De Vergonha para o Pecado : A Transformação cristão de moralidade sexual na Antiguidade Tardia

Ir em baixo

De Vergonha para o Pecado : A Transformação cristão de moralidade sexual na Antiguidade Tardia

Mensagem por Vitor mango em Qua Dez 11, 2013 4:19 am



Roma: Sex & Liberdade
Peter Brown
De Vergonha para o Pecado : A Transformação cristão de moralidade sexual na Antiguidade Tardia
por Kyle Harper
Harvard University Press, 304 págs , 33,95 dólares
brown_1 - 121913.jpg Bridgeman Art Library
Fresco da Casa do Centurion, Pompéia, primeiro século aC

Uma das delícias e os desafios do estudo do mundo antigo mais duradouros , e do Império Romano , em particular, é a tensão entre familiaridade e estranheza que caracteriza as nossas muitas abordagens para ele. É como um grande edifício, visível de longe, no final de uma estrada reta que atravessa o que parece ser um simples nível. Somente quando nos aproximamos estamos trouxe afiada, à beira de um grande canyon, invisível a partir da estrada , que corta o seu caminho entre nós eo monumento que buscamos. Temos consciência de que estamos a olhar para este mundo do outro lado uma queda enorme , silencioso de dois mil anos.

Antiguidade é sempre mais estranha do que nós pensamos. Em nenhum lugar se provar ser mais estranho do que uma vez em que assumiu que era mais familiar para nós. Nós sempre soubemos que os romanos tinham um monte de sexo. De fato, na opinião dos nossos idosos , eles provavelmente tinha muito mais do que foi muito bom para eles. Também sempre soube que os primeiros cristãos tinha um agudo senso de pecado. Nós tendemos a pensar que eles tinham muito mais sentido do pecado do que deveria ter tido. Caso contrário, eles eram muito como nós. Até recentemente , os estudos sobre sexo em Roma e do cristianismo no mundo romano foram envoltos em um casulo de falsa familiaridade.

Só na última geração já percebemos a enorme , formigamento queda da garganta que fica entre nós e um mundo que tínhamos anteriormente tendem a tomar para concedido como diretamente disponível para as nossas próprias categorias de compreensão . " Revelando Antiquity ", a Harvard University Press série editado por Glen Bowersock , desempenhou o seu papel em incutir em todos nós um saudável senso de vertigem como se perscrutar sobre a borda em um mundo fascinante , mas profundamente estranho . O livro de Kyle Harper De Vergonha para o Pecado : A Transformação cristão de moralidade sexual na Antiguidade Tardia é uma contribuição cintilante para esta série. Não se limita a medir a natureza exata da tensão entre o familiar eo estranho profundamente que está por trás de nossa imagem da moralidade sexual dos gregos e romanos do Império Romano do período clássico . Ele também passa a evocar a pura , estranheza inesperada do código sexual muito diferente elaborado em círculos cristãos , e seu súbito enfraquecimento , em grande parte de um imprevisto muito antiga equilíbrio social nos dois séculos que se seguiram à conversão de Constantino ao cristianismo em 312 . Como Harper deixa claro na primeira página de seu livro denso e vívido , "Poucos períodos da história pré-moderna testemunharam tal mudança ideológica vivo e consequente. Sexo era o centro de tudo. "

Por que isso acontece? É uma questão que tem sido feita frequentemente nos últimos tempos. O que é original no livro de Harper é a sua abordagem para a questão , ea mordacidade com a qual ele fornece uma resposta. Esta resposta é baseada em uma apreciação das estruturas sociais da vida real do Império Romano clássico e das mudanças irrevogáveis ​​na esfera pública provocada pelo acesso ao poder de uma minoria cristã até então alienado e perfeccionista nos últimos séculos do império .

Mas, antes de examinar a resposta de Harper em detalhes, vale a pena evocar algumas tentativas anteriores para medir a queda do desfiladeiro que corta o seu caminho entre nós e falsa familiaridade com o mundo antigo. Os estudiosos da área começaram a apreciar a estranheza dos romanos, em matéria de sexo , como em tantas outras coisas, a partir do final dos anos 1960. Para dar um exemplo pequeno, mas revelador, em 1965, o historiador de Cambridge e sociólogo Keith Hopkins mostrou com entusiasmo que as mulheres romanas foram casadas com a idade de treze anos. Era uma época de casamento tão baixo como que a corrente entre as meninas na Índia moderna. De um só golpe , o abismo entre nós e os antigos romanos parecia ser tão grande quanto a que , na imaginação inquieta dos países ocidentais , surgiu , na década de 1960 , a existir entre eles e os países "subdesenvolvidos" do terceiro mundo .

Vigor semelhante foi exibido na França. Aqui, a sensação de intimidade com o mundo antigo tinha sido promovida por um sentido de continuidade entre a civilização romana e da Igreja Católica, visto como o sucessor natural de tudo o que tinha sido ótimo e bom , em Roma. Estudiosos olhou para trás para o Império Romano do século II dC traçar um Praeparatio Evangelica -a " Preparação para o Evangelho. " Acreditava-se que esta " preparação " pode ser visto no trabalho na ascensão do casamento de companheirismo nos círculos de Plínio e Plutarco, na disseminação das noções de benevolência universal associados ensino estóico , e até mesmo em alguns passos hesitantes em direção à " humanização " da escravidão. Alegou-se que o cristianismo herdou e fez mais difundido esses avanços morais.

Na década de 1970 , este panorama reconfortante foi submetido a busca crítica . Em um grande livro escrito em 1976, Le Pain et le cirque, Paul Veyne desnudou a idiossincrasia exótica do sistema de beneficência pública no mundo grego e romano que estudos anteriores haviam aclamado como o precursor do almsgiving.1 cristã Em 1984, Michel de Foucault Le Souci de soi insistiu na especificidade absoluta dos códigos morais das elites da alta Empire.2 romana Em nenhum trabalho foi o cristianismo à vista. A estrada tranqüilizador reta que parecia conduzir a partir de Roma para a Europa católica terminou em uma queda vertiginosa . O catolicismo dos tempos medievais e modernos seria alcançado somente após o surgimento de um inteiramente novo paradigma da sociedade e do corpo.

Eu comecei o meu próprio trabalho sobre o corpo e Sociedade (que apareceu em 1988) com esse novo vento forte na minha sails.3 A obra de figuras como Veyne e Foucault marcado para mim o fim de uma cumplicidade mundana -wise com o passado - com base no pressuposto de que sabia tudo sobre sexo eo que os primeiros cristãos devem ter pensado sobre isso. Corpo e Sociedade foi um livro escrito para incutir " uma sensação de vertigem salutar " sobre o passado dos primeiros cristãos .

Harper De Vergonha para Sin traz seu próprio vento fresco para o assunto. Por exemplo, em seu primeiro capítulo, " a virtude de sexo no Império Romano ", ele firmemente toma sua distância a partir de uma recente tendência de minimizar o papel do erotismo na união da classe alta do século II e na sociedade em geral .

Harper terá nada disso . Ele ressalta que a imagem escura do que Roman casado sexo deve ser como levou muito a sério os escritos do estóico filósofos -a " tribo sombrio " e de médicos contemporâneos , cujo conselho, em assuntos do coração , sempre tinha sido " burguês , e um pouco de geriatria. " Ele aponta para muito diferente, mais corpos cheios de sangue de evidência. Ele fornece um comentário de cordialidade admirável e da humanidade sobre os códigos sexuais implícitas nas grandes romances gregos da época, especialmente o Leucippe e Clitophon de Aquiles Tácio . Ele também nos lembra o óbvio: a esmagadora testemunho das cenas eróticas em lâmpadas de terracota , que atingiu uma altura de produção no momento em que o sexo era para ser sobre a geada , em Roma. Esses homens energéticos e suas Vênus gordas caiu , em inúmeras posições , ao lado de cada leito. Filósofos pode aconselhar casais a soprar a luz, mas

    Romanos não só tinha relações sexuais com as lâmpadas , eles tiveram relações sexuais à luz bruxuleante de lâmpadas que tinham imagens deles fazendo sexo por lamparina neles!

Assim é que vamos culpar os cristãos para derrubar a cortina sobre as cenas alegres ? Sim, mas contra um fundo que vem como um lembrete frio da estranheza duradoura do mundo antigo. Se alguém pergunta se as mulheres nestas cenas eram pessoas livres (e até mesmo como muitos dos homens eram livres, para alguns pode ser gigolôs de escravos ) , a resposta inesperada seria: muito menos do que gostaríamos de pensar. Muitas das mulheres eram escravos . O alegre free-for -all , o que nós gostamos de imaginar como a formação de um laço humano intemporal entre nós e os antigos, foi baseada na existência de um vasto e cruel "zona de livre acesso " fornecido pelos órgãos escravizados de meninos e meninas . Escravatura, " uma instituição inerentemente degradante, " era " absolutamente fundamental para a ordem social e moral da vida romana . "

Sobre este assunto , Harper fala com autoridade rara e , dada a natureza do assunto, com restrição impressionante. Em seu primeiro livro , A escravidão no final do mundo romano , AD 275-425 , Harper mostrou que o mundo romano tardio tinha permanecido uma sociedade escravista em profundidade times.4 Christian In From Vergonha para Sin , Harper nos leva de volta a este mundo . É aquela que nós , em vez gostaria que não tivesse sido : " . O comércio de carne era uma instituição dominante " de "uma sociedade cuja moral lineamentos foram esculpidas pela onipresença dos escravos ", e onde

O livro de Harper deixa claro que a onda moderna de obras sobre sexualidade e sobre a construção do gênero nos tempos dos primeiros cristãos romanos e , engenhoso , embora possam ser , são confecções leves em comparação com este bruto , sempre presente fato da vida romana. Temos de olhar para cima de nossos jogos literários e ver o que é quase grande demais para ser visto , o fato da escravidão , elevando-se acima de nós como as árvores de uma imensa floresta de falta de liberdade que cobria o mundo romano. O que importava , no direito romano e na moralidade sexual Romano, tinha pouco a ver com sexo . Tinha tudo a ver com os seus corpos poderia ser apreciado com a impunidade e cuja não podia ser tocado sem fórmulas elaboradas de consentimento.

As alegrias do sexo estavam lá para todos. Harper mostra como o puritanismo dos romanos em relação aos seus próprios cônjuges tem sido muito exagerados . Mas a escola primária do esforço sexual permaneceu , para um grau incomum , os corpos de escravos , juntamente com os corpos dos pobres e das prostitutas , que eram todos muito facilmente sugado para o campo gravitacional da desonra associada à escravidão total. Então Harper resume seus sentimentos : "As leis desviado luxúria longe do corpo freeborn , e os escravos , desde a tomada de pronto . "

Este ponto de vista pode levar a uma conclusão banal . Sexo foi chocante para os primeiros cristãos . Sexo no mundo romano estava intimamente ligado à escravidão. Ergo : os cristãos , uma vez que chegou ao poder depois do ano 312 , previsivelmente martelado os códigos sexuais de uma sociedade saturado na disponibilidade de corpos servis e até mesmo cortar (se um pouco mais hesitante do que poderíamos desejar) para aquelas partes do escravo sistema , tais como a prostituição , que promoveu indulgência sexual.

Mas Harper percebe que isso é muito fácil a uma conclusão. A emoção de seu segundo capítulo, " A Vontade eo Mundo nos Cristã Sexualidade ", está na maneira em que ele traça a pura ferocidade de atitudes cristãs em relação à sexualidade de volta à forma como a moral sexual fundiu-se com a questão da liberdade cobrado . Cristãos repensado essas idéias em profunda alienação de uma sociedade que teve falta de liberdade para concedido. Eles também dissociou -se de uma visão do cosmos que pareciam apoiar um chill " indiferença para com as brutalidades aceites em nome de destino."
brown_2 - 121913.jpg Bridgeman Art Library
" Satyr e Maenad '; detalhe de um afresco em Pompéia , primeiro século aC

Este é o segundo grande tema no livro de Harper. De São Paulo para a frente, as grandes questões de sexo e liberdade foram reunidos nos círculos cristãos , como o minério enriquecido de um artefato atômico . Para Paulo, porneia - fornicação - significou muito mais do que enganar antes do casamento por aí. Foi uma metonímia ninhada , " enriquecido " por todo um espectro de associações. Ele representava a rebelião da humanidade contra Deus. E essa rebelião primal foi mostrado mais claramente na liberdade sexual às avessas atribuído pela primeira vez por judeus e depois pelos cristãos para o mundo não-cristão .

