Quem fala assim não é gago!!! CAPITALISTAS COMUNISTAS = ABUTRES

Ir em baixo

Quem fala assim não é gago!!! CAPITALISTAS COMUNISTAS = ABUTRES Empty Quem fala assim não é gago!!! CAPITALISTAS COMUNISTAS = ABUTRES

Mensagem por TheNightTrain em Qui Jan 06, 2011 9:30 am

Este
capitalismo não tem remissão



Miguel Sousa Tavares
(www.expresso.pt)



0:00 Quinta feira, 6 de Janeiro de 2011










Mal vai o mundo se não há uma geração de líderes políticos com
capacidade e coragem de fazer frente a este bando de abutres que suga o
trabalho, o esforço e os sonhos de tanta gente que é vítima da sua
ganância sem limite.






O Governo hesita em injectar mais 500 milhões
de euros no cadáver chamado BPN. A hesitação do Governo tem razão de
ser: se lá meter mais €500 milhões, sabe que são mais €500 milhões
roubados aos contribuintes e sem recuperação possível. Mas, se não meter
lá mais estes €500 milhões, terá de declarar a falência do banco e aí
os 4800 milhões de euros que a Caixa Geral de Depósitos lá tem espetados
em troca de activos que nada valem terão de ser considerados perdidos e
levados à conta do défice do ano que vem. Ora, se pensarmos que em 2011
o Governo se propõe conseguir cortar 5700 milhões de euros nas suas
contas para atingir o anunciado défice de 4,7% do PIB, é fácil perceber o
efeito devastador que será ter de assumir de uma vez só os custos da
aventura do BPN: em vez de 4,7% de défice estaríamos a falar de qualquer
coisa à roda dos 9% - o fim de qualquer ilusão.

A alternativa, tentada, seria vender o BPN, mas,
obviamente, ninguém o quis comprar. Como se viu agora, o banco só
consegue flutuar com sucessivas injecções de capital; os seus 300.000
clientes só se mantêm lá porque o banco está nacionalizado e tem a
garantia do Estado; e os seus 250 balcões não são suficientemente
atractivos para compensar o péssimo good will do nome BPN.
Imaginando que para manter o BPN a funcionar chegariam €500 milhões por
ano (o que é uma piedosa ficção), mesmo assim isso significaria que para
defender cada um dos postos de trabalho dos seus 1800 trabalhadores são
precisos cerca de 270.000 euros por ano, fora ordenados e tudo o resto.
Resumindo uma triste história, o BPN só continua de portas abertas
porque a alternativa teria custos contabilísticos com uma repercussão
externa mortal.

É incrível pensar que tantas coisas decisivas para o
país, para a vida concreta de todos nós, dependem do desfecho a dar a um
negócio bancário de vão de escada. É incrível pensar que, enquanto os
gurus republicanos responsáveis pela implosão do sistema bancário
americano, até eles, deixaram um gigante como o Lehman Brothers ir à
falência, entre nós, ao primeiro sinal de perigo, o pânico tomou conta
de José Sócrates e Teixeira dos Santos e, num fim-de-semana nefasto,
eles decidiram acudir ao BPN, porque tiveram mais medo do contágio do
que da vacina. É incrível pensar como é que o Banco de Portugal deixou,
contra indícios gritantes e informações correntes na praça, crescer
aquele negócio familiar 'mixuruco' até se transformar num crime sem
fundo cuja pena será paga tão-só e apenas pelos contribuintes. E é
incrível pensar como é que, em primeira instância, se deu a Oliveira
Costa - cujo currículo se resumia a uma duvidosa gestão da Secretaria de
Estado dos Assuntos Fiscais, sem habilitação bancária nem fortuna
conhecida - licença para abrir um banco e funcionar a seu bel-prazer. E
onde estavam a Fitch, a Moody's e a Standard & Poor's, quando coisas
como o BPN ou o BPP actuavam no mercado como respeitáveis instituições
financeiras? Será que estavam pagas por eles?

Por muito que a factura nos custe, o BPN é apenas uma
gota de água num oceano de tragédia global. Com excepção da China, não
há uma única economia nacional relevante que não esteja neste momento
dependente das consequências das aventuras criminosas do sector
financeiro. A Islândia é um bom ponto de partida: uma ilha no meio do
Atlântico, com uma população igual à da cidade do Porto, uma economia
próspera, um sistema social perfeito e solvente. De repente, desregulado
o sistema financeiro, rapidamente a banca islandesa tinha outorgado
empréstimos numa quantia equivalente a dez vezes o PIB do país e, entre
outras coisas, para financiar jovens tycoons que queriam comprar
lojas de luxo em Oxford Street, em Londres. Quando os empréstimos
começaram a não ser pagos, a banca islandesa ficou à beira da falência e
o Estado teve de acorrer, mobilizando tudo o que tinha. A dívida
pública disparou, as empresas fecharam por falta de crédito, o
desemprego cresceu até aos 12%. O mesmo cenário na Irlanda (que agora
teve de mobilizar os fundos das pensões de reforma dos trabalhadores
para tapar os buracos da banca), e o mesmo cenário nos Estados Unidos - e
daí para o mundo inteiro.

