Vagueando na Notícia


Participe do fórum, é rápido e fácil

Vagueando na Notícia
Vagueando na Notícia
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

Cabo Verde

Ir para baixo

Cabo Verde Empty Cabo Verde

Mensagem por Joao Ruiz Sab Abr 17, 2010 4:18 pm

"Cabo Verde não deveria ter sido independente"

por Lusa
Ontem

Cabo Verde Ng1281153

O ex-Presidente da República Mário Soares defendeu hoje que Cabo Verde "não deveria ter sido independente" e que o arquipélago "teria muito a ganhar" em ter evitado a separação em relação a Portugal.

"Eu sempre achei que Cabo Verde não deveria ter sido independente, não assisti à independência de Cabo Verde por isso mesmo", disse, no colóquio "Vozes da Revolução: Guerra Colonial e Descolonização", no Instituto Superior das Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE).

Na opinião do antigo Chefe de Estado, Cabo Verde "teria muito a ganhar" caso se tivesse mantido parte do território nacional.

"Eu pensava que Cabo Verde não é propriamente África porque Cabo Verde é um arquipélago do norte do Atlântico e que há uma relação que deveria ter sido mais explorada entre os três arquipélagos existentes que são Europa, ou seja, Açores, Madeira, depois Canárias e podia ser Cabo Verde", argumentou.

Nas viagens que realizou como membro do Governo após a revolução de Abril de 1974, Mário Soares disse ter contactado muitos cabo-verdianos, nomeadamente nos Estados Unidos "onde havia uma colónia muito poderosa e rica", que "não queriam de maneira nenhuma a independência de Cabo Verde".

Admitindo que "era muito difícil" que o caminho seguido não tivesse sido a independência, Mário Soares explicou que não explicitou "no momento exacto" o seu pensamento sobre o assunto porque interrompeu a sua participação directa no processo que conduziu à independência - "nessa altura em já estava fora do combate", disse.

In DN

Cabo Verde Notsure
Joao Ruiz
Joao Ruiz

Pontos : 32035

Ir para o topo Ir para baixo

Cabo Verde Empty Cabo Verde festeja 35 anos como país independente

Mensagem por Joao Ruiz Seg Jul 05, 2010 10:36 am

Cabo Verde festeja 35 anos como país independente

por PEDRO CORREIA
Hoje

Cabo Verde Ng1314305

Apesar das dificuldades climatéricas, é um dos mais promissores países africanos.

Cabo Verde festeja hoje 35 anos de independência com motivos para sentir orgulho: relatórios internacionais apontam esta república de língua oficial portuguesa como um caso exemplar no contexto africano. É um país onde a democracia funciona, a alternância política se tornou uma realidade, o investimento estrangeiro começa a frutificar, nomeadamente no turismo, e as relações com a antiga potência colonial são excelentes. Portugal é o maior parceiro comercial desta sua ex-colónia, que se tornou independente a 5 de Julho de 1975. Portugal é também o principal destino da emigração cabo-verdiana. E muitos jovens de Cabo Verde estudam nas universidades portuguesas.

Foram anos de duras conquistas, dificultados pela inclemência do clima. Apesar disso, o balanço é positivo: a taxa de alfabetização cabo-verdiana é hoje de 83,8% (98% entre os jovens), a expectativa de vida oscila entre os 69 anos (para os homens) e os 75 anos (para as mulheres) e - o dado mais significativo - Cabo Verde situa-se actualmente em nono lugar no índice de desenvolvimento dos países africanos. O crescimento económico em 2009 foi de 8,9%.

Em 1975, as circunstâncias eram muito diferentes. Cabo Verde passou os primeiros seis anos de existência associado à Guiné-Bissau. Fora o PAIGC, liderado pelo cabo-verdiano Amílcar Cabral, a conduzir a luta contra o domínio português na Guiné, englobando nessa luta a então província ultramarina de Cabo Verde, onde nunca houve guerra mas o sentimento autonomista era muito forte, remontando pelo menos à década de 30, com movimentos culturais como o Claridade, fundado na cidade do Mindelo reunindo uma plêiade de escritores. Entre eles Manuel Lopes, Jorge Barbosa e Baltasar Lopes da Silva.

Mas a união com a Guiné- -Bissau terminou logo após o golpe de Estado de Novembro de 1980, liderado por Nino Vieira, que derrubou o presidente Luís Cabral, irmão de Amílcar. Enquanto a Guiné-Bissau se tornou um protótipo de "Estado falhado", presa de redes de narcotráfico e palco de sucessivos golpes de Estado sangrento, Cabo Verde foi singrando o seu caminho, com passos lentos mas determinados. O sistema de partido único terminou em 1990. No ano seguinte, realizaram-se as primeiras eleições multipartidárias, dando a vitória ao Movimento para a Democracia, principal força da oposição. Hoje o PAICV - sucessor do PAIGC - está no poder: as regras democráticas são aceites sem contestação. O Presidente da República, também oriundo das fileiras do PAIGC, é Pedro Pires, um dos heróis da independência.

Também no plano cultural os cabo-verdianos têm motivos para sentir orgulho deste seu percurso de 35 anos. Uma cantora como Cesária Évora levou a canção nacional das ilhas - a morna - aos quatro cantos do mundo. E a literatura de Cabo Verde mantém-se pujante, com notáveis escritores como o romancista Germano Almeida e o poeta Arménio Vieira, galardoado já este ano com o Prémio Camões.

In DN

Cabo Verde Smilie34Cabo Verde Smilie34Cabo Verde Smilie34Cabo Verde Smilie34Cabo Verde Smilie34

_________________
Amigos?Longe! Inimigos? O mais perto possível!
Joao Ruiz
Joao Ruiz

Pontos : 32035

Ir para o topo Ir para baixo

Cabo Verde Empty Cavaco destaca multipartidarismo exemplar

Mensagem por Joao Ruiz Ter Jul 06, 2010 3:51 pm

Cavaco destaca multipartidarismo exemplar

por Eva Cabral, na Praia
Hoje

Cabo Verde Ng1314870

O Presidente da República aproveitou o seu discurso na Assembleia Nacional de Cabo Verde para prestar "a sua homenagem à democracia cabo-verdiana"

No primeiro dia da visita oficial a Cabo Verde Cavaco foi agraciado com o primeiro grau da Ordem "Amilcar Cabral", uma condecoração que selou o entendimento entre os dois povos e que levou Cavaco Silva a participar nesta segunda feira nas cerimónias da Independência da ex-colónia portuguesa.

O Presidente da República aproveitou a sua intervenção no Parlamento de Cabo Verde para frisar que "a transição para o multipartidarismo foi pacífica e exemplar". Para Cavaco a sucessão pacífica de governos eleitos é um "sinal de maturidade democrática e da cultura de tolerância do povo caboverdiano".

Depois de receber as chaves da Cidade da Praia na Câmara Municipal Cavaco Silva encontrou-se com o primeiro-ministro do arquipélago, José Maria das Neves.

Após o almoço os trabalhos recomeçam com uma orientação mais económica, concretamente na abertura da filial do BES na cidade da Praia.

In DN

Cabo Verde 00020405

_________________
Amigos?Longe! Inimigos? O mais perto possível!
Joao Ruiz
Joao Ruiz

Pontos : 32035

Ir para o topo Ir para baixo

Cabo Verde Empty Re: Cabo Verde

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Ir para o topo Ir para baixo

Ir para o topo


 
Permissão neste fórum:
Você não pode responder aos tópicos