duas ou três coisas- embaixador SEixas da Costa

Ir em baixo

duas ou três coisas- embaixador SEixas da Costa

Mensagem por Vitor mango em Dom Out 09, 2016 1:02 am

duas ou três coisas


Ainda!
Posted: 06 Oct 2016 05:56 PM PDT



Em Angola, quando se recebe como resposta a palavra “Ainda!” isso significa que a pessoa pretende dizer “Ainda não!”.
Na passada semana, o título desta coluna era “Já combinaram com os russos?”, na dúvida sobre se os alemães, antes de darem ordem de marcha à senhora Kristalina Georgieva para tentar ganhar a secretaria-geral da ONU quase ao bater do gongue, tinham articulado previamente alguma coisa com Moscovo. Afinal, a resposta era “Ainda!”
Não sendo a União Europeia um país, tendo uma ação externa incipiente e coordenada apenas nos mínimos, sendo que dois dos seus membros (daqui a uns tempos será só um) fazem parte inamovível do Conselho de Segurança da ONU e não estão abertos a pôr isso em causa em favor da União, a regra geral, na vida da organização, é que cada Estado europeu “trate da sua vida”, nos vários processos eleitorais. Quando representei Portugal na ONU, alguns dos adversários mais firmes que tivemos de defrontar em processos de candidatura foram, precisamente, os chamados parceiros europeus.
A haver algo de patético neste processo de escolha do novo Secretário-geral não será, assim, a circunstância de haver vários candidatos europeus na corrida, tanto mais que uma certa doutrina destinava ao continente (ou a parte dele) o lugar em disputa. Nem sequer o facto de Angela Merkel se ter mobilizado para promover a mudança da candidata búlgara deve surpreender-nos: Berlim, que não votava em Nova Iorque, estava no seu direito de escolher quem lhe apetecesse, embora fosse um tanto bizarro ver a Alemanha a estimular outro Estado-membro a que mudasse a candidata que vinha a apoiar.
O que me pareceu inaceitável foi ver uma instituição europeia instrumentalizada em favor de uma candidatura improvisada à última hora, com o presidente da Comissão Europeia, a quem compete zelar neutralmente pelos interesses comuns dos Estados-membros, numa desbragada promoção da sua vice-presidente, facultando-lhe uma licença sem vencimento (!) de um mês para ir contrariar as pretensões de outros países europeus, tendo antes promovido abertamente a futura candidata perante Moscovo, deixando que o seu chefe de gabinete utilizasse a sua rede social oficial para apelar ao voto na senhora. A qual, diga-se, regressa agora a Bruxelas algo humilhada e fragilizada, desde logo na sua interlocução futura com o Estados-membros cuja ação pretendeu obstaculizar.
Dir-se-á que tudo está bem quando acaba bem. Talvez, mas se a racionalidade histórica aconselha sempre a que o futuro não assente em ressentimentos passados, tenhamos ao menos a esperança de que Bruxelas tenha aprendido alguma coisa com esta insólita aventura. Tenho uma única certeza: conhecendo-o, António Guterres terá a dignidade de nada fazer, ao longo do seu próximo mandato, que minimamente reflita este momento infeliz da sua Europa.

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
avatar
Vitor mango

Pontos : 110774

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum