Um pais que colonisa outro e o ocupa com tropas nunca será livre

Novo Tópico   Responder ao tópico

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Um pais que colonisa outro e o ocupa com tropas nunca será livre

Mensagem por Vitor mango em Qui Mar 10, 2016 12:34 am

Os americanos frescos e vitoriosos da IIGG acharam que no mundo mandava a sétima e meteram-se no Vietname para mostrar aos franceses como se " cantava o fado "

...bla..bla..bla ...e no bla aparecem em frente da casa branca os contestarios a quem a população mandava mimos e recados e...quando a Tv mostra o "espetáculo desumano da guerra o povo bateu com a bota no assunto e declarou

- Alto de para o baile ...depois meteu-se no Iraque e ai a Net e os emailes a mandar para casa diziam o mesmo e de novo os americanos meteram el rabo nas encolhas e cavaram

Ora isto vem a propósito da ocupação de Israel da Palestina e da chacina que fazem em Gaza e... o argumento roça a estupidez humana ou laivos de um bocadinho de inteligência - INVOCAM Livros antigos e no absurdo da dialética os judeus cavaram a sua sepultura para o futuro
-Fizeram o impensável
Pois meteram o exercito a ocupar o território matando e marimbando-se para a opinião publica mundial

Pois...Pois !

E a reação está ai


-Vídeos da violencia do seu exercito a violentar mulheres e crianças enquanto os judeus ortodoxos se metem pela Cisjordânia dentro pilham e fazem mais colonis defendidas como bunkers


Estive nos anos 90 na área de grandes conflitos da época .Um mês antes de tienamene(China ) Africa do Sul (aparthaid ) Chile Argentina ( Malvinas ) e por ai fora e...fiquei com o cheiro destes  conflito
E sinto-o em Israel.... "aquilo " já nem é um país mas um bunker paga em dólares pelos "tea Perty americano o mesmo que negoceia as armas e empurra o Trumps para o palco ...
Reparem que do lado da Palestina são jovens e crianças que combatem com pedras ...ou seja  pelo menos 60 anos esta gente jamais deixara ter um judeu em paz
O suicídio de soldados Israelitas acentua-se porque um soldado tem consciência quando pratica  o mal
Pois em Portugal o NOSSO exercito acabou com a colonização porque teve consciência cívica do mal
Aliás todos os conflitos no médio oriente tiveram como cocega inicial a ocupação dos Judeus de um terra onde habitavam palestinianos judeus e  católicos e foram eles os judeus a fazerem e começaram uma "NOVA CRUZADA " que como sabem terminou mal para a Cristandade

A Guerra ganha-se Hoje nos midia  e não no missei que o diga o Marcelo Rebelo de Sousa ou o pontapé NUKU que o Cavaco e Silva levou para fora de Belém





Crianças em Gaza e Vietname que arrasaram a consciência do MUNDO



Última edição por Vitor mango em Qui Mar 10, 2016 1:03 am, editado 4 vez(es)

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106508

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Um pais que colonisa outro e o ocupa com tropas nunca será livre

Mensagem por Vitor mango em Qui Mar 10, 2016 12:54 am


O Presidente da República recebeu uma coroa de flores oferecida por crianças de várias religiões

