Inédito: queixa-crime dos juízes contra Marinho e Pinto ( e que afinal o não é...)

Novo Tópico   Responder ao tópico

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Inédito: queixa-crime dos juízes contra Marinho e Pinto ( e que afinal o não é...)

Mensagem por Vitor mango em Qui Abr 11, 2013 1:33 pm


Inédito: queixa-crime dos juízes contra Marinho e Pinto ( e que afinal o não é...)








RR:



A Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) apresentou esta
terça-feira, no Ministério Público, uma queixa contra o bastonário da
Ordem dos Advogados, Marinho Pinto.
A ASJP considera que é tempo de responsabilizar quem insiste em fazer afirmações “graves, panfletárias e levianas”.
Em
causa está a audição de Marinho Pinto, esta terça-feira, no Parlamento,
durante a qual voltou a dizer que os tribunais arbitrais promovem a
corrupção.
O bastonário afirmou ser frequente que as actas lavradas
pelos juízes em tribunal sejam falsificadas, deixando de haver
correspondência com o que efectivamente se passou entre as partes.
A
Associação que representa os juízes classifica as declarações “indignas
e inaceitáveis”, defendendo que o Ministério Público deve ouvir
imediatamente o bastonário dos advogados, para que identifique e
concretize as afirmações que fez.
Em comunicado, os juízes dizem também não conhecer qualquer caso como os que foram referidos por Marinho Pinto.






Marinho e Pinto excede-se muitas vezes em declarações como Bastonário.
Na tv, sem essa toga vestida costuma dizer atoardas boquejonas que só o
qualificam como é: um indivíduo traumatizado com algo indizível contra
os magistrados. Um problema do foro psíquico, claramente. Mas na tv é
apenas comentador, num estatuto especial que alcançou in illo tempore,
porque sendo bastonário devia ser mais reservado, mormente em relação a
processos pendentes e mesmo quando não está de toga.

Em lugares oficiais, assumindo as funções que representa, em nome de
todos os advogados, julgando que está no mesmo palco da tv e sem se dar
conta do significado do cargo que ocupa, dá largas à tendência boquejona
e larga o mesmo tipo de atoardas como o fez agora na Assembleia da
República. Se dissesse o mesmo do presidente da República ou dos
deputados seria trucidade vivo pelos opinativos do costume, mormente uma
alma gémea, como é o compadre do banqueiro.

Assim, sabendo que conta com uma opinião pública já devidamente
doutrinada contra o poder judicial, em grande parte com a sua activa
colaboração, sente-se estimulado em subir o tom dos ataques não medindo
as consequências.

Em tempos, numa cerimónia de abertura do ano judicial, insultou vil e
soezmente um juiz em exercício de funções, num ataque ad personam que os
tribunais entenderam desvalorizar e diminuir, diminuindo-se a si mesmos
com tal atitude.

Assim, com um alarmante sentido de impunidade, voltou a insultar os juízes in totum, ofendendo-os colectivamente.

Pode ser que o cântaro de tantas vezes ir à fonte deixe lá a asa...


ADITAMENTO:

Afinal a "queixa-crime" contra o Bastonário anunciada pela R.R. não o é, porque é apenas "contra desconhecidos" e tem um teor diverso daquele que é dado na notícia.
Ao ler a notícia fui induzido em erro por mais esta incursão nas veredas do jornalismo tipo para quem é bacalhau basta.











Publicada por

josé



à(s)

9.4.13







16 comentários:



Hiperligações para esta mensagem

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106523

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você pode responder aos tópicos neste fórum