Trampas trempes todos ao molho e fé no Divino

Novo Tópico   Responder ao tópico

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Trampas trempes todos ao molho e fé no Divino

Mensagem por Vitor mango em Qui Maio 05, 2016 2:02 am

Das razões porque os americanos querem um louco na casa branca para ocupar o lugar do Obama premiado com o Nobel da Paz e evitando todas as armadilhas de se meter em novos conflitos merece uma ida ao Júlio de Matos  ou um bom local de psicopatologia
O Obama teve que gramar uma vice presidente que era a pessoa mais burra do Universo - A Palin ...tão ignorante que o pessoal já metia charges para a encaixotar na ignorância
But pah e LE PEN ? Em França carago ?
Vamos la segurar o tema pelas bolinhas
A america tem de vez em quando uns laivos de caboiada para aquecer a malta ...como foi o caso do Vietname onde entrou depois da Fuga dos franceses e NUNCA ninguém percebeu as causas os Experts comentadores da Bola nos nove canais da TVI garantem nas suas sabias analises que é do sistema $x3x2 ... bye ...bye tava no gozo
O problema na minha analise é que o americano médio nao admite sequer que alguém arrote ou mije fora do penico e o penico é a industria de guerra americana
Dominado pelos Lobbys judeus tal como as ondas da mais alta finança os dois candidatos s
ao amontoados com montanhas de dinheiro fresco sendo o caso da madame Hillary um puro caso de prostituição financeira ...ela promete tal como o Trump não deixar um arabe vivo a mamar toucinho orando voltado para MECA
but ...tal como dizia o Churchill a "america " tem que percorrer todos os caminhos errados antes de entrar o caminho para ROMA
Todas as actuais crises "atuais "de terror teem por origem a entrega da Palestina aos Judeus ...contem pelos dedos !
o TEA PARTY E AIPAC apostam que os judeus teem alma suficiente para expulsarem tudo o que for infiel da palestina numas NOVAS CRUZADAS

Ora uma guerra religiosa e a invasão da palestina tem 100% desse facto  DURA PELOS MENOS 200 ANOS

...E TERMINOU COMO ?????????????
DOIS EXÉRCITOS DE 300.000 SOLDADOS DO LADO DE Saladino e do lado Cristão com o Ricardo Coração de Leão acharam que antes do molho deviam conversar
...e o baile terminou num acordo



Aqui chegamos ao "estado judaico de Israel " que não passa de um Bunker que só se aguenta rodeado de muros e a cometerem tudo de errado que levou á origem da II GG ... e nesta miragem aparecem os místicos de todos os lados

- Mata que é infiel !!!!!!!!!!!!!!!!!!
A Europa ?

a Europa esta-se a Ka**** para estes líricos e colou-se aos lado dos países árabes deixando o lirismo para o lado americano

Colonizar a america ?
Anedotas puras

Primeiro bombardeiam tudo e depois aparecem como SALVADORES



Manos e Manas ( meninas do BE incluídas ) a guerra do Vietname perdeu-se quando os filmes mostraram o horror das bombas e do Iraque o mesmo 
e o que vemos HOJE na NET ?

SOLDADOS JUDEUS a matar civis desarmados indo ao ponto de já andaram a perseguir e prender crianças 


OH MY GOD ...um soldado NUNCAAAAAAAAAAAAAAAAAAA se mete a fazer o papel de "policia " 

pois pah eles querem Jerusalém como capital dos judeus e tudo de camisa de dormir FORA DE Israel ( Hitler fez o mesmo aos judeus ...) 
e quantos países reconhecem estas " Conquistas ?
NENHUM !!!!

ZERO ! Nem mesmo os EUA

Porque ? Porque ha 500.0000 de milhões de arabes  aos quadrado que entravam no baile e ninguém por causa DE MEIA DÚZIA DE JUDEUS LÍRICOS QUER CHATICES por mais dolares ou montanhas de dolares que possuem


Ganhe os Trampas ou a Hillery o litro vai ficar no mesmo volume 1000 cc

Bye 
Beijinhos

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
avatar
Vitor mango

Pontos : 108407

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Trampas trempes todos ao molho e fé no Divino

Mensagem por Vitor mango em Qui Maio 05, 2016 2:05 am


_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
avatar
Vitor mango

Pontos : 108407

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Trampas trempes todos ao molho e fé no Divino

Mensagem por Vitor mango em Qui Maio 05, 2016 2:36 am

[list=stream-items-id]
[*]

[*]
Haaretz.com@haaretzcom 5 minHá 5 minutos

Why Israelis are refusing to send their kids on school trips to Auschwitz http://htz.li/5r2 

5 retweets 3 curtiram








[/list]

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
avatar
Vitor mango

Pontos : 108407

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Trampas trempes todos ao molho e fé no Divino

Mensagem por Vitor mango em Qui Maio 05, 2016 2:37 am


_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
avatar
Vitor mango

Pontos : 108407

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Trampas trempes todos ao molho e fé no Divino

Mensagem por Vitor mango em Qui Maio 05, 2016 2:38 am


_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
avatar
Vitor mango

Pontos : 108407

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Trampas trempes todos ao molho e fé no Divino

Mensagem por Vitor mango em Qui Maio 05, 2016 2:43 am


_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
avatar
Vitor mango

Pontos : 108407

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Trampas trempes todos ao molho e fé no Divino

Mensagem por Vitor mango em Qui Maio 05, 2016 2:54 am

Uma mulher em um março da viagem estar a Auschwitz, 19 de abril de 2012.
Uma mulher em um março da viagem estar a Auschwitz, 19 de abril, 2012.AFP / Janek Skarzynski

   A controvérsia grassa sobre cantoras em cerimônias memoriais israelenses
   Quanto América cidade pequena saber sobre o Holocausto?
   Um conto de sobrevivência Holocausto, cortesia de uma família polonesa

Mais de 20 anos atrás, um membro sênior do gabinete israelense ficou sob fogo por questionar a eficácia de viagens do ensino médio patrocinado pelo Estado para Auschwitz.

O projeto foi mal em sua infância, quando Shulamit Aloni, em seguida, o ministro da Educação, expressou sua repugnância para jovens israelenses que "marcham com bandeiras desfraldadas, como se eles vieram para conquistar a Polónia." As peregrinações morte acampamento, advertiu o ex-líder da esquerda israelense, estavam criando uma geração de xenófobos obcecados com a noção de poder judeu, mas em grande parte cego para lições universais do Holocausto.

Até agora, as viagens para a Polónia tornaram-se um rito de passagem para jovens israelenses - tanto uma parte de sua iniciação na vida adulta como o seu serviço nas forças armadas e suas caminhadas pós-exército através Nepal. E o ministro da Educação atual Naftali Bennett, o líder da maioria do partido de extrema-direita na coalizão de governo, é um grande fã.

Para ter certeza, as viagens têm sido envolta em controvérsia. Questões persistem sobre os custos elevados, a mensagem, ea capacidade de adolescentes para lidar com a experiência dolorosa. Mas até recentemente, ninguém ousou ser um desmancha prazeres.

Em 2010, o Israel Artes e Ciência Academy, uma escola de elite em Jerusalém, se tornou a primeira escola secundária no país para parar de enviar os alunos para a Polónia. Poucos atenção paga, no entanto, porque a academia foi um relativamente novo, pequena escola particular - dificilmente uma instituição bem conhecida.

Mas no mês passado, quando de Tel Aviv Gymnasia Herzliya, a mais antiga escola secundária hebraico no país, tornou-se a primeira grande escola pública reverter a tendência, a nação tomou nota. Citando o perigoso aumento do nacionalismo em Israel, principal Zeev Degani anunciou que a partir do próximo ano, ginásios Herzliya já não seria o envio de delegações para a Polónia. Em vez disso, ele iria encontrar maneiras de educar seus alunos em casa sobre o Holocausto.

Ironi Alef High School of the Arts, outra instituição Tel Aviv há muito estabelecido, está programado para votar no final deste mês sobre a possibilidade de seguir o exemplo. Indicando um possível efeito dominó, o chefe da associação nacional de diretores de escolas altas tem deixá-lo ser conhecido, através de canais privados, que ele também suporta a demolição das viagens.

Mas Yair Auron, historiador e especialista em estudos do Holocausto e genocídio, diz que seria prematuro falar de uma tendência. "Eu ficaria feliz de ser provado errado, mas eu não consigo ver isso acontecendo enquanto nós temos alguém correndo o Ministério da Educação que vê essas viagens como uma forma de promover sua agenda nacionalista", diz Auron, professor da Universidade aberta de Israel.

A partir do momento que ele entrou em seu trabalho há sete anos, Degani, o principal franco e carismático de Gymasia Herzliya, disse que ele tinha reservas sobre as viagens. Mas só agora ele se sentiu o tempo estava maduro para agir.

"A meu ver, este é o nosso antídoto - e perdoem a expressão - ao processo de fascisization que está tomando sobre a política neste país", ele disse ao jornal Haaretz.
Os visitantes no portão principal de Auschwitz-Birkenau, 25 de janeiro de 1995.
Os visitantes no portão principal de Auschwitz-Birkenau, 25 de janeiro de 1995. Reuters / Reinhard Krause

Um filho de sobreviventes do Holocausto, Degani nunca viajou-se para a Polónia ", como uma questão de princípio", diz ele, mas sempre foi curioso sobre como seus alunos experimentaram as viagens.

"Ano após ano, gostaria de pedir-lhes que era a parte mais significativa da viagem para eles, e uma e outra vez que eu obter a mesma resposta - que a experiência fez-los socialmente mais coesa como um grupo", diz ele.

"Bem, se todo o ponto foi para torná-los socialmente mais coesa, porque não basta enviá-los todos em uma viagem em Israel para o Negev? É muito mais barato. "

As Artes Israel e Academia de Ciências chegou à sua decisão por razões diferentes. "Porque nós somos uma escola, nós somos capazes de interagir muito mais com nossos alunos e ver o que está acontecendo com eles em uma base de 24/7", diz o diretor, Etay Benovich. "Alguns dos estudantes passou por experiências emocionais muito difícil quando eles voltaram de Poland, que nos fez perceber que não era a coisa certa para todos os 17 anos de idade."

E não só por esse motivo são as viagens não apropriado para a idade, diz Auron, o historiador. "Se eles pudessem visitar a Polónia aos 30 anos, que, obviamente, seria muito melhor", diz ele.

"Mas para tirar os jovens lá, pouco antes de se alistar no exército, e tentar criar uma experiência emocional para eles - não uma experiência intelectual, mas uma experiência emocional - e para dizer-lhes depois, tanto diretamente como por meio da sugestão, que agora você entender por que precisamos de um exército forte e por que não podemos depender dos outros -. para mim, isso não é apenas para a direita "

Preço-rigging e especulação

A cerca de 6.000 shekels por aluno ($ 1.600), os altos custos dessas "viagens para os ricos" muitas vezes apelidado são uma queixa comum. (Mesmo que o financiamento do governo limitado está disponível para estudantes carentes, muitos ainda não pode dar ao luxo de participar das peregrinações de uma semana, o que poderia explicar em parte por que, em média, menos de metade dos alunos elegíveis em uma determinada classe acabam indo.)

Sem dúvida, outro fator que contribui para o recuo recente foi uma exposição sobre o preço-equipamento e especulação entre os operadores de viagem. No início deste ano, os funcionários em seis empresas de turismo que levam, encomendados pelo Ministério da Educação, foram investigados pela polícia depois de terem supostamente conspiraram para eliminar a concorrência de preços em seu nicho de mercado.

"Se você vai em seu próprio país - e nós fizemos o check this out - se os custos de menos de metade do preço que estas empresas cobram", diz Degani. "O fato de que muitas pessoas estão ganhando dinheiro, e muito dinheiro, fora do Holocausto comemoração - que na minha mente faz a coisa toda ilegítimo."

40.000 participantes por ano

O governo, através do Ministério da Educação, começou a patrocinar viagens organizadas para a Polónia para estudantes do ensino médio em 1988. As viagens são voluntárias, e as escolas são dadas margem de manobra considerável para decidir o seu conteúdo, a única exigência é que os alunos visitar Auschwitz.

Em anos anteriores, as viagens consistia quase exclusivamente de visitas aos locais dos campos de extermínio e guetos judeus. Mais recentemente, elementos mais leves foram adicionados, incluindo explorações de vida judaica na pré-guerra na Polónia, noites de folclore e passeios de compras.

De acordo com Dani Rozner, o funcionário responsável no Ministério da Educação, o número de alunos participantes tem vindo a crescer constantemente, aproximando-se 40.000 anualmente nos últimos anos, com delegações de 400 escolas de ensino médio em todo o país.

"A nosso ver, o nosso principal desafio é garantir que todos os alunos participantes são emocionalmente preparado", diz ele.

Embora o currículo de história do ensino médio inclui uma secção de base sobre o Holocausto, os estudantes que participam nas viagens Polónia beneficiar de aulas de enriquecimento adicionais e atividades, tanto antes de sair e depois de seu retorno. Degani, o principal de Gymnasia Herzliya, diz que este foi outro motivo para suas objeções.

"No próximo ano, todos os alunos, e não apenas a metade deles, irá aprender sobre a Shoah, porque vamos fazer uma viagem de cinco dias ao redor de Israel para estudar sobre isso, e pela primeira vez, vamos fazê-lo por completo", diz ele.

Nem todos são tão para baixo nas viagens como Degani. Eilon Nave, principal de outra grande escola secundária no centro de Israel, Ahad Ha'am em Petah Tikva, acredita que eles se fundem bem com a missão da sua instituição de envolvimento com as comunidades marginalizadas e desfavorecidas (observando, por exemplo, a sua colaboração com uma escola árabe nas proximidades) . Como outros defensores do programa, Nave diz nada bate a experiência de estar lá para obter uma compreensão do que aconteceu.

"Como um professor de história, eu sou um grande crente em visitar os locais onde os principais eventos ocorridos", diz ele. "Isso é válido não só para o Holocausto, mas também para a história do Estado de Israel."

E se os alunos voltar da Polônia, como a maioria faz, com uma maior valorização para Israel, Nave tem nenhum problema com que qualquer. "Eu certamente não jogar para baixo esse aspecto da viagem", diz ele.

Quanto aos custos elevados, diz ele, bem, isso é vida. "Eu sou um kibbutznik, e posso dizer-lhe que, mesmo no kibutz não há plena igualdade", diz ele. "Algumas crianças da nossa escola pode pagar bicicletas elétricas, e outros não podem. O mesmo é verdadeiro para essas viagens, mas isso não é uma razão para acabar com eles. "

Dr. Eyal Kaminka, diretor da Escola Internacional de Estudos do Holocausto em Yad Vashem, diz que apoia a continuação das viagens - mas com a condição.

"Há um valor certamente maior em estar lá fisicamente, e não é certamente um lugar para essas viagens em Israel - mas apenas contanto que eles são bem feito", diz ele. "Você precisa ter certeza de que as crianças que vão ter a motivação certa e que eles são emocionalmente preparado, porque essas viagens não são um bom ajuste para todos."

A partir de sua experiência em educação sobre o Holocausto, Kaminka admite que as viagens não são necessariamente a melhor ferramenta para ensinar o assunto. "O que nós aprendemos é que nada se compara com a reunião sobreviventes e ouvir suas histórias", diz ele.

Um relatório encomendado pelo Ministério da Educação, publicada há cinco anos, descobriu que a esmagadora maioria dos estudantes que participaram da Polónia desengates voltou com uma apreciação mais profunda de sua herança judaica e a necessidade de um estado judeu independente. Uma parcela menor - embora ainda uma maioria - disse eles voltaram com uma melhor compreensão dos perigos universais de intolerância e racismo.

Mas aqueles que concluir, com base nestes resultados, que as viagens estão alimentando as tendências nacionalistas perigosas entre os jovens israelenses estão sendo precipitada, de acordo com Kaminka. "Avaliando os efeitos a longo prazo destas viagens é um grande desafio", diz ele. "Os participantes estão muito mais direitista três anos mais tarde, quando eles saem e votar? Eu não posso dizer isso, e eu não sei se qualquer um pode. "

Sentindo-se não 'wow'

Muitos estudantes falar sobre uma experiência de mudança de vida. Raz Strugano, um estudante na Universidade Ben-Gurion, chama as viagens "uma necessidade absoluta."