Para quem não conhece bem a história, recomendo que
veja o filme "Inside Job", cuja maior contribuição é mostrar a cara de
alguns dos protagonistas da urdidura - e é sempre bom ver a cara dos
criminosos: explica muito do que não se consegue explicar. Resumindo, a
história é esta: aproveitando a sua sublime ignorância, Ronald Reagan
foi facilmente convencido a desregulamentar o mercado financeiro: se o
Estado nada controlasse, explicaram-lhe, a banca funcionaria livremente,
haveria crédito abundante e barato para todos e a economia prosperaria.
Clinton não conseguiu ou não quis rever a libertinagem e Bush-filho,
esse idiota trágico, ainda aprofundou a ribaldaria e aliviou-a de
impostos. Livres de vigilância, pressionados pelos accionistas em busca
de lucros rápidos e aliciados por milionários prémios de gestão, os
gestores financeiros americanos entregaram-se alegremente a uma década
de irresponsável bebedeira. O mais à mão que tinham era o crédito
imobiliário (tal como cá...), e desataram a financiar compras de casas,
emprestando 99% do seu preço a quem não tinha hipótese alguma de as
pagar. Com isso, fizeram subir exponencialmente o preço das casas,
criando a célebre 'bolha imobiliária', e produzindo os chamados 'activos
tóxicos', sob a forma de hedge funds e 'produtos derivados' -
que começaram a vender aos clientes como investimento garantido e de
retorno excepcional. Para tal, contaram com a conivência das agências de
rating (as mesmas que agora especulam contra a nossa dívida
soberana, impondo-nos juros de 7% ou mais - a Moody's, a Fitch, a
Standard & Poor's). Sem nenhum escrúpulo, as agências, que recebiam
tanto mais dos bancos quanto mais valorizassem os seus 'activos
tóxicos', atribuíram-lhes as cotações máximas, levando os incautos ao
engano. Entretanto, os mesmos bancos que promoviam a venda dos activos
tóxicos como produtos seguros perante os seus clientes, resguardavam-se
inventando os CDS (credit default swaps), uma espécie de seguro
contra a insolvência dos tóxicos. Ou seja, ganhavam duas vezes, roubando
os seus clientes: ganhavam vendendo-lhes lixo e ganhavam apostando na
sua falência. Quando, como era inevitável que acontecesse, os créditos
imobiliários começaram a não ser pagos, todo o sistema desmoronou.

Milhões de americanos ficaram sem as casas que tinham
começado a pagar. Milhões de aforradores, que tinham acreditado na
credibilidade dos 'produtos derivados', ficaram sem as suas poupanças.
Bancos de investimento e de retalho abriram falência e arrastaram as
empresas que deles dependiam e estas lançaram no desemprego outros
milhões de americanos. Mas, nessa altura, já os grandes accionistas e os
seus gestores na banca estavam a salvo e tinham encaixado biliões de
lucros roubados aos clientes e passados para as offshores.
Estranhamente, com excepção de Roubini, nenhum dos gurus da economia
tinha imaginado que pudesse implodir um sistema onde os lucros
crescentes não correspondiam a riqueza crescente mas apenas a
especulação, e que, numa economia global, uma crise desencadeada num dos
seus pilares pudesse alastrar ao resto do mundo. Soube-se depois
porquê: porque também a Universidade, a elite dos economistas, estava a
soldo do sistema financeiro e pregava o que eles queriam. A crise do
sistema financeiro americano, desencadeada por práticas especulativas e
criminosas, alastrou ao mundo e criou cinquenta milhões de
desempregados, dezenas de milhares de falências de empresas viáveis, e
obrigou os Governos a investirem uma parte inimaginável do dinheiro dos
contribuintes e das poupanças dos reformados para salvar o sistema
financeiro.

Mas nada de essencial mudou. Nos Estados Unidos, onde
George W. Bush, o campeão do liberalismo, teve de nacionalizar bancos
para salvar os ricos com o dinheiro dos pobres, Obama não conseguiu que o
Congresso, dominado pelos republicanos, lhe aprovasse legislação para
recuperar esse dinheiro roubado aos contribuintes, não conseguiu que lhe
permitisse voltar a tributar os grandes lucros financeiros isentados de
impostos por Bush e não conseguiu sequer livrar-se de ter como
reguladores do sistema financeiro alguns dos grandes criminosos que o
fizeram implodir, como os 'sábios' da Goldman Sachs. E as empresas de rating,
as tais que aconselhavam a comprar créditos incobráveis, continuam a
aconselhar os mercados a apostarem agora na falência de Portugal e de
Espanha e na morte do euro.

Antes de mais nada, esta é uma crise de valores éticos,
de valores de vida em sociedade. E mal vai o mundo se não há uma
geração de líderes políticos com capacidade e coragem de fazer frente a
este bando de abutres que suga o trabalho, o esforço e os sonhos de
tanta gente que é vítima da sua ganância sem limite. Esse é o combate
inadiável, sem o qual nenhum sacrifício do presente faz sentido.


Miguel Sousa Tavares escreve de acordo com a antiga
ortografia



http://aeiou.expresso.pt/miguel-sousa-tavares=s23491

TheNightTrain

Pontos : 1089

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum