ELE HÁ O DEUS DAS MOSCAS, MAS TAMBÉM O DA ESCRITA

Ir em baixo

ELE HÁ O DEUS DAS MOSCAS, MAS TAMBÉM O DA ESCRITA

Mensagem por Vitor mango em Qua Dez 17, 2014 1:32 am

Pedro Sande
7 min ·
ELE HÁ O DEUS DAS MOSCAS, MAS TAMBÉM O DA ESCRITA
Que a língua portuguesa não é fácil nas suas regrazinhas miudinhas já todos sabemos, incluindo escreventes, escritores e putativos candidatos.
Ontem uma amiga que escreve, e bem, chamou-me a atenção para algumas minhas calinadas (do português (in)correcto), relativas a um poema que escrevi de chofre sem um olhar sequer correctivo (o que pode significar a distância entre o percepcionado na oralidade e as regras definidas na nossa língua para a escrita).
Aliás, é curioso, que esse é um dos motivos por que muitos autores evitam escrever e se expôr nas redes sociais, um conselho também usual de editores para autores, como se isto pudesse em absoluto ser um estigma de dimensões não bíblicas, mas literárias: «Escreves com erros ortográficos, logo não mereces o Olimpo da escrita!» (claro que isto só acontece antes dos leitores se tornarem autores; e perceberem que mais do que atingir o Olimpo, a escrita está hoje mais virada para atingir o Inferno).
A primeira relacionava-se com o acento agudo do «tirar-me-ás» que considerava devia ter a forma de «tirar-me-às».
A segunda relativa a «mas vou-te esperar», que considerava dever tomar a forma de «mas vou esperar-te».
A terceira relacionava-se com a má colocação da pontuação que obrigava a uma alteração de uma palavra de singular para plurar.
A ortografia portuguesa não é, de facto, fácil para um português, calculo então para um estrangeiro!
E já nem falo nas alterações preconizadas pelo NAO, que fez da ortografia um campo minado; ou, se para tanto existir o engenho e a liberdade, um campo para libertários e anarcas que, cada vez mais, consideram que tudo o que não altere demasiado a compreensão da leitura joga na riqueza da língua: afinal já não há mais gente a dizer «ir de encontro a» do que «ir ao encontro de»? sabendo nós que no meio dos encontrões vamo-nos entendendo (ou será vamos entendendo-nos)?
Livra, que quanto mais se escreve mais dúvidas se vão instalando, e nascendo como mosquinhas, mesmo que pensássemos já estarem há muito superadas!
O Deus da Escrita condenou-nos a replicar erros, tantos como as moscas que assoberbaram o Orestes da peça Les Mouches de Sartre.
© PAS (Pedro A. Sande)

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
avatar
Vitor mango

Pontos : 110753

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum