Perfis falsos, likes e propaganda. Como as máquinas partidárias se mexem nas redes sociais

Ir em baixo

Perfis falsos, likes e propaganda. Como as máquinas partidárias se mexem nas redes sociais Empty Perfis falsos, likes e propaganda. Como as máquinas partidárias se mexem nas redes sociais

Mensagem por Vitor mango em Qui Nov 05, 2015 2:24 am

Perfis falsos, likes e propaganda. Como as máquinas partidárias se mexem nas redes sociais
04 Nov, 2015 - 14:05 • Ricardo Vieira
Há falsos utilizadores, golpes de Estado que não o são e acções partidárias disfarçadas de movimentos espontâneos. O combate político faz-se cada vez mais em banda larga, mas nem tudo o que parece é, alerta especialista.
Perfis falsos, likes e propaganda. Como as máquinas partidárias se mexem nas redes sociais Redes_sociais_ilustracao_freepikrr23624cdd_baseIlustração: Freepik/Renascença
As máquinas partidárias afinam a estratégia para fazer chegar a mensagem e influenciar o utilizador comum que, simultaneamente, é um actor passivo-activo numa estratégia política que muitas vezes desconhece. É o que afirma Luís António Santos, investigador da comunicação social.
O doutorado em Ciências da Comunicação, colunista da Renascença, considera que a coligação PSD/CDS venceu a batalha das redes sociais nas últimas eleições legislativas e defende que os jornalistas podiam fazer mais para “tentar perceber como são criadas muitas destas emergências ou erupções de eventos ou pseudo-eventos” que nascem nas redes sociais.
Há muito que não se falava tanto em política nas redes sociais (e fora delas). Como tem acompanhado a luta política nas redes sociais?
Não se pense que nas redes sociais as pessoas e os partidos têm comportamentos completamente distintos dos que têm noutros espaços. Ali reflectem-se muitos dos jogos de interesses, mensagens contraditórias e estratégias de comunicação que passam muito à margem da compreensão do normal dos cidadãos.
Nestas eleições tornou-se bastante evidente que as forças políticas têm ao seu serviço algumas pessoas com competências necessárias para, por exemplo, fazer circular um determinado tipo de mensagem, num determinado momento, de um determinado dia, para que elas tenham um efeito positivo na sua estratégia de campanha.

E qual é o papel dos utilizadores no meio disso?
Por um lado, é um papel de observadores que não têm conhecimento da estratégia. Mas é também um papel activo sempre que os cidadãos concordam com esta opinião ou aquela tomada de posição, esticam essa sua pró-actividade e replicam aquele conteúdo pelos seus amigos que, depois, consoante gostem ou não, comentam, replicam, comentam, replicam. Há aqui este efeito da pedrinha que cai no lago e que faz circunferências de ondas por ali adiante.
Do ponto de vista tecnológico há agora a possibilidade de saber, com muita precisão, quem replica ou quê, em que momentos do dia, a que tipo de assuntos ou palavras-chave é que dá mais relevância. Hoje em dia é possível criar perfis falsos em redes sociais – chamam-se "bots" – só para replicar um determinado tipo de mensagens.
E porque tudo isto acontece de facto, e aconteceu na nossa campanha eleitoral, parece-me que é um universo no qual os cidadãos participam, sendo que, na minha opinião, a maior parte das pessoas não se apercebe de toda esta complexidade.
Como avalia a eficácia da aposta das máquinas partidárias nas redes sociais?
As pessoas mais eficientes, e que levaram essa estratégia mais a sério nas últimas eleições, foram as pessoas que ganharam as eleições, com uma gestão muito cuidada da mensagem, dos tempos da mensagem. Percebia-se isso, por exemplo, nos debates: quando o actual primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, dava uma entrevista, no Twitter percebiam-se publicações e republicações de mensagens que estavam já pré-feitas com excertos da mensagem política genérica do PSD. Era muito visível isso para quem no momento estivesse a observar o que se estava a passar nas redes. Desse ponto de vista, a gestão parece-me que foi a mais eficaz, a mais consistente e profissionalizada.
Essa gestão profissional contribuiu, de alguma maneira, para ganhar as eleições ou não?
Não iria tão longe como dizer que ganhando nas redes sociais se ganham eleições, porque o nosso país está longe de ter uma adesão maciça às redes sociais. Há ainda muita gente infoexcluída, que não tem nem o acesso, nem as competências em redes sociais. Mas têm um papel relevante e uma estratégia vitoriosa terá também, forçosamente, de ser uma estratégia vitoriosa nas redes sociais.
O que vai acontecendo nas redes sociais também influencia os partidos?
Uma gestão profissional da presença de uma determinada força política nas redes sociais sabe perceber - existem ferramentas para verificar isso com muita clareza – de que outras coisas andam as pessoas a falar, para além das coisas do nosso partido. Vamos imaginar que as pessoas até andam a falar de uma outra proposta de um outro partido. Se eu souber isto quase instantaneamente ou antes de os outros partidos, posso criar uma contramensagem, uma contraproposta política que ponho de imediato a circular nas redes pelos meus próprios meios e é assim que isto se faz um pouco. Não é apenas saber propor conteúdos, é saber estar atento aos conteúdos extra que circulam na internet, e são muitos, e perceber de que forma eles me podem ser úteis.
A comunicação social exagera no destaque que dá a questões que nascem nas redes sociais?
Custa-me generalizar. Depende. O que me parece é que o jornalismo faz pouco o trabalho de tentar perceber como são criadas muitas destas emergências ou erupções de eventos ou pseudo-eventos. Seria um trabalho mais profundo, de maior enquadramento, de maior análise, de maior paciência e poderia trazer algum benefício acrescido aos cidadãos em termos de literacia, de entender todas as forças e todos os jogos que acontecem nas redes sociais, porque a maior parte das pessoas tem um entendimento muito lúdico das redes sociais.
É muito fácil não me aperceber que, em momentos específicos, como numa campanha eleitoral, acontecem estratégias, jogos de forças, promoções especiais no sentido de ideias e não de produtos. Enquanto cidadão comum, isso passa-me um pouco ao lado. O jornalismo precisaria, talvez, de fazer um esforço para explicar mais isto às pessoas.
Houve mesmo um falso golpe de Estado no Twitter. Como analisa o fenómeno #PortugalCoup?
As redes sociais têm associado à sua forma de funcionar quase esta natureza explosiva, das erupções, como se fossem vulcões e, em muitas circunstâncias, esse é um bom exemplo. É muito difícil fazer parar uma espécie de bola de neve, apesar de as pessoas que iniciaram o processo terem, quase logo de imediato, dito: "isto é uma brincadeira, é humor, não é a sério".
Creio que foi determinante o facto de eles escreverem sempre em inglês e isso deu às mensagens um carácter internacional e, depois, quando as bolas de neve são internacionais é bem mais difícil pará-las a tempo. A mensagem não foi parada a tempo de impedir que jornais conceituados dedicassem ao assunto alguma atenção séria.
Através do Facebook, foram convocadas manifestações por causa do momento político conturbado que se vive em Portugal – uma delas é esta quarta-feira. Há uma espécie de “PREC” nas redes sociais?
É preciso alguma prudência ao analisar esses eventos. Em primeiro lugar, é preciso analisar a sua dimensão exacta, porque um desses exemplos já esteve marcado para um momento anterior e depois foi desmarcado. Nalgumas circunstâncias, alguns desses eventos, independentemente da força política ou da ideia política a que estejam associados, podemos legitimamente pensar que são acções estratégicas dos partidos. Parece-me legítimo pensar isso. Não estou a dizer que nestas circunstâncias, em concreto, isso é verdade, mas é legítimo pensar que isso seja assim.
Em abstracto, eu diria que as manifestações que se convocam [através das redes sociais], as passeatas, os cordões humanos ou as petições são mecanismos de participação de cidadania, que na essência são mecanismos benignos de participação. Eu não veria neles nenhum problema, acho até que são formas muito interessantes de promover a participação das pessoas na discussão da sua vida comum. Nestes casos em concreto, porque são centrados num determinado momento político e porque todos eles têm carácter político, eu não retiraria da equação a possibilidade de eles serem promovidos por entidades políticas e não serem promovidos espontaneamente a partir de cidadãos.
Nem sempre os fenómenos das redes sociais passam para o resto da sociedade. Mas isso aconteceu com o movimento dos Indignados...
Esse movimento começou nas redes sociais, mas adquiriu uma adesão em estruturas concretas, como os sindicatos e até algumas forças políticas, que lhe deu alguma outra solidez. Em Portugal, o caso dos Indignados é até paradigmático porque, noutros países em que movimentos semelhantes aconteceram, no final do processo surgiram forças políticas. Em Portugal, o movimento como que se eclipsou.
No fundo, é possível que pessoas que tenham participado naquele movimento nas últimas eleições tenham votado em forças políticas completamente diferentes. Nesse sentido, o movimento surge, é um vulcão, uma erupção. Surge, organiza-se, cria impacto social, dá origem a debate social, dá origem a debate político, mas depois o movimento como que se esvazia e desaparece.

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
Perfis falsos, likes e propaganda. Como as máquinas partidárias se mexem nas redes sociais Batmoon_e0
Vitor mango
Vitor mango

Pontos : 113560

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum