Vagueando na Notícia


Participe do fórum, é rápido e fácil

Vagueando na Notícia
Vagueando na Notícia
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

Malta

Ir para baixo

Malta Empty Malta

Mensagem por Joao Ruiz Seg Maio 23, 2011 3:31 am

.
Malta: campanha agressiva antes do referendo ao divórcio

por DN.pt
Hoje

Malta vai decidir no sábado se quer continuar ou não a ser o único país da União Europeia (UE) onde o divórcio é proibido. O país vive por estas alturas uma campanha dura, com o tom agressivo a ser comandado pela Igreja Católica, com o apoio do partido no poder.

Em Malta há milhares de pessoas separadas que não conseguem refazer as suas vidas, sozinhas ou com outros. No país mediterrânico o casamento é para sempre. Isso poderá mudar no sábado quando os cidadãos forem chamados a votar a liberalização do divórcio, mas a vitória do sim não é certa: as sondagens prevêem um triunfo da mudança, mas a vantagem está dentro das margens de erro e a percentagem de indecisos tem vindo a crescer por entre uma população de apenas 400 mil habitantes.

Situação que dá alento aos que não querem que o país reviva o que se passou há vários séculos quando Napoleão Bonaparte chegou à ilha e revolucionou os direitos civis, instituindo o divórcio, lei que acabaria por ser revogada. Em campanha está também a separação entre Igreja e Estado, o que em Malta não existe.

A Igreja Católica tem sido a grande protagonista da campanha. Segundo o jornal espanhol Público, desde há meses que dezenas de sacerdotes têm vindo a avisar os crentes que, se votarem a favor do sim, estão a cometer um pecado e automaticamente deixarão de receber a comunhão ou a absolvição no acto da confissão. Mario Grech, um dos bispos de Malta, chamou "lobos com pés de ovelha" aos cristãos que apoiam a campanha pelo sim.

Nas ruas de Malta vêem-se cartazes com frases como "Cristo sim, divórcio não", numa campanha em que a Igreja foi empurrada para a frente de 'combate' pelo Partido Nacionalista, no poder. O Partido Trabalhista, na oposição, não tomou posição oficial, mas o seu líder, Joseph Muscat, faz campanha pelo sim, em parte pelo facto de, segundo diz, o Partido Nacionalista se ter tornado "teocrático" e "confessional".

Um indício disso são as palavras do ministro da Economia, Tonio Fenech, um dos homens presentes nas reuniões da UE que decidem os resgates financeiros a países como Portugal, Grécia e Irlanda. Fenech acredita que a virgem Maria "está muito dorida" com a possibilidade da vitória do sim: "Deus tem poder de decisão na moral deste mundo, deste país, das nossas famílias e em todos nós enquanto indivíduos

In DN

Embarassed Rolling Eyes

_________________
Amigos?Longe! Inimigos? O mais perto possível!
Joao Ruiz
Joao Ruiz

Pontos : 32035

Ir para o topo Ir para baixo

Malta Empty Vaticano obriga padre pedófilo a abandonar sacerdócio

Mensagem por Joao Ruiz Qua Ago 03, 2011 10:59 am

.
Vaticano obriga padre pedófilo a abandonar sacerdócio

Hoje

Malta Ng1597863

Um dos dois padres malteses condenados na terça-feira a prisão por pedofilia foi hoje obrigado a abandonar o sacerdócio pelo papa Bento XVI, anunciou a Igreja de Malta, que pediu desculpa por aqueles crimes.

Charles Pulis, reconhecido como culpado em nove casos de abusos sexuais e condenado a seis anos de prisão, foi obrigado a abandonar o sacerdócio por ordem do Vaticano. Continua a pertencer à ordem dos missionários de S.Paulo, indicou esta última.

O Vaticano não tomou ainda qualquer decisão sobre o outro padre, Godwin Scerri, condenado a cinco anos de prisão por ter abusado de um número indeterminado de crianças, disse a Igreja.

A Igreja de Malta apresentou desculpas e manifestou «profunda tristeza» pelos abusos cometidos por estes padres. Lamentou a demora na conclusão do inquérito e anunciou para breve um encontro do arcebispo de La Valetta, Paul Cremona, com as vítimas para lhes pedir «pessoalmente perdão».

As autoridades eclesiásticas maltesas pediram à população para transmitir de imediato qualquer informação sobre eventuais abusos cometidos contra crianças. Explicou ter reforçado as suas estruturas para evitar tais abusos e reagir rapidamente nestes casos.

Os dois padres anunciaram através dos advogados a intenção de apresentar recurso.

O caso começou em 2003 quando as 11 vítimas decidiram tornar públicos os abusos sofridos quando tinham entre 13 e 16 anos no orfanato S.José de Santa Venera, perto de La Valetta.

Um terceiro padre, Joe Bonett, foi também implicado mas morreu em Janeiro com 63 anos.

A Igreja de Malta afirmou em Outubro que as queixas das vítimas de padres pedófilos do orfanato de S.José eram fundamentadas e iam ser transmitidas ao Vaticano.

Oito vítimas encontraram-se com Bento XVI durante a visita papal a Malta em Abril de 2010.

In DN

Embarassed Rolling Eyes Twisted Evil

_________________
Amigos?Longe! Inimigos? O mais perto possível!
Joao Ruiz
Joao Ruiz

Pontos : 32035

Ir para o topo Ir para baixo

Ir para o topo


 
Permissão neste fórum:
Você não pode responder aos tópicos