Produção eólica afunda em Portugal

Ir em baixo

Produção eólica afunda em Portugal Empty Produção eólica afunda em Portugal

Mensagem por Vitor mango em Ter Maio 31, 2011 12:10 pm

Produção eólica afunda em Portugal
31 Maio 2011 | 17:50
Miguel Prado - miguelprado@negocios.pt


Hoje há mais potência eólica no País do que há um ano, mas os parques estão a produzir menos, tendo atingido na semana passada o menor nível de actividade desde o início do ano. Os agentes do sector acreditam que melhores ventos soprarão no futuro.
A produção de energia eólica em Portugal afundou na semana passada, atingindo um volume de 49 gigawatt hora (GWh), que é o valor mais baixo deste ano para esta fonte de geração de electricidade, ficando também ao nível do mínimo semanal de todo o ano passado (48 GWh, na última semana de Abril).

Os dados da REN – Redes Energéticas Nacionais indicam que na semana passada a produção eólica foi 65% mais baixa que em igual período de 2010. No que respeita à electricidade produzida a partir do vento desde o início de 2011, que soma 3.712 GWh, há uma queda de 10% face a 2010.

Sucede que a descida da produção eólica se verifica num contexto em que até há mais potência instalada. Quando o mínimo semanal de 2010 foi atingido (os referidos 48 GWh), a capacidade eólica em Portugal estava nos 3.539 megawatts (MW). Agora a potência disponível a partir do vento é de 3.897 MW.

O presidente da Associação Portuguesa das energias renováveis (Apren), António Sá da Costa, sublinha que “não há nada de alarmante”, realçando, num comentário ao Negócios, que “tem havido menos vento”. Além disso, acrescenta o mesmo responsável, os valores extremos (de crescimento ou descida da produção) andam normalmente em torno de 15% da média, pelo que no final do ano, ou numa análise anualizada, os dados não são preocupantes.

Nelson Quinta, director de desenvolvimento da Iberwind, considera também que estas “são típicas variações sazonais, de pequena magnitude”. Ao Negócios, o responsável da empresa de parques eólicos detida pela Magnum Capital reconhece que “este início de ano está a ser desfavorável”, mas que os efeitos “normalmente são temporários”.

Actualmente está em aberto o potencial reforço do parque eólico nacional. Tendo hoje quase 4 gigawatts (GW) instalados, os pressupostos assumidos pelo Governo no Plano Nacional de Acção para as Energias Renováveis (PNAER) apontam para um crescimento desta capacidade, quer por via de reforços de capacidade em parques mais antigos, quer pela instalação de novos parques.

Este início de ano está a ser desfavorável. Mas estes efeitos normalmente são temporários.

Nelson Quinta
Director de desenvolvimento da Iberwind
Consórcios como a Eneop e a Ventinveste estão a progredir no terreno com a instalação de centenas de MW ao abrigo dos contratos assinados com o Estado após os concursos eólicos. Acordos esses que concederam aos vencedores o direito a desenvolver os seus projectos, com uma tarifa garantida (mais baixa naqueles dois consórcios do que as recebidas por parques mais antigos). Em contrapartida, Eneop e Ventinveste tiveram de assegurar a produção nacional dos componentes dos parques.

A EDP Renováveis tinha no final do primeiro trimestre 838 MW de potência eólica instalada em Portugal, ou seja, 12% da sua capacidade global. Nos primeiros três meses deste ano o volume de produção em território nacional já reflectia a menor disponibilidade de vento, ao apresentar uma descida de 12% face ao primeiro trimestre de 2010.

Também a energia hídrica está em queda

Mas não é só a electricidade eólica que segue em baixa. Este ano a energia das grandes centrais hídricas soma 6.698 GWh, situando-se 27% abaixo do volume gerado no mesmo período do ano passado.

Na semana passada a energia hídrica, à semelhança da eólica, bateu no fundo. Os 179 GWh produzidos a partir das barragens foram o valor semanal mais baixo desde o início do ano. O pico, de 513 GWh, foi registado em Janeiro, na terceira semana do ano, segundo os dados da REN.

Esta queda simultânea da electricidade eólica e hídrica está a ser compensada fundamentalmente pelas centrais termoeléctricas a carvão e a gás.

Na semana passada o carvão atingiu o nível de produção mais alto deste ano, com 236 GWh produzidos. Mas foram as centrais de ciclo combinado a gás natural que mais electricidade geraram, alimentando o País com 330 GWh.

_________________
Só discuto o que nao sei ...O ke sei ensino ...POIZ
Produção eólica afunda em Portugal Batmoon_e0
Vitor mango
Vitor mango

Pontos : 113539

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum