Milhares de rituais xiitas participar de Ashura no Líbano

Novo Tópico   Responder ao tópico

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Milhares de rituais xiitas participar de Ashura no Líbano

Mensagem por Vitor mango em Seg Nov 26, 2012 1:12 am

Milhares de rituais xiitas participar de Ashura no Líbano
Libaneses muçulmanos xiitas lamentar o martírio de Imam Hussein (PECE) durante os rituais da Ashura em Beirute
Libaneses muçulmanos xiitas lamentar o martírio de Imam Hussein (PECE) durante os rituais da Ashura em subúrbio sul de Beirute de Dahiyeh 25 de novembro de 2012.
Seg 26 de novembro de 2012 07:07
Milhares de libaneses muçulmanos xiitas realizaram cerimônias em comemoração do aniversário do martírio de Imam Hussein (PECE), o neto do Profeta Maomé.


Xiitas marcharam pelas ruas de subúrbios ao sul de Beirute no dia da Ashura e do martírio do terceiro lamentou Shia Imam e seus companheiros 72.

Muitos se reuniram no sul da cidade de Nabatieh, que normalmente mantém as maiores rituais da Ashura no Líbano. Homens, mulheres e crianças ouviu tão atentamente como pregador contou a história do neto do profeta e do sofrimento que ele passou na batalha de Karbala.

As forças de segurança, em um estado de alerta depois de relatos de um possível ataque em luto, os veículos impedidos de entrar na cidade, que está situado 57 km (35 milhas) ao sul de Beirute.

Rituais da Ashura, assim, teve lugar nas cidades de Tiro e Bint Jbeil, no sul do Líbano no domingo.

As cerimônias de comemoração do martírio de Imam Hussein e seus companheiros leais atingem o seu clímax, no Dia da Ashura - o décimo dia do mês lunar islâmico de Muharram.


Ashura marca o aniversário do dia em em 680 dC, quando milhares de forças leais ao despótico Umayyad califa Yazid ibn Muawiyah martirizado neto do profeta e seus seguidores Karbala, no Iraque.

MP / SZH

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Milhares de rituais xiitas participar de Ashura no Líbano

Mensagem por Vitor mango em Seg Nov 26, 2012 1:16 am

Selêucidas e Romanos


Após a morte de Alexandre Magno em 323 a.C., o seu império seria dividido entre os seus generais. Num primeiro momento as cidades fenícias foram controladas pela Dinastia Ptolemaica do Egipto, fundada por Ptolemeu I; a partir de cerca de 200 a.C. estas passaram para o domínio dos Selêucidas, que as mantiveram até à conquista romana de Pompeu em 64 a.C.

A Fenícia foi incluída na província romana da Síria. A cidade de Beirute foi alvo de um importante programa de obras públicas durante o reinado de Herodes, o Grande, tendo lhe sido atribuído o estatuto de colónia pelo imperador Augusto.

O Líbano é um dos quinze países contemporâneos que ocupam a região que é considerada o Berço da Humanidade. É a pátria histórica dos fenícios, negociantes semíticos cuja cultura marítima floresceu na região durante mais de 2 000 anos.

Os Fenícios, organizados em várias cidade-estados expandiram o comércio marítimo através do Mediterrâneo e fundaram várias colonias ao longo do Norte da África, sendo a mais importante Cartago (atual Túnis). Cartago era uma colonia da cidade de Tiro, principal cidade fenícia em relação ao comércio marítimo. Quando Alexandre, O Grande cercou e tomou Tiro, a aristocracia da cidade fugiu para Cartago, que passou a ser o centro de seu Império. Dentre os feitos dos antigos Fenícios, está a invenção da escrita alfabética, que foi adaptada pelos gregos e pelos próprios semitas e deu origem aos atuais alfabetos romano, grego, cirílico e arábico.

Outro grande feito foi a Circunavegação fenícia da África,
feita milhares de anos antes dos portugueses a terem feito. Após cair
sob o domínio macedônio, o centro da cultura fenícia passou a ser Cartago, e a região perdeu boa parte de sua grande importância. Em 146 AC. Cartago foi destruída pelo Império Romano durante a terceira Guerra Púnica, e a cultura fenícia foi dispersa tanto no Oriente Médio quanto no Norte da África(inclusive o próprio alfabeto Tuareg, anterior aos Árabes, advem diretamente do alfabeto fenício). O Líbano, praticamente um protetorado dos impérios que o cercavam, cai sob o julgo Romano.

Nesta época, na cidade de Berilos (atual Beirute) foi criada uma das maiores Faculdade de Direito do Império Romano. Com a divisão do Império, passa ao domínio bizantino. Bizâncio pouco se interessou com a região, que neste tempo havia sido convertida pela Igreja maronita (denominação católica majoritária até hoje no Líbano).

Na Alta Idade Média foi tomada pelos Árabes e anexada a Síria. Sendo próxima a capital do Califado, Damasco, houve um desenvolvimento razoável na região. Durante as cruzadas, foi ocupado pelos cruzados, que estabeleceram capital em Trípoli e submeteram a Igreja Maronita à Igreja Católica Romana. Por funcionar com um sistema feudal, o Líbano foi rápidamente retomado pelos Árabes, e pouco depois, pelo Império Otomano.

Depois do colapso do Império Otomano que se seguiu à Primeira Guerra Mundial, a Liga das Nações atribuiu à França o mandato sobre as cinco províncias que compõem o Líbano actual.

A moderna constituição libanesa, delineada em 1926, especifica um balanço no poder político entre os grupos religiosos principais, nomeadamente entre os muçulmanos e os maronitas.

O país obteve a independência em 1943, e as tropas francesas retiraram em 1946.
A história libanesa desde a independência tem sido marcada por períodos
alternados de estabilidade política e convulsões, entremeados com a
prosperidade adquirida pela posição de Beirute como um centro regional de finanças e negócios.

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você pode responder aos tópicos neste fórum