 08:15
Por Jim W. Dean

Sim, as sanções a Israel começaram, começando com o voto palestino na ONU. O medo do lobby israelense é agora vai ser retido. "
Entrevistas relacionadas:

'World esmagadoramente apoia Palestina "
"O sionismo, mão nazismo trabalho na mão '

O
efeito dominó da votação da ONU histórica para iniciar a restauração de
um Estado palestino continuará a girar em torno do mundo.


Como muito do que está agindo e quanto sincero continua a ser visto. Mas
todos devemos aplaudir o esforço e obter pronto para defender aqueles
que serão atacados pelos lobbies israelenses quando eles sentem que é
seguro para contra-atacar.

Nem todos nós iremos sobre à ofensa ao mesmo tempo. Nem todos vão entender completamente por que a Terra está se movendo político sob seus pés, mas pode senti-lo com certeza. Eu sou um bom exemplo. Eu tenho realmente focando a melhor forma de acompanhar a votação da ONU com algum movimento sanções graves. Mas a luz só veio para mim hoje, que as sanções começou como os votos estavam sendo contados da ONU.

A
tática militar clássico para a tomada de uma ponte é atacar ambos os
lados de uma só vez, a la a Ponte Nimegen no grande filme, A Ponte Longe
Demais. A ponte Likudist vai precisar de um ataque sanções a partir do exterior e no interior israelitas tendo a outra extremidade.

Segurança de Israel só pode vir da mudança de regime para o qual Gush Shalom de Uri Avnery lutou por quarenta anos. Temos que trabalhar juntos para fazer isso com destruição mínimo e derramamento de sangue.

ADM israelenses e as loucuras do orçamento

O
rapidamente passou resolução da ONU pedindo Israel a abrir suas
instalações nucleares para inspeção foi rejeitado como esperado por
Israel. Anúncio
de Netanyahu a expansão dos assentamentos, embora provavelmente uma
eleição pandering blefe para o núcleo de colonos e extremistas do
partido Likud, foi o que chamamos na América um 'acordo de ar'. Ele não tem financiamento, e nenhum no horizonte. Doações, alguém?

Nós
não devemos esquecer que estamos a ter novas eleições em Israel em
breve, porque o seu gabinete anterior não podia deixar passar um
orçamento. Eles não têm dinheiro para grandes projetos de construção, e eu não acho que Obama é divertido um pedido.

Os Chefes suspensa recentemente, também não aprovar um novo orçamento. O problema parecia ser o fator de Santa Claus. Países queria financiamento para projetos de estímulo, mas também para que os outros pagar por eles.

E
de volta aqui em os EUA, a mídia está em susto 'penhasco fiscal' grande
com ambos os lados políticos manobrando para culpar o outro por
problemas do próximo ano a economia. Assumir a responsabilidade por nada agora é o esporte mais popular do Congresso.

Reação liquidação

Para
o seguro de desvio extra de público, o fim calendário maia da previsão
mundo tornou-se a cobertura de notícias generalizada da mídia
corporativa. É uma vergonha jornalística quando há tantos problemas importantes que foram enganados de que o tempo de ar público.

A boa notícia foi que até mesmo a ameaça de construção de Bibi liquidação provocou uma reação internacional. Um país após outro trouxe os embaixadores israelenses para colocar a sua desaprovação no registro. Os Likuds naturalmente lhes disse para ir voar uma pipa. Os israelenses estão se queimando militante trunfos mais rápido do que eles estão fazendo eles.


Os comentários sobre os meus artigos sanções definitivamente atingiu um acorde. As pessoas viram a ironia de a sanção mais merecedor do país no mundo tendo designado-se como o sanctioneer cabeça. Eles
viram a hipocrisia em Israel acusa o Irã de um programa de armas
nucleares, que ele não tem, enquanto Israel própria permaneceu fora da
mesa para discussão.

Isso
agora está sendo entendida como nada mais do que uma forma de manter o
dinheiro fora (EUA e Diáspora) fluindo para financiar a ocupação e
manter os israelenses regularmente controlada pelo medo de que todos os
árabes e muçulmanos têm de ser dominado ou é tudo sobre para os zios. Os EUA compartilha a culpa por isso.

Tivemos um tiro através do arco com o voto resolução da ONU que os dias de "walkie não" pode ser mais. As
pessoas entendem em todos os países que seu estabelecimento político
deve ser abertamente desafiado por seu silêncio restante em uma questão
tão crítica.

Perder o medo do agressor

O
que eu vejo que me dá mais motivos para ter esperança, algo que tenho
vindo a acompanhar com muito cuidado por anos agora, é uma diminuição
definitiva e generalizada do medo que poder os lobbies vários
israelenses. Foi
esse medo que pressionou nossos respectivos estruturas políticas para
servir os interesses israelenses, em troca de apoio a reeleição e poder
político, algo que eles têm um longo histórico de fornecimento em.

O
acidente e queima da campanha de Romney, apesar dos melhores esforços
dos povos do núcleo duro lobby sionista tentando trazer Obama ao
calcanhar, não funcionou. O expurgo dos nossos militares de 'questionável' oficiais continua, com apenas a ponta do iceberg do que visto publicamente.

Se a história real nunca vem de fora, será uma uma desagradável. Traição nunca é um tema popular. Quando é generalizada, ela condena todo o sistema que permitiu a ele. O Obama termo usado em sua directiva era "mitigar as ameaças internas. Este era um código para não julgamentos públicos.

Também
pode haver grandes surpresas na loja quando o primeiro relatório
oficial do ataque Benghazi é tornado público, sobre quem realmente
estava envolvido nisso. E por que eu não quero dizer seus procuradores no chão, mas aqueles puxando suas cordas. Ninguém vai comprar a habitação tenda al-Qeada mortos-enders no Iêmen. Isso é apenas sobras.

Sanções estão a ter consequências inesperadas

Há algumas boas notícias sobre o projeto do Senado novas sanções. Obama não está esperando para a rega esperado para baixo quando a Câmara eo Senado combinar suas contas dois. Ele está agindo agora. As isenções anteriores para 20 de grandes compradores de petróleo do Irã têm sido renovada, com suas reduções anteriores.

Embora
alguns dizem que as sanções afetar o valor do Irã moeda, o governo
continuou a expandir a substituição das exportações de petróleo perdidos
com gás e electricidade para os países vizinhos "à prova de sanção". E
o Irã pode em breve estar no negócio de exportação zangão com sua
tecnologia recém-adquirida, cumprimentos de seu ser mais utilizado e
exposto por alguém não pagar a atenção para a primeira sendo perdida.

Turquia
rapidamente afirmou que iria continuar suas compras de gás iranianos
como era em seus interesses nacionais, e eles sabem que nenhuma ação
será tomada contra eles por isso. Se eles querem pagar com ouro, eles vão fazer isso, não importa o que um grupo de senadores israelenses na América dizer.

Perdendo a guerra de relações públicas

O Ocidente está perdendo a batalha de relações públicas com o sofrimento do povo iraniano. Merkel
da Alemanha era muito público em seu anúncio para o seu governo para
eliminar os problemas de exportação de medicina que foram presos nas
sanções bancárias.

Secretário
declarações de Clinton ter sido apenas em bruto, com tons de
comentários horríveis Madeleine Albright sobre as 500.000 crianças
iraquianas terem morrido de sanções ... os pais a levar as suas queixas a Saddam.

Como
cidadãos do Ocidente são todo o sofrimento dos acórdãos do governo
pobres, excessos e corrupção financeira para a qual estão sendo dadas a
conta, há uma consciência crescente de que a ameaça do Irã é apenas uma
farsa.


Eles
estão começando a ver o povo iraniano que estão sendo feitos para
sofrer como uma desculpa para justificar a expansão militar ocidental na
região. Sinto
uma abertura aqui para os ocidentais a ver-se juntaram com os iranianos
em que os ocidentais estão apenas a ser "sancionado" de uma forma
diferente. Eles não podem pagar os cuidados médicos de que necessitam tanto.

Eu
recomendaria que o Irã começar a hospedagem de grupos de intercâmbio
com grupos comparáveis ​​aos cidadãos desses vários países para
partilhar a sua exploração comum pelos cabalas criminosas por trás de
todo o hype ameaça da guerra. É um laço comum que une todos os cidadãos rasos em toda parte, sendo usado e abusado por suas elites.

Gordon
Duff só tinha um ótimo artigo aqui na Press TV sobre como bilhões e
bilhões de lucros comerciais futuras estão sendo feitas por insiders
políticos que usam as crescentes tensões ea diminuição deles para mover
os mercados e fazer suas apostas pagar.

Então, sim, as sanções a Israel começaram, começando com o voto palestino na ONU. O medo do lobby israelense é agora vai ser retido. Manipulação Holocausto já não está indo para ser engolido.

As
pessoas vão se recusar a ser cidadãos de segunda classe em seus
próprios países, enquanto eles assistem o vinho lobistas israelense e
jantar com nossos governantes, e pior de tudo, até mesmo a legislação
para ser passado em leis, que devemos seguir, mas não lhes
.

JD / HJL
Jim Dean vem de uma antiga família militar que remonta à Revolução Americana. Seu pai era um WWII P-40 e P-51 depois piloto de caça Mustang. Mãe
de Jim era uma viúva Segunda Guerra Mundial aos 16 anos, seu primeiro
marido morto com todos os 580 a bordo quando o SS Paul Hamilton, um
navio de munição com 7000 toneladas de explosivos a bordo, foi
torpedeado na costa de Argel. Ele
já apareceu em PBS, mais recentemente, sobre a procura de documentário
Lincoln com o Prof Henry Lewis Gates e lecionou na Escola de Comando do
Exército e Estado-Maior em Fort Gordon. Seu
foco atual é escrito sobre a segurança nacional, inteligência, preto e
operações psicológicas, militar / Intel história pessoal, incluindo
arquivos de vídeo, e as guerras atuais. Jim Dean é o editor-chefe de Veteranos de hoje. Mais artigos por Jim W. Dean

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Sab Dez 08, 2012 1:57 am

Regime israelense recebe primeira sanção: Analista
Alemanha expressou desaprovação de planos de Israel de construir mais assentamentos nos territórios palestinos ocupados. Na
foto acima, a chanceler alemã Angela Merkel (R) é visto ao lado de
primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, 6 de dezembro de 2012.

Sáb 8 de dezembro de 2012 08:15
Por Jim W. Dean

Sim, as sanções a Israel começaram, começando com o voto palestino na ONU. O medo do lobby israelense é agora vai ser retido. "
Entrevistas relacionadas:

'World esmagadoramente apoia Palestina "
"O sionismo, mão nazismo trabalho na mão '

O
efeito dominó da votação da ONU histórica para iniciar a restauração de
um Estado palestino continuará a girar em torno do mundo.


Como muito do que está agindo e quanto sincero continua a ser visto. Mas
todos devemos aplaudir o esforço e obter pronto para defender aqueles
que serão atacados pelos lobbies israelenses quando eles sentem que é
seguro para contra-atacar.

Nem todos nós iremos sobre à ofensa ao mesmo tempo. Nem todos vão entender completamente por que a Terra está se movendo político sob seus pés, mas pode senti-lo com certeza. Eu sou um bom exemplo. Eu tenho realmente focando a melhor forma de acompanhar a votação da ONU com algum movimento sanções graves. Mas a luz só veio para mim hoje, que as sanções começou como os votos estavam sendo contados da ONU.

A
tática militar clássico para a tomada de uma ponte é atacar ambos os
lados de uma só vez, a la a Ponte Nimegen no grande filme, A Ponte Longe
Demais. A ponte Likudist vai precisar de um ataque sanções a partir do exterior e no interior israelitas tendo a outra extremidade.

Segurança de Israel só pode vir da mudança de regime para o qual Gush Shalom de Uri Avnery lutou por quarenta anos. Temos que trabalhar juntos para fazer isso com destruição mínimo e derramamento de sangue.

ADM israelenses e as loucuras do orçamento

O
rapidamente passou resolução da ONU pedindo Israel a abrir suas
instalações nucleares para inspeção foi rejeitado como esperado por
Israel. Anúncio
de Netanyahu a expansão dos assentamentos, embora provavelmente uma
eleição pandering blefe para o núcleo de colonos e extremistas do
partido Likud, foi o que chamamos na América um 'acordo de ar'. Ele não tem financiamento, e nenhum no horizonte.
Doações, alguém?

Nós
não devemos esquecer que estamos a ter novas eleições em Israel em
breve, porque o seu gabinete anterior não podia deixar passar um
orçamento. Eles não têm dinheiro para grandes projetos de construção, e eu não acho que Obama é divertido um pedido.

Os Chefes suspensa recentemente, também não aprovar um novo orçamento. O problema parecia ser o fator de Santa Claus. Países queria financiamento para projetos de estímulo, mas também para que os outros pagar por eles.

E
de volta aqui em os EUA, a mídia está em susto 'penhasco fiscal' grande
com ambos os lados políticos manobrando para culpar o outro por
problemas do próximo ano a economia. Assumir a responsabilidade por nada agora é o esporte mais popular do Congresso.

Reação liquidação

Para
o seguro de desvio extra de público, o fim calendário maia da previsão
mundo tornou-se a cobertura de notícias generalizada da mídia
corporativa. É uma vergonha jornalística quando há tantos problemas importantes que foram enganados de que o tempo de ar público.
A boa notícia foi que até mesmo a ameaça de construção de Bibi liquidação provocou uma reação internacional. Um país após outro trouxe os embaixadores israelenses para colocar a sua desaprovação no registro. Os Likuds naturalmente lhes disse para ir voar uma pipa. Os israelenses estão se queimando militante trunfos mais rápido do que eles estão fazendo eles.


Os comentários sobre os meus artigos sanções definitivamente atingiu um acorde. As pessoas viram a ironia de a sanção mais merecedor do país no mundo tendo designado-se como o sanctioneer cabeça. Eles
viram a hipocrisia em Israel acusa o Irã de um programa de armas
nucleares, que ele não tem, enquanto Israel própria permaneceu fora da
mesa para discussão.

Isso
agora está sendo entendida como nada mais do que uma forma de manter o
dinheiro fora (EUA e Diáspora) fluindo para financiar a ocupação e
manter os israelenses regularmente controlada pelo medo de que todos os
árabes e muçulmanos têm de ser dominado ou é tudo sobre para os zios. Os EUA compartilha a culpa por isso.

Tivemos um tiro através do arco com o voto resolução da ONU que os dias de "walkie não" pode ser mais. As
pessoas entendem em todos os países que seu estabelecimento político
deve ser abertamente desafiado por seu silêncio restante em uma questão
tão crítica.

Perder o medo do agressor

O
que eu vejo que me dá mais motivos para ter esperança, algo que tenho
vindo a acompanhar com muito cuidado por anos agora, é uma diminuição
definitiva e generalizada do medo que poder os lobbies vários
israelenses.
Foi
esse medo que pressionou nossos respectivos estruturas políticas para
servir os interesses israelenses, em troca de apoio a reeleição e poder
político, algo que eles têm um longo histórico de fornecimento em.


O
acidente e queima da campanha de Romney, apesar dos melhores esforços
dos povos do núcleo duro lobby sionista tentando trazer Obama ao
calcanhar, não funcionou. O expurgo dos nossos militares de 'questionável' oficiais continua, com apenas a ponta do iceberg do que visto publicamente.

Se a história real nunca vem de fora, será uma uma desagradável. Traição nunca é um tema popular. Quando é generalizada, ela condena todo o sistema que permitiu a ele. O Obama termo usado em sua directiva era "mitigar as ameaças internas. Este era um código para não julgamentos públicos.

Também
pode haver grandes surpresas na loja quando o primeiro relatório
oficial do ataque Benghazi é tornado público, sobre quem realmente
estava envolvido nisso. E por que eu não quero dizer seus procuradores no chão, mas aqueles puxando suas cordas. Ninguém vai comprar a habitação tenda al-Qeada mortos-enders no Iêmen. Isso é apenas sobras.

Sanções estão a ter consequências inesperadas

Há algumas boas notícias sobre o projeto do Senado novas sanções. Obama não está esperando para a rega esperado para baixo quando a Câmara eo Senado combinar suas contas dois. Ele está agindo agora. As isenções anteriores para 20 de grandes compradores de petróleo do Irã têm sido renovada, com suas reduções anteriores.

Embora
alguns dizem que as sanções afetar o valor do Irã moeda, o governo
continuou a expandir a substituição das exportações de petróleo perdidos
com gás e electricidade para os países vizinhos "à prova de sanção". E
o Irã pode em breve estar no negócio de exportação zangão com sua
tecnologia recém-adquirida, cumprimentos de seu ser mais utilizado e
exposto por alguém não pagar a atenção para a primeira sendo perdida.

Turquia
rapidamente afirmou que iria continuar suas compras de gás iranianos
como era em seus interesses nacionais, e eles sabem que nenhuma ação
será tomada contra eles por isso.
Se eles querem pagar com ouro, eles vão fazer isso, não importa o que um grupo de senadores israelenses na América dizer.

Perdendo a guerra de relações públicas

O Ocidente está perdendo a batalha de relações públicas com o sofrimento do povo iraniano. Merkel
da Alemanha era muito público em seu anúncio para o seu governo para
eliminar os problemas de exportação de medicina que foram presos nas
sanções bancárias.


Secretário
declarações de Clinton ter sido apenas em bruto, com tons de
comentários horríveis Madeleine Albright sobre as 500.000 crianças
iraquianas terem morrido de sanções ... os pais a levar as suas queixas a Saddam.

Como
cidadãos do Ocidente são todo o sofrimento dos acórdãos do governo
pobres, excessos e corrupção financeira para a qual estão sendo dadas a
conta, há uma consciência crescente de que a ameaça do Irã é apenas uma
farsa.


Eles
estão começando a ver o povo iraniano que estão sendo feitos para
sofrer como uma desculpa para justificar a expansão militar ocidental na
região. Sinto
uma abertura aqui para os ocidentais a ver-se juntaram com os iranianos
em que os ocidentais estão apenas a ser "sancionado" de uma forma
diferente.
Eles não podem pagar os cuidados médicos de que necessitam tanto.

Eu
recomendaria que o Irã começar a hospedagem de grupos de intercâmbio
com grupos comparáveis ​​aos cidadãos desses vários países para
partilhar a sua exploração comum pelos cabalas criminosas por trás de
todo o hype ameaça da guerra. É um laço comum que une todos os cidadãos rasos em toda parte, sendo usado e abusado por suas elites.

Gordon
Duff só tinha um ótimo artigo aqui na Press TV sobre como bilhões e
bilhões de lucros comerciais futuras estão sendo feitas por insiders
políticos que usam as crescentes tensões ea diminuição deles para mover
os mercados e fazer suas apostas pagar.

Então, sim, as sanções a Israel começaram, começando com o voto palestino na ONU. O medo do lobby israelense é agora vai ser retido. Manipulação Holocausto já não está indo para ser engolido.

As
pessoas vão se recusar a ser cidadãos de segunda classe em seus
próprios países, enquanto eles assistem o vinho lobistas israelense e
jantar com nossos governantes, e pior de tudo, até mesmo a legislação
para ser passado em leis, que devemos seguir, mas não lhes .
JD / HJL
Jim Dean vem de uma antiga família militar que remonta à Revolução Americana. Seu pai era um WWII P-40 e P-51 depois piloto de caça Mustang. Mãe
de Jim era uma viúva Segunda Guerra Mundial aos 16 anos, seu primeiro
marido morto com todos os 580 a bordo quando o SS Paul Hamilton, um
navio de munição com 7000 toneladas de explosivos a bordo, foi
torpedeado na costa de Argel. Ele
já apareceu em PBS, mais recentemente, sobre a procura de documentário
Lincoln com o Prof Henry Lewis Gates e lecionou na Escola de Comando do
Exército e Estado-Maior em Fort Gordon. Seu
foco atual é escrito sobre a segurança nacional, inteligência, preto e
operações psicológicas, militar / Intel história pessoal, incluindo
arquivos de vídeo, e as guerras atuais. Jim Dean é o editor-chefe de Veteranos de hoje. Mais artigos por Jim W. Dean

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Sab Dez 08, 2012 9:49 am

Centenas de milhares de aniversário 25 marca do Hamas em Gaza rali
Simpatizantes
do Hamas piscar sinais de vitória; modelos enormes de Jerusalém e um
míssil M-75 estão em exposição; Meshal Khaled é acompanhado no palco por
Ismail Haniyeh.
Por Avi Issacharoff, Reuters e Associated Press | Dez.08, 2012 | 02:14 | 38

Defensores dos palestinos do Hamas participar de um comício que marca o 25 º aniversário do Hamas
Defensores
dos palestinos do Hamas participar de um comício que marca o 25 º
aniversário da fundação do Hamas, na Cidade de Gaza 08 de dezembro de
2012. Foto por Reuters
Tamanho do texto
Comentários (38)
Página de impressão
Enviar para amigo
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Ação
esta história é por
Avi Issacharoff
Avi Issacharoff
Reuters
A Associated Press
tags relacionados
Gaza
Khaled Meshal
Hamas
artigos relacionados
Após 45 anos de exílio, o líder do Hamas, Khaled Meshaal chega em Gaza
Pela Reuters, Associated Press, DPA e Haaretz
Dez.08, 2012 | 14:14 | 78
O líder do Hamas Khaled Meshaal faz visita histórica a Gaza, com o olho na presidência
Por Avi Issacharoff | Dez.08, 2012 | 02:14 | 10
Relatório: Israel ameaça cancelar trégua do Hamas se os líderes da Jihad Islâmica entrar em Gaza
Pela Associated Press | Dez.08, 2012 | 02:14 | 21

Centenas de milhares de palestinos se reúnem em Gaza para comemorar o 25 º aniversário do Hamas.

O
líder do Hamas, Khaled Meshaal, fazendo sua primeira visita à Faixa de
Gaza terminando 45 anos de exílio dos territórios palestinos, prometeu
no sábado de nunca reconhecer Israel e disse que seu grupo islâmico
jamais abandonar sua reivindicação de todo o território israelense.

"A
Palestina é nossa do rio para o mar e do sul para o norte. Não haverá
concessão de uma polegada da terra", disse ele a um mar de defensores em
um comício ao ar livre, o destaque de seus três dias de estadia em Gaza.

"Nunca
vamos reconhecer a legitimidade da ocupação israelense e, portanto, não
há legitimidade para Israel, não importa quanto tempo vai demorar."

Juntando
Meshal no palco sábado foi o primeiro-ministro do Hamas, Ismail
Haniyeh, vice-Meshal, o Moussa Abu Marzouk, e do Hamas Izzat Risheq. Também estiveram presentes delegações de vários países árabes e até mesmo da Grã-Bretanha.

Meshal entrou em Gaza através da fronteira de Rafah com o Egito. Ao entrar na Faixa de Gaza, ele orou com a cabeça no chão. Ele foi recebido pelo Haniyeh e os de outros grupos militantes palestinos. Representantes
do movimento rival Fatah do presidente palestino, Mahmoud Abbas, que
governa a Cisjordânia, também estavam presentes.

Milhares
de simpatizantes do Hamas, alguns deles sinais de vitória que piscam,
foram enfrentando a chuva para participar do evento na Praça Kateba na
Cidade de Gaza. Alguns pais levaram as crianças vestidas com uniformes militares. Em exibição na praça são modelos enormes de Jerusalém e um M-75 mísseis.

O aniversário ocorre duas semanas após o mais sangrento rodada de Israel-Gaza combates em quatro anos.

Hamas
retratou-se como o vencedor do conflito de oito dias, porque Israel
concordou com uma trégua egípcio mediado, em vez de enviar tropas
terrestres, como inicialmente ameaçada.

in haaretz


_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Kllüx em Sab Dez 08, 2012 11:48 am



in Paskino Benfikista... Very Happy Very Happy Very Happy



Kllüx

Pontos : 11150

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Sab Dez 08, 2012 11:56 am

...espremendo e avaliando tudo o que é paleio verificamos uma verdade corriqueira
... quando se nos depara um problema politico só com a politica la vamos
Lembro-me de uma historia de zanga entre vizinhos judeus que todo o santo dia e noite se agrediam ...até que de agressao em agressao foram ter com o rabino ( o sabio dos judeus )
que ouviu ouviu e disse que ia resolver po assunto
no dia seguinte mandou uma cabra para o corredor desta gente zangada
O pivete era imenso e engrossava dia a dia ate que os dois zangados se reuniram e foram ao rabino para retirar o bicho que eles afinal ate se davam bem
-------------------------------------------
tenho uma solução igual para a Palestina
A criação de um só estado laico e entregar Jerusalém á ONU

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Sab Dez 08, 2012 12:17 pm

O ex-PM Olmert: Netanyahu está isolando Israel do resto do mundo
Olmert decisão repreensões PM para expandir a construção em assentamentos, diz que Israel vai pagar "um preço difícil" para ele.
Por Jonathan Lis | 20:58 08.12.12 | 0

Jonathan Lis
tags-primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, no sábado criticou atual premier Benjamin Netanyahu, sobre sua decisão de expandir a construção nos assentamentos da Cisjordânia e de Jerusalém Oriental, em resposta à decisão das Nações Unidas a aprovar a atualização do status da Autoridade Palestina.

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Sab Dez 08, 2012 12:33 pm

Quanto tempo durou as cruzadas?



grus






Melhor resposta - Escolhida por votação


durou +- 100 anos

Primeira Cruzada (1096-1099)
Segunda Cruzada (1147-1149)
Terceira Cruzada (1189-1192)
Quarta Cruzada (1202-1204)
Quinta Cruzada (1217-1221)
Sexta Cruzada (1228-1229)
Sétima Cruzada (1248-1250)
Oitava Cruzada (1270)

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Sab Dez 08, 2012 12:35 pm

Vitor mango escreveu:Quanto tempo durou as cruzadas?


Primeira Cruzada (1096-1099)
Segunda Cruzada (1147-1149)
Terceira Cruzada (1189-1192)
Quarta Cruzada (1202-1204)
Quinta Cruzada (1217-1221)
Sexta Cruzada (1228-1229)
Sétima Cruzada (1248-1250)
Oitava Cruzada (1270)

os cristãos tentaram ate perto de 200 anos conquistar a Palestina e tudo terminou com o regresso á Europa e o Papa a deixar-se de caboiadas

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Dom Dez 09, 2012 2:04 am

Nota Episcopal papal e sem papas na língua

Porque nos anos 90 andei pelo mundo onde havia porrada e merditei bastante sobre o tema guerra este tema da Palestina é um caso acabado de insucesso colonial
Manos e manas
Colonizar necessita de ter gente capaz com muito cewrebro e atenção quando entramos em terra estranha
Nós portugueses fizemos isso porque quem entrava primeiro nas colónias eram padres bem apessoados com sorriso de orelha a orelha
e pasme-se mesmo os militares aconselhavam casamentos inter raças como foi o caso de Afonso de Albuquerque que empurrava os seus oficiais para casamentos e ate no tempo de Afonso henrfiques vemos o romance lindo entre o Traga Mouros e a Oureana
O Drama de israel é á partida doente e doentio ja que eles ao ocuparem uma terra com gente que sempre la viveu teriam que os matar todos como era DOM dos tempos selvagens do antigamente da barbarie ...e pior do que isso ao arrotarem que eram uma Raça Divina eles com pila de ouro e as madames a meterem-se so na horizontal com parras coshe fizeram a pior das acções
PETRIFICARAM no tempo
No Brasil fui empurrado para cfomo florestal e a saber umas coisas de genética tentar meter uma especie "NOVA " no Brasil ja que o projecto por tres vezes pifava
ou seja ...as planats cresciam mas depois dava-lhes o badagaio
E foi sentado na Copacabana que eu descobri a pólvora ao olhar o desfile de gente de todas as raças onde se keskou para o monte e nasciam louros pretos encardidos baixos gordos magros e por ai fora
Ou seja a raça Pura que todos os sábios e sabões arrotavam para introduzir a planta não resultava
e... fiz ensaios cruzando tudo com todos e todos com um
Em cheio
assim e se perceberam a mensagem os judeus porque nao mijam fora da montanha serão um,a raça a desaparecer e um bom exemplo vemo-lo na america onde dep+ois da escravatura e a evoluçao lenta da historia o escravo assume a raça governativa e os latino americanos que nao matavam indioos com os herois de HollyWood são agora pessoal de voz griossa e arrotadora
ahh ahh mas os judeus e os lobbys ?
Caguem nisso pah !Isso volta-se contra eles ...porque quando há crise o pessoal assume-se sempre para quem tem o caroço ...vejam como o povo fala da troika e dois banqueiros
O Problema de Israel é pior do que eu apontei ai em cima porque meteu religião e quando metem armas em religiosos ele mete-se logo a caminho para matar o infiel
Manos
Durante a revolução Francesa e na do Massena o povo teve que queimar as suas casas destruir os animais e culturas por ordem militar e acompanhar os ingleses para Lisboa para o tira teimas
O Povo estava de rastros e o Rei e a classe abastada passeavam no Brasil com a Rainha Carlota a gemer com amantes a toda a esquina
Os judeus de Israel Todos teem duas ou três passaportes mas os Palestinianos nem Um teem
Então nada teem a perder
Depois os judeeus utilizaram o Holocausto para encherem a conta bancaria garantindo assim que o dinheiro lhe curavam a alma ...exactam,ente ao contrario dos cristaos onde o "Chefe " Morto e sepultado foi adoptado como simbolço
Por quem?
Pelos Romanos que O Mataram
mas
mas...o pior de tudo é que em Israel há um governo com um Imbecil chapado e um PM que quem manda nele
e a mulher e...quando levaram uma porrada tesa na Onu fizeram o mesmo que eu fazia quando fisgava a cabeça da galinha ...ela estupida via passar o zunido ao ouvido e ia a correr a pensar que era milho

manos se ainda ai estao

Na África do Sul ,aguentei paleio idêntico de brancos apontando para os negros como raça inferior e que so eles bla bla ...e na China e um mes antes de tienamem estava la a ouvir estudantes ineteressadussumos sobre o que era a democracia e no Brasil quando eu afirmava que era o pasis do futuro eles riam-se e eu replicava ...Voces e á nossa custa resolveram ja o drama religioso das raças e da pobreza

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Joao Ruiz em Dom Dez 09, 2012 4:21 am

.
Linda dissertação! Pena que não saia da cepa torta, vire o disco e volte ao mesmo!

Por isso, já nem vale a pena -nem apetece- escrever qualquer coisa neste tópico!


Twisted Evil


_________________
Amigos?Longe! Inimigos? O mais perto possível!

Joao Ruiz

Pontos : 32035

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Dom Dez 09, 2012 4:34 am

Joao Ruiz escreveu:.
Linda dissertação! Pena que não saia da cepa torta, vire o disco e volte ao mesmo!

Por isso, já nem vale a pena -nem apetece- escrever qualquer coisa neste tópico!


Twisted Evil


...porque tem sangue a mais

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Dom Dez 09, 2012 4:37 am

[Aumentar] [Normal] [Diminuir]
Israel a pagar alto preço sobre plano de resolução: Ex-premier israelense
O ex-primeiro-ministro israelense Ehud Olmert
O ex-primeiro-ministro israelense Ehud Olmert
Dom 9 de dezembro de 2012 09:47

Bibi Netanyahu está isolando Israel de todo o mundo de uma forma sem precedentes, e nós vamos pagar um preço alto em todas as facetas de nossas vidas, e do público israelense deveria saber. "

O ex-primeiro-ministro israelense Ehud Olmert
O ex-israelense Ehud Olmert Premier diz que o regime israelense terá que "pagar um preço alto" sobre as políticas de liquidação do incumbente primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.


"Bibi Netanyahu está isolando Israel de todo o mundo de uma forma sem precedentes, e nós vamos pagar um preço alto em todas as facetas de nossas vidas, e do público israelense deve saber isso", disse Olmert no sábado.

Em 30 de novembro, Israel aprovou um plano para construir 3.000 unidades mais em East al-Quds (Jerusalém) e da Cisjordânia, incluindo na área controversa E1, no que é visto como uma resposta ao reconhecimento da ONU da Palestina como um não -estado membro observador do dia anterior.

Olmert acrescentou que o anúncio de Israel de os planos de liquidação que vieram depois de os EUA se opuseram à melhoria do estado da Palestina na Assembleia Geral da ONU foi um tapa na cara de principal aliado de Tel Aviv.


Muitos países censuraram a Tel Aviv regime sobre o plano de expansão dos assentamentos. Pelo menos oito países convocados embaixadores israelenses na semana passada para protestar contra o plano, incluindo tão estreitos aliados de Israel como Alemanha, Itália e Grã-Bretanha.

Ministro sueco dos Negócios Estrangeiros Carl Bildt também criticou a medida como "pura vingança contra os palestinos após a votação da ONU."

Enquanto isso, os Estados Unidos pediu a Israel para "reconsiderar estas decisões unilaterais e moderação como essas ações são contraproducentes e tornar mais difícil para retomar as negociações diretas".

MYA / HJL

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Dom Dez 09, 2012 7:36 am

Netanyahu: os palestinos não têm nenhuma intenção de comprometer com Israel
Premier diz aos ministros que "declaração de que seria" o Hamas livre polegada por polegada da Palestina "e Abbas a não condenar as observações expõe Israel" para o verdadeiro rosto "de seu inimigo.
Por Barak Ravid | 12:52 09.12.12 | 75

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, disse neste domingo que a declaração do Hamas no fim de semana que nunca iria reconhecer Israel e iria "libertar a terra da Palestina polegada por polegada" uma vez mais "exposto a verdadeira face" dos inimigos de Israel....
haaretz

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Dom Dez 09, 2012 7:38 am

Vitor mango escreveu:Netanyahu: os palestinos não têm nenhuma intenção de comprometer com Israel
Premier diz aos ministros que "declaração de que seria" o Hamas livre polegada por polegada da Palestina "e Abbas a não condenar as observações expõe Israel" para o verdadeiro rosto "de seu inimigo.
Por Barak Ravid | 12:52 09.12.12 | 75

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, disse neste domingo que a declaração do Hamas no fim de semana que nunca iria reconhecer Israel e iria "libertar a terra da Palestina polegada por polegada" uma vez mais "exposto a verdadeira face" dos inimigos de Israel....
haaretz


Portugal tem o mesmo problema com Olivença e ja la vão 200 anos

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Dom Dez 09, 2012 9:34 am

Apesar do apoio da ONU, Canadá reprimendas Israel sobre liquidação novos planos
Por Barak Ravid | Dez.09, 2012 | 17:43 | 22

Na
quinta-feira, o jornal canadense The Globe and Mail publicou um artigo
que não era só interessante por causa de seu conteúdo, mas também por
causa da maneira que ele foi publicado. Ministro
dos Negócios Estrangeiros do Canadá, John Baird, disse ao jornal de seu
próprio acordo que primeiro-ministro canadense, Stephen Harper, havia
falado ao telefone com o primeiro-ministro israelense Benjamin
Netanyahu. Durante
a conversa, foi relatado, Harper disse Netanyahu de sua oposição aos
planos de Israel para desenvolver a E-1 corredor entre Jerusalém e Maale
Adumim, na Cisjordânia.

Os meios de comunicação canadenses foi selvagem sobre o relatório, e com razão. Ouvir
críticas da opinião pública de Israel pelo atual governo canadense, que
é considerado um dos mais amigável para Israel no mundo, é uma tarefa
quase impossível.

Quando
Israel age de uma maneira que vai totalmente contra a política do
governo canadense, como a construção maciça nos assentamentos,
principalmente os canadenses ignorá-lo e seguir em frente. Como
tal, um vazamento deliberado desta natureza, pelo ministro das Relações
Exteriores de todos os povos, é ainda mais de uma anomalia.

O relatório foi publicado enquanto Netanyahu estava em uma visita à Alemanha. Quando
os repórteres que acompanham o primeiro-ministro sobre a visita pediu
sua resposta à notícia, seus assessores disseram que era Netanyahu que
tinha passado chamado Canadian PM Harper - e não o contrário -, a fim de
agradecer-lhe para votar contra a proposta palestina no último mês da ONU.

Comitiva
de Netanyahu disse que a conversa entre os dois não se tratar a todos
com o E-1 questão e que Netanyahu "não se lembra" que ele falou com
Harper sobre a questão dos assentamentos. Mais
tarde, Liran Dan, chefe da Direcção Nacional de Informação no Gabinete
do Primeiro-Ministro, sugeriu que os repórteres chamam escritório de
Harper se a ouvi-lo em linha reta dos canadenses.

Mas, então, um outro relatório foi publicado na imprensa canadense - desta vez no canal de televisão do Canadá líder, CTV. Um
funcionário de escritório de Harper, que falou sob condição de
anonimato, com um dos repórteres do canal, confirmou que o
primeiro-ministro canadense havia dito Netanyahu durante seu telefonema,
ele se opôs a planos no E-1 corredor.

"Harper condenou Israel por tomar um passo unilateral", escritório de Harper disse CTV. "A expansão dos assentamentos vai prejudicar os esforços para alcançar a paz entre israelenses e palestinos."

Apesar
do relatório adicional nos meios de comunicação canadenses, eu decidi
não ser preguiçoso, e mandou um e-mail para Carl Vallee, um dos
porta-vozes de Harper, perguntando-lhe se na chamada de telefone com
Netanyahu Primeiro-Ministro canadiano tinha expressado sua oposição à
expansão da construção nos assentamentos. Netanyahu não poderia ter lembrado que o par discutido por telefone, mas o escritório de Harper fez.

"Sobre
o que você tem lido na imprensa canadense - com relação à ação
unilateral por ambos os lados - não apoiá-lo, pois é inútil para o
processo de paz", escritório de Harper disse.

By
the way, se Netanyahu está na necessidade de algo mais para refrescar a
memória, as recentes declarações do ministro das Relações Exteriores
canadense ao Parlamento canadense também pode ser de serviço. Embora
Baird fez todos os esforços para minimizar os danos, e deixou claro que
isso não foi feito como uma repreensão ou moralizar por Harper, ele não
confirmou que a conversa tratou dos assentamentos.

"Ele (Harper) apenas disse 'e pela maneira que nós não, nós não estamos a apoiar esta acção." Não foi uma intimidação, não foi um debate, não foi uma palestra ", disse Baird.

in haaretz

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Seg Dez 10, 2012 1:14 am

Secar os palestinos
Princípios
morais básicos exigem que Israel deixará destruir cisternas que são
essenciais para a existência de dezenas de comunidades palestinas.
Haaretz Editorial | Dez.10, 2012 | 03:17 | 2

Desde
o início do ano, Israel destruiu 35 cisternas utilizados por
comunidades palestinas,
20 deles na área de Hebron e as colinas do sul
de Hebron. Em 2011, Israel destruiu 15 cisternas, e nos últimos 18 meses, 29. Em
muitos desses casos de antigas cisternas foram destruídos que tinha
servido os antepassados ​​dos habitantes dessas comunidades. Recentemente, eles foram restauradas com a ajuda europeia. As cisternas mostram a continuidade da habitação palestino muito antes de 1948. Normalmente,
as comunidades cujas cisternas foram destruídos estão a uma curta
distância a partir de assentamentos e postos avançados não autorizados
que gostam de um abastecimento de água regular. Na
mesma oportunidade da Administração Civil, quase sempre destrói
barracas palestinos, currais e instalações de armazenamento de
alimentos.

Esta
informação é baseada em dados do Escritório das Nações Unidas para a
Coordenação de Assuntos Humanitários, Rabinos pelos Direitos Humanos e
da Associação de Direitos Civis em Israel. O
porta-voz do Coordenador militar das Atividades do Governo nos
Territórios não responder a consultas do Haaretz sobre o número de
cisternas destruídas ao longo dos últimos dois anos, ou por que a
restauração de uma antiga cisterna é considerado uma ofensa. O
porta-voz fez explicar (Haaretz, 7 de dezembro), que "a escavação de
cisternas - que constitui uma mudança de infra-estrutura -. Requer o
recebimento de uma autorização das instituições de planejamento
autorizados" Mas,
desde o início, Israel não incluir no seu mestre planeja as comunidades
palestinas que agora dependem de cisternas, e, portanto, eles não podem
esperar receber uma autorização legal.

Deixando
comunidades palestinas desconectados da infra-estrutura, declarando
grandes áreas como disparar zonas e destruindo cisternas são parte de
uma política intencional desde o início de 1970. Seu
objetivo é deixar como poucos palestinos quanto possível, na maioria da
Cisjordânia (C hoje Area, sob controle civil e militar israelense),
para agilizar assentamentos judaicos e, assim, torná-lo mais fácil para
anexar essas áreas a Israel.

A União Europeia opõe-se as políticas de Israel na área C, que a UE considera sabota a solução de dois Estados. Ele
também baseia a sua posição sobre o direito internacional, que proíbe a
demolição de estruturas que deixaria uma população protegida, sem
comida e água e resultado em seu deslocamento forçado.
Princípios
morais básicos, bem como evitando outra colisão frontal com nossos
amigos, exige que Israel cesse e desista de destruir cisternas que são
essenciais para a existência de dezenas de comunidades palestinas.

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Seg Dez 10, 2012 1:19 am

Vitor mango escreveu:Secar os palestinos
Princípios
morais básicos exigem que Israel deixará destruir cisternas que são
essenciais para a existência de dezenas de comunidades palestinas.
Haaretz Editorial | Dez.10, 2012 | 03:17 | 2

Desde
o início do ano, Israel destruiu 35 cisternas utilizados por
comunidades palestinas,
20 deles na área de Hebron e as colinas do sul
de Hebron. Em 2011, Israel destruiu 15 cisternas, e nos últimos 18 meses, 29. Em
muitos desses casos de antigas cisternas foram destruídos que tinha
servido os antepassados ​​dos habitantes dessas comunidades. Recentemente, eles foram restauradas com a ajuda europeia. As cisternas mostram a continuidade da habitação palestino muito antes de 1948. Normalmente,
as comunidades cujas cisternas foram destruídos estão a uma curta
distância a partir de assentamentos e postos avançados não autorizados
que gostam de um abastecimento de água regular. Na
mesma oportunidade da Administração Civil, quase sempre destrói
barracas palestinos, currais e instalações de armazenamento de
alimentos.

Esta
informação é baseada em dados do Escritório das Nações Unidas para a
Coordenação de Assuntos Humanitários, Rabinos pelos Direitos Humanos e
da Associação de Direitos Civis em Israel. O
porta-voz do Coordenador militar das Atividades do Governo nos
Territórios não responder a consultas do Haaretz sobre o número de
cisternas destruídas ao longo dos últimos dois anos, ou por que a
restauração de uma antiga cisterna é considerado uma ofensa. O
porta-voz fez explicar (Haaretz, 7 de dezembro), que "a escavação de
cisternas - que constitui uma mudança de infra-estrutura -. Requer o
recebimento de uma autorização das instituições de planejamento
autorizados" Mas,
desde o início, Israel não incluir no seu mestre planeja as comunidades
palestinas que agora dependem de cisternas, e, portanto, eles não podem
esperar receber uma autorização legal.

Deixando
comunidades palestinas desconectados da infra-estrutura, declarando
grandes áreas como disparar zonas e destruindo cisternas são parte de
uma política intencional desde o início de 1970. Seu
objetivo é deixar como poucos palestinos quanto possível, na maioria da
Cisjordânia (C hoje Area, sob controle civil e militar israelense),
para agilizar assentamentos judaicos e, assim, torná-lo mais fácil para
anexar essas áreas a Israel.

A União Europeia opõe-se as políticas de Israel na área C, que a UE considera sabota a solução de dois Estados. Ele
também baseia a sua posição sobre o direito internacional, que proíbe a
demolição de estruturas que deixaria uma população protegida, sem
comida e água e resultado em seu deslocamento forçado.
Princípios
morais básicos, bem como evitando outra colisão frontal com nossos
amigos, exige que Israel cesse e desista de destruir cisternas que são
essenciais para a existência de dezenas de comunidades palestinas.


É evidente que os judeus que detinham da parte da CE e do mundo uma atitude de COITADOS o que esta gente dofreu " passaram a ser os diabos da Palestina e a serem atirados para um canto do mundo actual que ja ve neles uma porfiada malevola da pior especie
Porque ?
Money careoço dolares ...e por ai fora
O carlitos que3 escrevia uns bookas about O capial escovava na matéria e o Profeta dos Cristãos ja apontavam o dedo aos bancários e banqueiros ...nem um passa pelo buraco da agulha

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Seg Dez 10, 2012 6:31 am

Vitor mango escreveu:
Vitor mango escreveu:Secar os palestinos
Princípios
morais básicos exigem que Israel deixará destruir cisternas que são
essenciais para a existência de dezenas de comunidades palestinas.
Haaretz Editorial | Dez.10, 2012 | 03:17 | 2

Desde
o início do ano, Israel destruiu 35 cisternas utilizados por
comunidades palestinas,
20 deles na área de Hebron e as colinas do sul
de Hebron. Em 2011, Israel destruiu 15 cisternas, e nos últimos 18 meses, 29. Em
muitos desses casos de antigas cisternas foram destruídos que tinha
servido os antepassados ​​dos habitantes dessas comunidades. Recentemente, eles foram restauradas com a ajuda europeia. As cisternas mostram a continuidade da habitação palestino muito antes de 1948. Normalmente,
as comunidades cujas cisternas foram destruídos estão a uma curta
distância a partir de assentamentos e postos avançados não autorizados
que gostam de um abastecimento de água regular. Na
mesma oportunidade da Administração Civil, quase sempre destrói
barracas palestinos, currais e instalações de armazenamento de
alimentos.

Esta
informação é baseada em dados do Escritório das Nações Unidas para a
Coordenação de Assuntos Humanitários, Rabinos pelos Direitos Humanos e
da Associação de Direitos Civis em Israel. O
porta-voz do Coordenador militar das Atividades do Governo nos
Territórios não responder a consultas do Haaretz sobre o número de
cisternas destruídas ao longo dos últimos dois anos, ou por que a
restauração de uma antiga cisterna é considerado uma ofensa. O
porta-voz fez explicar (Haaretz, 7 de dezembro), que "a escavação de
cisternas - que constitui uma mudança de infra-estrutura -. Requer o
recebimento de uma autorização das instituições de planejamento
autorizados" Mas,
desde o início, Israel não incluir no seu mestre planeja as comunidades
palestinas que agora dependem de cisternas, e, portanto, eles não podem
esperar receber uma autorização legal.

Deixando
comunidades palestinas desconectados da infra-estrutura, declarando
grandes áreas como disparar zonas e destruindo cisternas são parte de
uma política intencional desde o início de 1970. Seu
objetivo é deixar como poucos palestinos quanto possível, na maioria da
Cisjordânia (C hoje Area, sob controle civil e militar israelense),
para agilizar assentamentos judaicos e, assim, torná-lo mais fácil para
anexar essas áreas a Israel.

A União Europeia opõe-se as políticas de Israel na área C, que a UE considera sabota a solução de dois Estados. Ele
também baseia a sua posição sobre o direito internacional, que proíbe a
demolição de estruturas que deixaria uma população protegida, sem
comida e água e resultado em seu deslocamento forçado.
Princípios
morais básicos, bem como evitando outra colisão frontal com nossos
amigos, exige que Israel cesse e desista de destruir cisternas que são
essenciais para a existência de dezenas de comunidades palestinas.


É evidente que os judeus que detinham da parte da CE e do mundo uma atitude de COITADOS o que esta gente dofreu " passaram a ser os diabos da Palestina e a serem atirados para um canto do mundo actual que ja ve neles uma porfiada malevola da pior especie
Porque ?
Money careoço dolares ...e por ai fora
O carlitos que3 escrevia uns bookas about O capial escovava na matéria e o Profeta dos Cristãos ja apontavam o dedo aos bancários e banqueiros ...nem um passa pelo buraco da agulha


_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Vitor mango em Seg Dez 10, 2012 10:32 am

Tanques de Israel, tratores entrar em Gaza em 1 incursão pós-trégua

Seg 10 de dezembro de 2012 14:48
As forças israelenses realizaram uma incursão limitada em cidade do sul da Faixa de Gaza de Khan Yunis, pela primeira vez depois de um acordo de cessar-fogo terminou a ofensiva do regime israelense sobre a lasca bloqueado costeira.


Fontes locais nesta segunda-feira que os tanques do exército israelense e tratores lançou a intrusão breve para a cidade oriental de Khan Yunis, no sul da Faixa de Gaza.

A recente incursão Tel Aviv regime do enclave costeiro vem pela primeira vez depois de um Egito mediada cessar-fogo pôr fim à ofensiva mortal de Israel à Faixa de Gaza em 21 de novembro.


Exército israelense já violou o acordo de trégua em várias instâncias.


Em 23 de novembro, as forças israelenses abriram fogo contra um grupo de agricultores na aldeia de Khuzaa, a leste de Khan Yunis, matando um jovem palestino e ferindo outros sete apenas dois dias após o cessar-fogo entrou em vigor.

Mais de 160 palestinos, incluindo mulheres e crianças, perderam a vida e cerca de 1.200 ficaram feridas nos ataques israelenses aéreos em Gaza, que foram realizadas durante o período de oito dias de novembro 14-21.

Combatentes da resistência palestina incessantemente derramado foguetes e mísseis sobre as cidades israelenses, matando pelo menos cinco israelenses, incluindo um soldado, em retaliação aos ataques mortais em territórios sitiados.

MKA / JR / SS

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: o massacre que se adivinha em gaza

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 11:51 pm


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 10 de 11 Anterior  1, 2, 3 ... , 9, 10, 11  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você pode responder aos tópicos neste fórum