Pêssego do Lobo – Tomates ,sexo e banhos públicos

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Pêssego do Lobo – Tomates ,sexo e banhos públicos

Mensagem por Vitor mango em Seg Ago 26, 2013 9:41 am

Pêssego do Lobo – Tomates ,sexo e banhos públicos

Quando a Europa começou a trazer novos vegetais das
Américas , e os Portugueses carregavam as especiarias
da Índia,  o medo das  plantas venenosas atormentava o
povo .
O Tomate é originario do Peru e  Equador onde cresceu
espontaneamente e a que os astecas chamavam zitomate
e tumate . Veio para a Espanha e daqui para a Itália
onde foi chamado maçã dourada , sendo utilizado como
planta venenosa e afrodisíaca .

O termo afrodisíaco deriva de uma palavra grega
relacionada com Afrodite , a deusa do amor nascida das
ondas do mar visto o seu pai Cronos ter sido castrado
e os seus órgãos sexuais lançados ao mar – daí a
generalidade dos alimentos marítimos serem
considerados afrodisíacos

Só que durante a idade media a higiene caiu na mais
completa degradação .A higiene pessoal era nula e o
pivete pessoal era de cair para o lado . O terrível
mau halito era tentado curar com chás e mazelas sendo
, na maioria , afrodisíacas , certamente pela
proximidades dos amantes .
Existem , ainda hoje expressões na língua inglesa que
nos podem indicar o grau de rejeição  sentida pela
população
A frase “ cuidado ao deitares a agua da tina ,  não te
descuides e deites o bebe fora “ adivinha-se uma agua
negra com o bebe lá  dentro .
A Ordem dos banhos ingleses tinha como acto de
coragem, tomar banho uma vez por ano .
A rainha Isabel de Castela gabava-se de ter tomado
dois banhos em toda a vida . A própria igreja católica
acabou por proibir os banhos ao sábado .
Só a partir de 1800 os banhos turcos se iniciaram  em
Inglaterra e onde só era permitida a entrada a homens
casados . Na América a primeira casa de banho só
apareceu em 1852
Grande parte das pestes da idade media ,  ficaram a
dever-se  á falta de cuidados higiénicos .
Mesmo nos barcos á vela , a casa de banho era uma
tábua saída na ré onde,  com um pouco de esforço se
devolvia ao mar o almoço ou o jantar da véspera . As
mãos eram limpas numa corda desfiada e esta deitada ao
mar para lavagem – daí a expressão :
-    Se caíres ao mar agarra-se ao pincel ( a tal corda
desfiada )

Foi Napoleão quem mandou pregar botões na ponta das
mangas das fardas,  para os militares não limparem a
boca á manga do casaco
Para alem dos cuidados com a higiene , havia problemas
enormes com a alimentação onde , por exemplo , a carne
era salgada ficando sem sabor e daí o sucesso das
especiarias para lhe darem  algum gosto.
A falta de vitaminas ou de frutos frescos provocavam o
escorbuto e foram justamente os portugueses a incluir
os frutos nas suas pós refeições e  que ainda hoje se
mantém
As laranjas foram trazidas da Índia por Vasco da Gama
.Da América do sul os espanhóis trouxeram outros
vegetais e frutos
Deixar crescer a unha do dedo mindinho não era para
facilitar a limpeza do nariz , nada disso . O costume
vem da corte do rei Luís XIV onde era falta de
educação bater nas portas com o punho cerrado Esta
batia-se com a unha na porta
Com tanta porcaria junta,  a peste acaba por se
instalar de 1348 a 1350
Pouco a pouco a produtividade agrícola foi caindo e
quando se iniciam as descobertas começam a aparecer
novos vegetais e há uma enormidade de termos vulgares
entre os nossos marinheiros
“ Labrejo “ – era o nome dos portugueses das classes
inferiores alistadas nas tripulações catelhanas
juntamente com os calafates.
Sacana ( que não se pode chamar a ninguém )- quer
dizer peixe em japonês. Estar á rasca , nome de rede
de arrasto . Ferrar no sono ,Pôr-se na alheta ... são
muitos dos imensos termos ligados á navegação para as
Índias e não só .
Interessante é ver que , quando a igreja proibia os
banhos e escondia o sexo dos seus “manuais “ , aparece
na Índia o Kama que simboliza o amor carnal e Sutra os
ensinamentos para o mesmo .Este livro foi escrito por
um NOBRE indiano , do nome Vatsyayana. Os pormenores
fariam corar um simples cristão .  Os banhos ,  na
Índia estão como sabem  ligados a uma religiosidade
activa .
De notar que desde o Egipto até á Grécia e a terminar
no Esplendor Romano o cuidado e o prestigio social com
os banhos públicos.
Com a invasão dos bárbaros ,  eles reconheciam que a
queda do Império Romano se devia a estes requintes
humanos de ter o corpo  perfumado .E acabaram por
desprezar essa pratica .
Este choque de culturas e religiosidades  provocou um
enorme impacto no Ocidente, onde nós e depois os
espanhóis demos um abanão gigante para um arranque de
novos conceitos do viver melhor

Novos vegetais

É assim que o Tomate serviria na altura , para curar
uma pessoa nervosa com espasmos metendo-lhe um tomate
na boca .
Este vegetal sendo mal conhecido foi ao principio
chamado “ Pêssego de lobo “ que não se percebe bem
porquê já que os lobos devoram carne . É assim que o
tomate é chamado pelos botânicos de Lycopersicon
esculentum ( pêssego de lobo ) acrescentando mais
tarde “esculentum” que quer significar  comestível .
Interessante também  é vermos as bruxas a prepararem
as bebidas afrodisíacas e a moderna perfumaria a
enredar pelo mesmo caminho
Eu explico
Hoje sabe-se que os insectos  são atraídos por
feromonas do sexo oposto . Esta técnica , está até já
adaptada pela moderno controle das pragas agrícolas e
resulta
A industria de perfumes foi atrás e tenta ,  na
espécie humana , facturar com o negocio que se
adivinha rendoso pelos anúncios em catadupa que nos
aparecem desde as TV ás revistas da moda . Sabonetes ,
espumas de banho , elegantes jovens a mostrar o físico
mostram a “pele de pêssego “ aplicando o mais caro dos
perfumes Franceses .
A peste dos anúncios que temos que gramar





_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
avatar
Vitor mango

Pontos : 108832

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum