Vagueando na Notícia


Participe do fórum, é rápido e fácil

Vagueando na Notícia
Vagueando na Notícia
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

Saara Ocidental

2 participantes

Ir para baixo

Saara Ocidental Empty Saara Ocidental

Mensagem por Joao Ruiz Sex Dez 03, 2010 8:26 am

.
Sara Ocidental: a revolta dos nómadas sarauís

por ABEL COELHO DE MORAIS

Hoje

Saara Ocidental Ng1367929

Reclamam melhores condições de vida, não querem ver os recursos da sua terra desbaratados por aqueles que consideram ocupantes. São mais de 20 mil aqueles que protestam contra as condições impostas por Marrocos nesta região, que tentou a independência na década de 70

São 20 mil pessoas que acampam há quase um mês em Gdeim Izik, arredores de El Aaiún, a antiga capital do Sara espanhol, naquele que é o maior protesto pacífico desde que, em 1975, Madrid abandonou esta colónia do Norte de África.

É sob este pano de fundo que amanhã e depois, sob os auspícios da ONU, delegações de Marrocos e da Frente Polisário (FP) se reúnem nos arredores de Nova Iorque para relançarem as negociações sobre o futuro do Sara Ocidental, hoje num impasse.

O encontro será mais uma etapa no diferindo entre Rabat e a FP que vem de 1975. Numa primeira fase, o território foi reivindicado por Marrocos, Mauritânia e FP, tendo este último país retirado em 1979, devido à pressão da guerrilha sarauí. Desde a invasão pacífica de mais de 350 mil marroquinos - a "Marcha Verde" de Novembro de 1975 -, seguida de uma rápida ocupação militar, o conflito colocou frente a frente sarauís e as forças armadas de Rabat.

Abrigados em mais de sete mil jaimas (tendas tradicionais dos nómadas), homens, mulheres e crianças pedem o fim daquilo que chamam a pilhagem dos recursos sarauís por Marrocos, assim como trabalho e habitações condignas. Ninguém fala de independência. Vão longe os anos 70 e 80 quando a FP combatia de armas na mão pela independência. Hoje, está confinada a alguns campos de refugiados na Argélia e a uma região a leste da barreira de 2700 quilómetros, erguida por Marrocos a partir de 1981, que controla em comum com as forças da ONU.

Actualmente, o centro da estratégia polisária, que reivindica a existência de uma República Democrática Árabe Sarauí, passa pela realização de um referendo sobre o futuro do território, com opção pela independência, projecto que Marrocos recusa por completo. Para Rabat, a única solução é a autonomia do território no âmbito do Estado marroquino.

Devido a este impasse, nasceu o protesto nos arredores de El Aaiún. Preparado desde meados de 2009, o objectivo inicial era a criação de campos junto das restantes três cidades mais importantes do Sara Ocidental, o que só não sucedeu porque as autoridades marroquinas "o impediram", dizia esta semana ao El País um dos organizadores do movimento, Fadel Kmach.

Mas Kmach acrescentava com orgulho: "Recebemos outros apoios." Um desses apoios veio do actor Javier Bardem, que entregou ao Governo de Zapatero uma petição com 230 mil nomes, exigindo que Madrid conceda estatuto diplomático à FP. Outros apoios vieram de sarauís no exterior; caso de Amin, cozinheiro na Grã-Canária. "Tinha os papéis em ordem e trabalho assegurado, mas não podia perder isto", dizia Amin a um grupo de jornalistas espanhóis que visitou o campo. O ex-cozinheiro já encontrou nova ocupação: é tradutor para o comité que dirige o campo.

O comité é composto por oito homens e uma mulher. Todos têm menos de 40 anos, na maioria de-sempregados; consideram-se discriminados por serem sarauís e consideram que a independência não é para já. O mais importante é a palavra de ordem que mobiliza o acampamento: "os recursos dos sarauís para os sarauís", referência à pesca e às minas de fosfatos.

O comité assegura que o acampamento - cercado pelos forças marroquinas, que controlam o acesso de jornalistas e bens alimentares - não vai ser desmontado, apesar das tentativas de desmobilizar os sarauís. Marrocos anunciou no início da semana a atribuição de lotes de terra a viúvas sarauís, a concessão de uma verba para a construção de casa e o acesso a uma prestação social equivalente a 130 euros mensais. Há uma semana, o comité recusou negociar com o ministro do Interior de Marrocos, Taieb Char- kaoui, que se deslocou a El Aaiún para discutir aquelas propostas, argumentando estarem sujeitos a "um cerco militar". Devido às medidas de segurança marroquinas, que construíram um muro de metro e meio de altura - atrás do qual se encontram centenas de polícias e militares -, um jovem sarauí, Nayem Elghari, foi abatido a 23 de Outubro ao tentar chegar ao acampamento.

Fortes medidas de segurança que são a regra em território do Sara Ocidental, enquanto neste mar de tendas "se respira um ar de liberdade", garantia ao El País Fadel Kmach. "Lá fora não há nada disto", assegura. O quotidiano não é fácil. Falta água, há poucas infra-estruturas sanitárias, os alimentos chegam a conta-gotas, a maioria trazidos por familiares que, ao fim de semana, visitam o acampamento de Gdeim Izik. Mas há uma frase que, segundo o enviado do El País (jornal com linha editorial próxima das posições sarauís), se ouve com frequência no campo: "Estamos contentes."

In DN

Saara Ocidental 0002042B

_________________
Amigos?Longe! Inimigos? O mais perto possível!
Joao Ruiz
Joao Ruiz

Pontos : 32035

Ir para o topo Ir para baixo

Saara Ocidental Empty Marcha marroquina para 'libertar' Ceuta e Melilla

Mensagem por Joao Ruiz Sex Dez 03, 2010 8:30 am

.
Marcha marroquina para 'libertar' Ceuta e Melilla

por SUSANA SALVADOR
Hoje

Saara Ocidental Ng1393400

Marrocos anunciou uma "reavaliação global das suas relações" com Madrid.

Várias organizações e partidos políticos marroquinos convocaram para amanhã uma "marcha simbólica" até à cidade de Ceuta, para reclamar o fim da ocupação espanhola dos territórios no Norte de África. O protesto surge depois de o Congresso espanhol aprovar uma moção que condena a violência no desalojamento dos sarauís do acampamento de El Aiún a 8 de Novembro, sem contudo mencionar Marrocos, e Rabat anunciar que quer uma "reavaliação global das suas relações com Espanha".

O coordenador da marcha e secretário-geral da Juventude do Partido Progresso e Socialismo, Driss Reduani, disse à EFE que é esperado um milhão de pessoas. E apelou "às forças espanholas que apoiam a integridade territorial dos países" que se juntem à iniciativa, que procura também "mobilizar a população marroquina e reclamar o respeito dos direitos dos marroquinos" que vivem nas cidades autónomas espanholas.

No domingo, milhares de pessoas participaram noutra marcha em Casablanca, contra a política do Partido Popular espanhol para com Marrocos e em defesa da integridade territorial do país. O protesto contou com a presença do primeiro-ministro Abás El Fasi.

Os protestos surgem num momento de tensão nas relações entre os dois países, após os acontecimentos em El Aiún. Segundo Rabat, morreram 13 pessoas, onze das quais polícias, na violência desencadeada pelo desmantelar de um acampamento sarauí. A Frente Polisário falou em dezenas de mortos, sem contudo dar nomes.

Antiga colónia espanhola, o Sara Ocidental foi anexado em 1975 por Marrocos. A 16 de Outubro, o Rei Hassan II convocou a Marcha Verde, o que levou 350 mil marroquinos a invadir o território, apoiados pelos militares. A decisão surgiu depois de o Tribunal de Justiça de Haia estabelecer que o Sara não tinha "laços de soberania" com Marrocos.

A Frente Polisário, apoiada pela Argélia, exige um referendo, sob a égide da ONU, para que os sarauís escolham entre a independência, a autonomia sob soberania marroquina ou a união a Marrocos. Rabat aceita, quanto muito, a hipótese de autonomia, recusando qualquer independência.

A destruição do acampamento voltou a pôr o tema na ordem do dia. Ontem, os deputados espanhóis aprovaram (por 327 votos a favor e uma abstenção) uma moção dos partidos de esquerda exigindo ao Governo socialista a condenação dos incidentes violentos de 8 de Novembro. Até ao momento, Madrid deu prioridade às suas relações com Rabat. O texto teve o apoio de todos, após ser retirada a condenação expressa a Marrocos. O debate ficou marcado pela expulsão das galerias de um grupo de manifestantes (entre eles o actor Wily Toledo) que proferiram gritos de ordem a favor de um Sara Ocidental livre e independente.

Em resposta, Marrocos anunciou através do seu ministro da Comunicação e porta-voz, Jalid Naciri, que vai "reexaminar" as relações com Madrid. Segundo a agência oficial de notícias, o Parlamento marroquino reúne-se hoje de manhã para avaliar o voto de ontem em Espanha.

In DN

Embarassed Rolling Eyes

_________________
Amigos?Longe! Inimigos? O mais perto possível!
Joao Ruiz
Joao Ruiz

Pontos : 32035

Ir para o topo Ir para baixo

Saara Ocidental Empty Re: Saara Ocidental

Mensagem por Viriato Sex Dez 03, 2010 8:51 am

Pois. De acordo. Mas vamos a ver se têm tomates para tanto. Conquistar os famintos da Frente Polisário não custa.
Viriato
Viriato

Pontos : 16657

Ir para o topo Ir para baixo

Saara Ocidental Empty Re: Saara Ocidental

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Ir para o topo Ir para baixo

Ir para o topo


 
Permissão neste fórum:
Você não pode responder aos tópicos