Mas então, o que era a verdadeira liberdade ? Liberdade também foi um poderoso metonímia , da qual a liberdade de decidir o destino da pessoa sexual era apenas um, altamente parte " enriquecido " . Acima de tudo, significa " liberdade " de " o mundo". E por " mundo" cristãos significava, sem rodeios , a sociedade romana de seus próprios tempos, onde a falta de liberdade foi mostrado em sua luz mais escura pela negociação e abuso sexual de corpos não-livres . Já não importava , para os cristãos, com cujos corpos , a partir do qual as categorias sociais , e de que maneira o sexo pode acontecer . De Paul em diante, para os cristãos , havia sexo sexo direita entre os cônjuges para a produção de filhos; errado sexo sexo fora do casamento , e abominável sexo sexo entre parceiros do mesmo sexo . Sexo errado de qualquer tipo era um pecado . E um pecado era um pecado . Não foi uma gafe sociais , considerado um ultraje em uma situação e aceito em outra.

Raramente tem um tão grande simplificação sido imposta a uma sociedade complexa . A inesperada vitória de normas cristãs nos quarto, quinto e sexto séculos era tão profundo que qualquer ordenação alternativa de fronteiras morais dentro de uma sociedade tornou-se impensável. Os meandros de uma moralidade baseada em estado ainda necessitam de reconstrução paciente por historiadores modernos de Roma, como os ossos de uma criatura extravagante da era Jurássica. A vitória cristã foi um que causou um abismo se abrir entre nós mesmos e do mundo antigo.

Então, o que acontece a seguir? Terceiro capítulo da Harper, " Igreja , Sociedade e Sex in the Age of Triumph ", se desdobra com a inevitabilidade de refrigeração de um final . Harper , de fato, traz o poder público de volta para a história do sexo romano tardio . Aqui nós já não são confrontados com uma evolução de livre flutuação do sentimento moral. Nós marchamos ao ritmo de leis imperiais promulgadas sob os imperadores cristãos. Em 390, prostitutos foram queimados publicamente em Roma , em 438, foi proposta a abolição da prostituição (ou , pelo menos , a abolição dos impostos anteriormente levantadas a partir de prostituição , removendo assim o investimento do Estado no comércio de carne ) . Terminamos com " a névoa de ruína e puritanismo violenta que caracterizou o reinado de Justiniano ", que se tornou imperador em 527.

Em Constantinopla , nos 540s e novamente em 559, editais destinados a " curar a doença " do amor do mesmo sexo circulou em uma cidade queimada pela peste bubônica, juntamente com procissões sombrias de criminosos mutilados . Longe do piso solene das leis , a batalha para um novo código sexual foi travada " paróquia por paróquia ", auxiliado pelo " megafone de pregação pública . " Quando descemos " nas trincheiras da cristianização " com um pregador tal como João Crisóstomo, no século IV tarde - Antioquia e Constantinopla, o que ouvimos é a voz de um brutamontes , denunciando o amor do mesmo sexo em um incomparável " espasmo de ódio. " Diante de explosões como essas, somos tentados a pensar que , quando se tratava de questões de moralidade sexual, a revolução na comunicação popular que nós associamos com a ascensão do sermão cristão na Antiguidade tardia , muitas vezes, colocou o megafone nas mãos de valentões e tagarelas .

Mas pode ser mais complicado do que este . Como foram esses sermões ouviu ? Aqui estou menos convencido do que Harper que os efeitos de tanto prepotente pública foram as instantâneas e tão frio como os alto-falantes pode ter desejado . Nós estudamos as mensagens que saíram sobre o megafone. Volume depois de volume, os sermões coletadas dos Padres da Igreja alinham nas prateleiras de nossas bibliotecas . Mas sabemos quase nada dos fones de ouvido por meio do qual os cristãos média ouviram estas mensagens. É bem possível que as boas mães cristãs e pais de Antioquia e Constantinopla deixou a basílica não persuadido , ou que eles mexidos a mensagem para caber suas próprias opiniões.

Eles eram como o bom burguês do século XV, Siena, que quisessem ouvir por horas a San Bernardino de Siena como ele pregou contra os homossexuais (com ainda mais veemência e circunstancialidade do que Crisóstomo ), mas manteve-se convencido de que , qualquer que seja o pregador disse, foi ainda melhor para os seus rapazes para perseguir os meninos do que mexer com a virgindade de meninas de sua própria classe. Crisóstomo foi um homem de grande humanidade quando ele veio para pregar sobre o cuidado dos pobres e da recepção dos pecadores arrependidos. Talvez ele tinha que gritar tão alto em questões sexuais , a fim de ser ouvido em tudo.

Ao todo , os pregadores tiveram de convencer grandes congregações para aceitar uma ideologia que havia sido " por séculos, a posse de uma pequena banda, estridente de dissidentes vociferantes . " Mesmo nos dias que antecedem a conversão de Constantino , no início do quarto século, no sentido de ser membros do uma minoria privilegiada desvendado facilmente. Nós nos tornamos cada vez mais céticos se os primeiros cristãos foram sempre , de fato, " uma banda pequena , estridente . " Os primeiros cristãos não gastar todo o seu tempo de ser cristãos . O recente estudo brilhante por Éric Rebillard , os cristãos e suas muitas identidades em Antiguidade Tardia , Norte da África, 200-450 dC, indicou que a imagem atual dos primeiros cristãos como um grupo compacto, comprometeu-se a uma única definição de " cristão -ness , " é muito exaggerated.5

Os cristãos não estavam trancadas em uma única identidade. Como outros romanos, eles foram felizes para usar muitos chapéus , dos quais a sua identidade religiosa era apenas um entre muitos. Era seus líderes que queriam prendê-los em uma única identidade , intransigente . Eles nem sempre foi bem sucedido. Quando lemos os sermões de Agostinho, muitas vezes podemos ouvir um barulho irritante , como sua mensagem de terra sua quilha contra bancos de areia mal escondidos de relutância ou, até mesmo , interpretações alternativas confiantes de que era para ser um cristão.

Mas essas hesitações não afetam a direção geral do argumento de Harper. Eles apenas delimitar a velocidade com que um código de incontestado dos valores cristãos públicas surgiram ea integralidade com que foi executada . Pois o que Harper tem feito com este material peremptória é notável. Ele impôs uma estrutura narrativa firme, com base na evolução das leis , sobre a história do sexo na Antiguidade tardia . Ele alcançou seu objetivo professado " . Integrar credíveis de estrutura e de mudança no sistema legal em uma narrativa mais ampla da história do sexo "

Correndo o risco de ser pessoal , deixe-me medir a dívida que todos nós devemos a este livro . Quando eu terminei o meu Corpo e Sociedade , em 1988 , eu estava muito consciente do que lhe faltava : uma narrativa coerente da evolução das atitudes do público em relação ao sexo como o mundo romano passou de um pagão a uma sociedade cristã. Em meu prefácio , fiz clara a razão para esta lacuna . Era simples: os livros não estavam lá. O estudo do direito atrasado família romana e do desenvolvimento de noções romanas final de moralidade pública, compartilhados por cristãos e pagãos da mesma forma, só tinha apenas começado. Agora as coisas mudaram . Eu desejo que eu tinha tido um livro tão clara, convincente e, como intelectualmente responsável, como harpista da vergonha de pecado diante de mim quando eu comecei a escrever sobre temas semelhantes no início de 1980 , uma terceira de um século atrás. Só se pode invejar a sorte daqueles que podem agora embarcar em seu próprio trabalho com um livro na mão .

Mas qual é o significado de longo prazo dessa grande mudança? Harper soletrá-la em seu último capítulo, " Revolucionando Romance no Tarde mundo clássico . " É uma comparação entre a pesquisa do romance de Aquiles Tácio , no segundo século , e as lendas extravagantes das prostitutas convertidos que apareceram no século VI . Harper não ver a mudança entre as duas idades, exemplificando um ódio crescente do corpo. Pelo contrário, nas lendas cristãs de conversão, somos confrontados com explorações ousadas do poder da vontade. Trata-se de corpos que se tornaram toda a vontade . Eles haviam caído através de seu próprio livre-arbítrio. Eles voltaram para Deus também a partir de sua própria vontade. Vontades puros , eram tão destacada da natureza como eram das restrições da sociedade. Seus corpos eram tão seco e inexpressivo como as areias do deserto e os barrancos coberto de rocha a que tinham recuado . Seus atributos sexuais foram achatados , mesmo quando nu . Eles pertenciam apenas para si e para Deus. Eles já não pertencia à sociedade ou à natureza. Eram corpos libertos do próprio cosmos.