  |  Paulo Spranger / Global Imagens





Marcelo apelou a que o "espírito ecuménico" manifestado pelos religiosos se estenda a toda a sociedade, até à política
O que têm em comum o Marcelo Rebelo de Sousa e Dalai Lama? Pelo menos uma coisa. Grandiosa e rara no mundo. Juntarem numa mesquita mais de dezena e meia de confissões religiosas, mesmo as historicamente conflituosas entre si. O recém-empossado Presidente da República fê-lo esta quarta-feira, no dia da sua tomada de posse. O líder espiritual tibetano, prémio Nobel da paz, fê-lo há nove anos, no âmbito de uma visita a Portugal e libertou pombas brancas alusivas à paz universal.
Na origem da iniciativa, que emocionou e encheu de calor os corações de quem participou, há também uma figura em comum: Abdool Vakil, o presidente da comunidade islâmica. Como sheik David Munir, imã da mesquita central de Lisboa, a seu lado, recebiam cordialmente e de sorriso no rosto os convidados. Vakil confidenciou ao DN que lançara este desafio a Marcelo "durante uma visita a Queluz, há uns dias". Primeiro, conta este responsável, o então presidente eleito "não percebeu logo que a ideia era convidar todas as confissões e ficou um pouco renitente, mas quando lhe expliquei a ideia toda, ficou muito entusiasmado e disse logo que sim".
Entre cumprimentos e elogios à iniciativa dos vários convidados que iam passando, Abdool Vakil afiança que foi "muito fácil" que o representantes das 17 confissões religiosas - entre católicos, muçulmanos, judeus, budistas, hindus - aceitassem o convite que lhes dirigiu."Fazemos muitas vezes encontros, palestras aqui na mesquita, com a participação de várias religiões. Somos um país de uma grande luz", assinala, recordando também a visita de Dala Lama.
Alguns dos presentes talvez tivessem tido o privilégio de ver essa "luz" num momento carregado de solenidade, como foi aquele em que os representantes das 17 confissões leram um oração universal, cada um uma frase, na sua vez: "Dai-nos sabedoria para distinguir o bem do mal; compreensão para acabar com os conflitos; compaixão para apagar o ódio; perdão para superar a vingança; amor para compreender e amar o outro. Faz com que todos os povos vivam de acordo com a Tua Lei de Amor". No final um "Ámen" coletivo e aplausos.
Numa intervenção curta, Marcelo sintetizou o momento carregado de simbolismo, que protagonizava. Agradecimentos a Vakil, que conhece e conviveu com os Rebelo de Sousa desde Moçambique, quando era uma colónia portuguesa e uma promessa de "apoio e empenho" naquela iniciativa. "Portugal deve muito da sua grandeza secular ao seu espírito ecuménico. Foi grande sempre que soube cultivar esse espírito, dentro e fora das suas fronteiras físicas".
Em contrapartida, sublinhou, "ficou aquém do seu desígnio nacional sempre que sacrificou a riqueza da convergência de culturas, civilizações e, naturalmente, religiões. Hoje a Constituição da República Portuguesa consagra a liberdade religiosa, que supõe a liberdade de não crer, mas que, para os crentes, vai para além da mera liberdade de culto, implica o respeito de cada confissão na sua visão do mundo e da vida, expressa no espaço privado como no espaço público".
Aquele encontro inter-religioso, destacou, "quer significar que o Presidente da República de Portugal, como garante da Constituição que jurou defender, cumprir e fazer cumprir, será sempre o garante da liberdade religiosa, em todas as suas virtualidades". Neste momento foi interrompido por aplausos.
Mas Marcelo deseja e defende ainda outra ambição, "um outro significado" da cerimónia. "O do apelo para que o espírito ecuménico" ali testemunhado "possa servir de exemplo para todos os domínios da vida nacional. Convidando à aceitação do outro, ao diálogo, ao entendimento, à compreensão recíproca". Olhando para os representantes religiosos que estavam a seu lado, à direita e à esquerda no palco, disse: "que o vosso exemplo frutifique, na cultura, na educação, no apoio social, na saúde, no mundo laboral e empresarial, na vida local, na política".
Vale a pena elencar as confissões presentes: evangélica, anglicana, católica, judaica, ortodoxa grega, budista, baha"i, hindu, islâmica, muçulmana shia ismaili, shiita, sikh, adventista, Jesus Cristo dos Santos dos Últimos dias, vetero católica, templo de shiva e o Conselho Português das Igrejas Cristãs.
Na plateia estavam, entre outros, o ex-Presidente Jorge Sampaio, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina e Assunção Cristas, do CDS, como "cidadã e como cristã", justificou o porta-voz da candidata à liderança do partido.

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106508

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você pode responder aos tópicos neste fórum