Vagueando na Notícia


Participe do fórum, é rápido e fácil

Vagueando na Notícia
Vagueando na Notícia
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

Ferrovia (I)

Ir para baixo

Ferrovia (I) Empty Ferrovia (I)

Mensagem por Joao Ruiz Qui Set 29, 2011 10:09 am

.
Galegos e portugueses contra prolongamento de serviço

por Lusa
Hoje

Ferrovia (I) Ng1657106

Os principais responsáveis empresariais servidos pela ligação ferroviária entre Porto e Vigo dizem que o anúncio da CP de prolongar "pelo menos" até 31 de janeiro aquele serviço representa o "adiar resolução do problema".

"Ficamos satisfeitos porque o serviço se mantém, mas não totalmente. Esperávamos que fossem anunciadas as tão desejadas obras de modernização da linha, que a transformassem numa alternativa de médio prazo à alta velocidade", explicou Luís Ceia.

O presidente da Associação Empresarial de Viana do Castelo demonstrou à Agência Lusa a sua "preocupação", tendo em conta, sublinha, a "resposta lacónica" do ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, sobre o investimento de eletrificação e sinalização reclamado para a Linha do Minho, entre Nine e Valença.

"Interpelado por um deputado, o senhor ministro respondeu que não estava nenhum investimento previsto. É por isso que ficámos preocupados", sublinha Luís Ceia.

O responsável admite como "prioritária" esta intervenção, para tornar o serviço entre Porto e Vigo "competitivo e moderno", capaz de se assumir como uma "verdadeira alternativa" aos utentes dos dois lados da fronteira.

"Por exemplo para os galegos que vão para o Aeroporto Francisco Sá Carneiro ou viajam até Viana, o mesmo acontecendo no sentido contrário. O que temos agora, e a CP prolongou até janeiro, é um serviço desajustado da realidade, quer no tempo da viagem, quer nos horários", disse ainda.

Já António Marques, presidente da Associação Industrial do Minho, sublinha a "importância estratégica" para os empresários da região de uma ligação ferroviária entre as duas maiores cidades do noroeste peninsular, capaz de fomentar as relações comerciais.

Sem a modernização da linha, admite, "está em causa" a "melhoria da ligação Porto-Vigo ao nível de toda a operação, proporcionando a mobilidade de pessoas e de mercadorias".

Do lado galego, José Manuel Alvariño, presidente da Confederação de Empresários de Pontevedra, reclama igualmente a modernização dos 100 quilómetros de via, investimento avaliado em 100 milhões de euros, para "ter um serviço adaptado às necessidades e enquanto não existe a alta velocidade".

Alvariño acrescenta que o objetivo devia passar por promover o movimento entre pessoas e mercadorias entre Norte e Galiza, "mas parece que é ao contrário", tendo em conta as dificuldades galegas no pagamento de portagens nas antigas SCUT e a indefinição do futuro da atual ligação ferroviária entre Porto e Vigo.

Xoán Mao, secretário-geral do Eixo Atlântico, admitiu à Lusa que o Governo português "merece um voto de confiança" pela decisão de manter o serviço atual.

"O que nos parece é que se está a ganhar tempo para estudar uma obra de modernização. Se assim for, é positivo porque não faz sentido ter uma ligação na forma como é feita [cerca de três horas de viagem] entre a maior cidade da Galiza e a segunda de Portugal", apontou Mao.

In DN

Idea Arrow

_________________
Amigos?Longe! Inimigos? O mais perto possível!
Joao Ruiz
Joao Ruiz

Pontos : 32035

Ir para o topo Ir para baixo

Ir para o topo


 
Permissão neste fórum:
Você não pode responder aos tópicos