Nada poderia ser mais diferente da visão de mundo de Aquiles Tácio . Para os seus heróis e heroínas , o sexo é menos sobre a vontade do que sobre a grande cadeia do ser que os seres humanos ligados aos deuses e as estrelas. O sexo era o momento em que os seres humanos se deixaram afundar de volta para os braços de um universo em que seus próprios corpos haviam sido engenhosamente tecida. Eles iriam aproveitar as energias de um mundo vasto que dão vida. O sexo era o dom de sempre presentes deuses. Como o vinho , em si o dom do deus Dionísio, sexo encheu o corpo com " uma força divina imanente , ea lavagem de sua energia quente foi vivida como comunhão " com o divino.

Para trazer este elixir inebriante no próprio leito conjugal era arriscado , precisamente porque estava tão intimamente ligada a poderes divinos além do self social. No entanto, nosso romancista se atreveu a fazer exatamente isso . Ele apresenta um cosmos

    onde o poder feral do eros é aproveitada pelo casamento, não umedecido por ela [ onde as lâmpadas de cama -naughty casamento e tudo! - mentiras ] em uma fronteira indistinta entre a natureza selvagem e civilização humana.

Nunca mais, na Europa, seria a pessoa no amor ser visto como tão aberto para um mundo vasto e meio domado. Na antiguidade cristã tarde , a vontade prevaleceu sobre o cosmos . Quando o amor voltou, nos amantes da corte de courtois amour eo Minnesänger alemão , encontramos corpos sem deuses. Exceto para a sua vulnerabilidade aos raios finos dos planetas (conhecidos através de obras astrológicas que estavam contínuo com antiguidade tardia ) , há pouco sentido de que deriva o seu amor a partir da energia refulgente de poderes cósmicos. Eles são as suas vontades. E belas vontades são, polido fino com courtoisie . " The Cave of Lovers ", descreveu , em volta de 1210 dC, por Gottfried von Strassburg em seu Tristan , é uma caverna de lisa, translúcidas paredes simplicidade, integridade e na cama em si, um mar de cristal puro casal encontrar transparência 0,6

É com estes a longo prazo contrasta em mente que agora podemos voltar a olhar para o precipício novamente , para ver com os olhos mais claros uma das mudanças mais momentosos que nunca para ter ocorrido na história do mundo antigo

.

    1

    Paul Veyne , Le Pain et le cirque : Sociologie historique d'un dualisme politique (Paris: Le Seuil , 1976); traduzido por Brian Pierce como Pão e Circo : Sociologia Histórica e do pluralismo político (Londres: Allen Lane, 1990). ↩
    2

    Michel Foucault, Le Souci de soi (Paris : Gallimard , 1984); traduzido por Robert Hurley como o cuidado de si ( Pantheon , 1986). ↩
    3

    Corpo e Sociedade: Homens, Mulheres, e da renúncia sexual no cristianismo primitivo : Twentieth - Anniversary Edition com uma nova introdução ( Columbia University Press, 2008 ) . Eu tentei fazer a minha própria evolução na época e minhas dívidas para Foucault, Veyne , e outros estudiosos simples na nova introdução à edição de 2008, vigésimo aniversário . ↩
    4

    Cambridge University Press, 2011. ↩
    5

    Cornell University Press, 2012. ↩
    6

    Gottfried von Strassburg, Tristan , 26:16927-16988 , editado por P. Ganz ( Wiesbaden : Brockhaus , 1978) , No. 2 , pp 223-225 ; traduzido por AT Hatto como Gottfried von Strassburg : Tristan (Penguin , 1960) , p. 264 . ↩

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
avatar
Vitor mango

Pontos : 110746

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: De Vergonha para o Pecado : A Transformação cristão de moralidade sexual na Antiguidade Tardia

Mensagem por Vitor mango em Qua Dez 11, 2013 4:19 am


_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
avatar
Vitor mango

Pontos : 110746

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum