Sua Excelencia real - "O Falo "

Novo Tópico   Responder ao tópico

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Sua Excelencia real - "O Falo "

Mensagem por Vitor mango em Ter Out 25, 2016 1:24 am

Desenhado há milénios nas cavernas ou nas casas de banho publica ou nas partidas dos balneários ou ainda feito em Barro e vendido nas lojas das Caldas da Rainha ....tudo o que de tamanho dava para encher de tinto
Dizem que o negocio foi obra do rei D. Carlos para oferecer a um amigo real
Símbolo de e do Poder recordo-me de ter lido num romance do Sousa Tavares um marajá  em cima de um elefante a mostrar a pila

Ora que eu saiba a dimensão e a formula pilar não definem machismo ou qualquer virtude de sabias virtudes nem o Einstein dedicou  ao tema ... Nem espaço nem tempo esqueceu a velocidade e a massa



Tê-lo no sitio aí sim entramos no reino da coragem da virilidade do sistema sideral das estrelas e da vida eterna dos céus e dos infernos

Calma pah que eu só bebi leitinho com stevia e uma torrada e nem sequer vos estou a oferecer fantasias porno ou uma ida ao festival da Maddona gargantejar  vocalidades

As igrejas católicas sempre tiveram Horror em meter sexo nos anjos ou já viram algum no andor com objetos das caldas no sitio ?

Claro que não !
Porque o Poder divino está nas maes que devotas oferecem ao puto o leite e os amparam no arrote  ou lhe mudam a fralda

A eternidade propaga-se quando nos multiplicamos e quando esticados frios e quietos com eles gelados nos descem ao descanso eterno e o padre missas nos recitam umas baboseiras na pressa de ir a tempo mostrar o dito cujo a alguém danada para o pecado carnal








Última edição por Vitor mango em Ter Out 25, 2016 1:48 am, editado 2 vez(es)

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106508

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sua Excelencia real - "O Falo "

Mensagem por Vitor mango em Ter Out 25, 2016 1:33 am



7 coisas que eu não encontrei na Índia

por Rafael Sette Câmara | 4 de janeiro de 2012
Categorias: Índia, Listas | Tags: | 46 Comentários


O Taj Mahal, as praias de Goa, os templos, Deuses e rios sagrados… não falta o que ver na Índia. Se os pontos positivos do país atraem, não dá pra negar que estrangeiros sentem um enorme choque cultural por causa das coisas simples que não existem por aqui. Antes de desembarcar, muitos gringos temem a falta do banheiro ocidental, por exemplo.
O famigerado banheiro indiano, um buraco no chão onde, ao contrário do restante do país, impera o vazio, parece mesmo assustador. Ali há apenas um singelo e finito nada entre o indivíduo e seu produto, e convenhamos que isso não é exatamente confortante. Graças a Shiva, esse banheiro não é tão onipresente assim e o vaso sanitário está em muitos lugares. Mas outras coisas, muitas simples, quase não existem na Índia. Vejamos sete delas.

Big Mac

Mochileiros sempre podem recorrer a ele, seja numa pequena vila sul-africana ou numa metrópole do sudeste asiático. Não gostou da comida local, está sem dinheiro ou simplesmente quer se empanturrar com uma alimentação sem qualquer valor cultural? Vá ao McDonald’s e peça um Big Mac, que é igual em todos os 119 países onde a rede de fast food funciona. Todos, exceto na Índia. Aqui o mantra “dois hambúrgueres, alface, queijo, molho especial, cebola, picles e pão com gergelim” é ofensa aos deuses. Ou melhor, à vaca.
E como aquela história de que o Big Mac é feito com carne de minhoca não colou aqui, o McDonald’s desenvolveu um cardápio especial, completamente sem carne de boi. Um desafio e tanto para a empresa que mais consome carne bovina no mundo. No lugar do Big Mac está o Chicken Maharaja Mac, feito com carne de frango e muita pimenta, óbvio. Outras alternativas são o McChicken, o McFish e o astro local, o McVeggie.

Fila indiana

Na Índia não existe fila indiana. E não é porque aqui qualquer alinhamento de pessoas é chamado somente de fila e nada mais. A expressão fila indiana vem dos índios nativos das Américas, e não da terra das especiarias. Era uma estratégia de guerra em que eles se deslocavam sempre pisando nas pegadas deixadas pelo companheiro. Dessa forma o último homem apagaria os passos do restante do grupo. Ok, tudo bem, mas quer dizer que na Índia as pessoas não fazem fila? Até fazem, mas de forma diferente.
Algumas vezes a fila pode ser dividida por sexos, com mulheres de um lado e homens do outro. Nesses casos a proximidade em que as pessoas ficam umas das outras pode assustar ocidentais. Mas, em geral, o que rola mesmo, das lojas às filas de ônibus, é um monte de gente tentando alcançar desordenadamente o mesmo objetivo.

Coleta de lixo

Você coloca o saco de lixo na porta de casa e aguarda até o caminhão de coleta da prefeitura passar. Sente e chore. Nunca ouvi falar de serviço público de coleta de lixo na Índia, e o motivo é simples: isso não existe. Pelo menos não em Chandigarh, onde moramos. E olha que Chandigarh foi apontada pelo Ministério de Desenvolvimento Urbano como a cidade mais limpa da Índia…
Mas é claro que o lixo não vai ficar acumulado perto das casas dos ricos ou dos membros da classe média, que aqui representam cerca de 10% da população. Para isso há os carroceiros, que passam, em dias alternados, recolhendo a bagunça. A senhora que recolhe o lixo na minha rua cobra 40 rúpias (R$ 1,40) pelo serviço. Os mais pobres não pagam por isso – afinal alguns deles estão justamente trabalhando no setor – e têm que conviver com lixo acumulado na porta de casa.

Fechadura nas portas

Um morador da Índia jamais perderá as chaves de casa. É que as portas daqui não têm fechadura, mas um trinco por fora e outro por dentro. Ou seja, para realmente trancar a casa, você primeiro vai precisar de um cadeado. E só vai poder usá-lo quando a casa estiver vazia, caso contrário quem estiver dentro não consegue sair. Se quiser adotar o espírito fanfarrão, rola de trancar o coleguinha de propósito, mas a parte ruim é que ele pode revidar e trancar a porta por dentro também. E você ficará forever alone do lado de fora.

Um bom banho quente

Morei em duas casas, estive em hotéis e conversei com vários indianos. E não, até agora nada de banho quente que não seja de canequinha. E olha que só morei em bairros de classe média alta (deduzindo pelo número de carros que os vizinhos têm). Até agora tive duas principais opções de banho: 1) completamente gelado. Esse te faz pular desesperadamente a cada jato de água e pode causar regressão mental de uns 20 anos, do tipo “não quero tomar banho! NãonãonãonãoNÃO!”. 2) encher um balde com água e aquecer a dita cuja com um instrumento que, segundo minha avó, chama ebulidor.
Depois de uns 10 minutos é preciso colocar a mão dentro da água para testar a temperatura. Neste momento algumas coisas podem acontecer: a água ainda está gelada, o que te faz retirar a mão do balde imediatamente; a água está quase fervendo, o que te faz retirar a mão do balde imediatamente; você não tem ideia da temperatura da água, afinal tomou um puta choque quando enfiou seus dedos lá dentro, fato que te faz retirar a mão do balde imediatamente. Passada essa etapa é só desligar o ebulidor, levar a água pro banheiro e se esbaldar. Se estiver muito quente pode ser necessário jogar um pouco de água fria na mistura ou comprar um creme para queimaduras, das duas uma.
Com muita sorte e algum luxo é possível tomar banho com um geyser, aparelho que precisa ser ligado uns 20 minutos antes de você entrar no chuveiro. Sim, você acorda mais cedo e, sonolento, aperta o botão verde. Volte a dormir. Por algum milagre da natureza o moderno artefato aquece a água, oferecendo cerca de cinco minutos de banho quente (ainda bem que você já tem aquele creme para queimaduras). Mas seja rápido, ou a água vai ficar fria antes de você acabar de se enxaguar. Foi isso que me fez abolir o uso do condicionador.

Hipermercado

Na terra do Apu, nada de Carrefour ou Walmart. Precisa de frutas ou vegetais? Vá a uma feira, onde é possível comprar quase tudo bem baratinho. Mercadinhos, lojas de conveniência e, no máximo, um supermercado de médio porte, existem por aqui. Mas não espere encontrar um hipermercado. É que a presença de redes internacionais no varejo local é proibida por lei. Agora o governo avisou que vai rever a legislação, o que já deixou o Walmart com água na boca e doido para entrar nesse mercado bilionário. E não falta onde investir – segundo estimativas do governo indiano, apenas 8% do varejo é organizado, e isso nos grandes centro urbanos.

Vassoura

Não, nada de vassouras. Você vai achar rodo, flanela, produtos de limpeza, desinfetantes… Mas para varrer só um objeto que mais parece um espanador, usado em todas as casas, lojas, ruas, empresas e afins. Por mais que seja simpático, o manuseio não é fácil. Tente varrer o chão de casa todos os dias meio encurvado, já que o cabo não é grande o bastante, e no fim você vai querer que o mundo acabe em clínicas de fisioterapia. Não é sem motivo que o Dhalsim do Street Fighter está para Índia assim como o Blanka está para o Brasil. Só mesmo com muita elasticidade para alcançar todos os cantos da casa sem uma vassoura de verdade.

Rafael Sette Câmara
Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.


_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ

Vitor mango

Pontos : 106508

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você pode responder aos tópicos neste fórum