"Até que eu fui com a minha escola, eu fiquei longe do assunto do Holocausto porque ele realmente me assustou, ao ponto onde eu não poderia até mesmo assistir a filmes sobre ele", diz o nativo de Be'er Sheva, que visitou a Polônia com ela turma da escola secundária, há cinco anos. "Depois de estar lá, eu ainda não consigo realmente entender o que aconteceu, mas pelo menos eu tenho uma idéia muito melhor."

Por outro lado, um oficial da inteligência militar diz que tem muitas reservas olhar para trás. "Eu estava no 11 º ano, no momento, e enquanto foi uma experiência muito poderosa, então, eu acho que não demorou muito longe dele, e eu honestamente não pensar sobre isso que muitas vezes", diz o oficial, cujo nome não pode ser usado porque ele não tem permissão para falar com os repórteres sem permissão.

"Meu principal problema com a viagem foi que havia muita ênfase sobre o passado, mas quase nenhuma sobre o futuro, como a forma como podemos aplicar o que aprendemos a fazer Israel um lugar melhor. A principal mensagem que recebi da viagem foi que é importante para servir no exército e defender o país, e eu simplesmente não ligar a isso. Eu pensei que era propaganda. "

Outro soldado que pediu que seu nome completo não ser publicados também encontrou a viagem decepcionante. "Claro, houve alguns momentos muito poderosas, mas na maioria das vezes eu senti como eu estava andando em torno de um museu com minhas aulas", diz ele. "Não foi que 'wow' sentimento que eu esperava."

Muitos adolescentes israelenses fazer a viagem não com sua escola, mas com o movimento juvenil a que pertencem. Os participantes nas delegações juvenis movimento tendem a relatar uma experiência mais significativa. Como Idan, um comandante do exército de 21 anos de idade, que foi com sua socialista grupo Hashomer Hatzair observa: "As crianças que vão com os movimentos de jovens ter uma melhor idéia do que eles querem sair dessas viagens. É menos sobre ser estrangeiro e sair com os amigos para eles. "

Quando as Artes Israel e Academia de Ciências cancelada primeira suas viagens, muitos estudantes e pais protestaram. "Ele era considerado quase uma coisa subversiva de fazer no momento", lembra Benovich, o principal. "Mas eles parecem ter chegado ao redor. No ano passado tivemos uma reunião com 20 pais para discutir se a restabelecer as viagens, e apenas dois votaram a favor ".

Desde as viagens foram demolidos, a escola criou seu próprio projeto alternativo: uma peregrinação de cinco dias em todo o país com foco sobre os efeitos do Holocausto em diferentes facetas da sociedade israelense. "As crianças estão envolvidas na escolha do conteúdo específico a cada ano, e eles também ensinam parte dela", diz Benovich. "Eles se encontram com os sobreviventes, eles estudam outros genocídios, eles aprendem sobre outras vítimas não judias do regime nazista. Todos os anos é algo diferente. "

Entre os maiores apoiantes de Benovich são sobreviventes do Holocausto, um dos quais recentemente escreveu-lhe: "É o suficiente para que eu experimentei essas atrocidades. Por que os estudantes israelenses tem que ir lá? "

Ruth Bondy, um proeminente jornalista Checa-nascido e tradutor que sobreviveu tanto Theresienstadt e Auschwitz, não poderia concordar mais. "Adolescentes israelenses pode aprender o mesmo material por passar três dias no Yad Vashem em 1 por cento do custo", diz o 92-year-old.

"Chegamos a uma situação em que o sucesso destas viagens é medido pela forma como muitas crianças acabam chorando. Minha sugestão é que em vez de enviar nossos filhos para cemitérios de massa, a um viagem organizada no estrangeiro tomam através do sistema escolar, nós enviá-los em algum lugar bonito. Como cerca de Florença para um começo? "

Degani é incentivada por essas respostas, mas diz que ele ainda está cético sobre se muitos seguirão seu exemplo. "Há muita pressão para seguir a linha", diz ele. "Por outro lado, nós conseguimos iniciar uma conversa, e isso é importante, também."

O Ministério da Educação acrescentou a seguinte resposta: "Nós incentivamos os alunos israelenses para visitar os restos de comunidades judaicas na Polônia e os locais dos campos de extermínio. Estas peregrinações são destinadas a reforçar a sua ligação com o povo judeu e sua herança através das gerações. Deve-se enfatizar que estes são voluntárias, e não necessários, viagens, e cada diretor da escola tem a liberdade de decidir se quer ou não ir. "
Seu navegador não suporta o elemento de áudio.

Clique aqui para Podcasts mais prometido.
Judy Maltz

Judy Maltz

Haaretz Correspondent
leia mais: http://www.haaretz.com/israel-news/.premium-1.717866

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
avatar
Vitor mango

Pontos : 108407

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Trampas trempes todos ao molho e fé no Divino

Mensagem por Vitor mango em Qui Maio 05, 2016 3:03 am

Enquanto isso ele manifestou reiteradamente o seu amor por Israel e cada vez mais o seu apoio ao primeiro-Ministro Israelense, Benjamin Netanyahu, e as suas políticas, todas enquanto repetidamente destruindo o Barack Obama-Backed Irã acordo nuclear.
Mas em uma entrevista exclusiva com DailyMail.com, trump saiu para a continuação da construção de novos assentamentos israelenses independentemente da política do governo.
Perguntou se deveria haver uma pausa nas novas construções - que a administração obama tem pressionado o governo de netanyahu para observar a fim de trazer os palestinianos à mesa das negociações - trump respondeu: ' não, eu acho que não é, porque acho que Israel Deveria ter - eles realmente têm que continuar. Eles têm de continuar em frente.'
http://www.dailymail.co.uk/…/Trump-insists-Israel-building-…



·
Classifica esta tradução






EXCLUSIVE: Trump says Israel must keep building West Bank settlements
'I don't think there should be a pause,' Trump told DailyMail.com in an interview on Monday. 'Look: Missiles were launched into Israel'
dailymail.co.uk

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
avatar
Vitor mango

Pontos : 108407

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Trampas trempes todos ao molho e fé no Divino

Mensagem por Vitor mango em Qui Maio 05, 2016 10:52 am

The Times of Israel
37 min ·
‪#‎KenLivingstone‬ repeats claim that Hitler supported Zionism, and blames Israel for ‪#‎IS‬ attacks in Europe and the mass expulsion of Jews from the Arab world.
Ver Tradução





Ken Livingstone: Creation of Israel was ‘a great catastrophe’
timesofisrael.com

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
avatar
Vitor mango

Pontos : 108407

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Trampas trempes todos ao molho e fé no Divino

Mensagem por Vitor mango em Qui Maio 05, 2016 11:26 am

O ex-prefeito de Londres, Ken Livingstone conta uma estação de TV árabe que a criação de Israel foi "fundamentalmente errado", e "uma grande catástrofe."

O funcionário do Trabalho, que foi suspenso por seu partido para dizer que Hitler apoiado sionismo "antes que ele ficou louco", conta a sede no Reino Unido Al-Ghad Al-Arabi: "A criação do Estado de Israel foi uma grande catástrofe. Devemos ter absorvido os refugiados judeus pós-Segunda Guerra Mundial na Grã-Bretanha e América. Todos podiam ter sido reassentados, enquanto que 70 anos mais tarde, a situação ainda é muito tensa, e há potencial para muito mais guerras, potencial para a guerra nuclear. "

Livingstone também defende um boicote internacional aos produtos israelenses, dizendo a seu entrevistador que "eu nunca comprar nada" que vem de Israel. "Eu gosto de datas, mas eu não compro datas que vêm de Israel", diz ele, de acordo com o grupo MEMRI cão de guarda.
Google Tradutor para Empresas:.

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
avatar
Vitor mango

Pontos : 108407

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Trampas trempes todos ao molho e fé no Divino

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você pode responder aos tópicos neste fórum