Quando as plantas são segredos de Guerra

Novo Tópico   Responder ao tópico

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Quando as plantas são segredos de Guerra

Mensagem por Vitor mango em Qui Nov 29, 2012 10:50 am

Quando as plantas são segredos de Guerra






Em
plena euforia de plantação de vinhedos no Alentejo , fui a França encomendar 2
milhões de videiras americanas para enraizar e depois vender para o Alentejo –
isto em finais dos anos 60 .


Porquê
videiras americanas ?


Para
os que não sabem ,informo que , nos finais do últimos século ,as vinhas na
Europa foram destruídas por um insecto que lhe inutilizava as raízes – a
Filoxera .


O insecto tinha vindo da América , logo , o
remédio , foi descobrir a razão porque o insecto não fazia mal nas vinhas
americanas .A solução foi simples . Se o insecto não destroi as raízes
americanas , plantamos a videira
americana e a “ cavalo “ nela , a videira da Europa – assim nasceu a enxertia nas videiras .


Ao
principio , utilizaram-se espécies puras
, recolhidas ao acaso , nos EUA com os
nomes de Rupestris , Berlandieri , Riparia etc. . Do cruzamento entre estas
elas nasceram os Híbridos . Uns por cruzamentos naturais e outros por cruzamentos
artificiais


A
França dominava a técnica e os alemães e Italianos vigiavam , de perto os
estudos realizados .


Em
Portugal o Douro foi quase todo destruído pela Filoxera .


Nos
anos 60 , fui ao maior centro de estudos de bacelos para estabelecer contactos
.


Foi
exactamente o Professor P. Galet da Ecole Nationale Superieure Agronomique de
Montpellier ( abreviado EM ) que me
recebeu e contou , que espiões alemães tinham roubado aos franceses sementes
destes híbridos em ensaio – isto durante
a I Grande Guerra . Essas sementes ,
saíram de França escondidas dentro de uma bengala , dando depois origem , na
Alemanha , a outras Cv ( variedades
, na Itália e na Alemanha ) .


A
introdução de novos bacelos ( ou videiras ) americanas foi feita na Quinta da
Serrada situada no Vale do Horto , como o S04 , 5BB , 34EM ( Escola Montpellier
)


No
mesmo dia em que fazia a encomenda , um viveirista espanhol carregava 6 milhões de plantas 34 EM – videira bem
conhecida pela elevada resistência ao calcário total e activo


Os
agricultores sabem que para se saber se a terra tem calcário , deitam no solo
algumas gotas de acido clorídrico e em caso positivo a terra ferve com bolhas .


Entre
os dois milhões de plantas , havia 6 videiras oferecidas pelo professor,
dotadas de poderes que na altura se duvidava . Essas plantas , resistiam á
filoxera e a doenças como o míldio – só
que a sua entrada em Portugal não era legal .


A
GNR vigiava e mandava arrancar tudo o que fosse produtor directo . Houve muitas
mortes ocasionadas por esta lei e isto em todo o país (*).


Os
fiscais aduaneiros que assistiam a descarga dos camiões TIR estiveram com as
plantas na mão e para eles , elas eram
todas iguais .


O
nome de código das plantas eram SV 23410 e SV 20.473 Foram plantadas no Inverno
de 1968 numa latada da Quinta da
Serrada, que o leitor pode ver na foto
em anexo .


Trinta
e quatro anos depois , uma destas variedades
encontra-se espalhada por todo o distrito de Leiria , cedida de
agricultor a agricultor para fazerem latadas ( poucos sabem a historia ).


Ao
fim de 34 anos de ensaios, podemos
garantir que passou todos os testes de adaptação


Resiste
á filoxera .NUNCA teve qualquer tratamento contra o míldio ou oídio , quando qualquer videira necessita de 10 a 12 tratamentos por época . As uvas são brancas , doces , de
sabor europeu nada tem a ver com o horrível sabor das uvas das videiras
americanas


As
plantas frutificam muito bem todos os
anos , sem os problemas de alternância .


O
único defeito são as necroses folheares provocadas por deficiência em magnésio
mas perfeitamente aceitáveis .


Pergunta
o leitor porque é que esta videira não é conhecida ?


Para
já , passados 34 anos , os direitos de
autor caducaram !


Sendo
resistente ao míldio e gastando o país milhões de contos em tratamento qualquer
tentativa de “ legalizar” a variedade iria sofrer enormes pressões dos
distribuidores e fabricantes de pesticidas para entrar no esquema das nossas
plantações .


Vamos
resumir


Estas
variedades , foram obtidas através do
cruzamento ( feita através da flor nos meados dos anos 50 ) entre videiras
americanas e Europeias .Evitávamos assim as enxertias –O leitor mais
interessado poderá consultar curtas referencias aos dois híbridos produtores
directos no livro de P. Galet “ Precis D´Ampélographie Pratique , 3ª edição de
1971 - pagina 132 .


O diário
de Leiria é assim o primeiro órgão
informativo de Portugal a divulgar um segredo com 34 anos – Um segredo guardado
religiosamente e que pode tornar-se em breve objectivo de ávida procura de
interessados vitivinicultores






(*)
Os produtores directos em causa , são facilmente identificados sendo o mais
vulgar o Jacquez , Labrusca ,Isabelle etc.

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106995

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você pode responder aos tópicos neste fórum