Vagueando na Notícia


Participe do fórum, é rápido e fácil

Vagueando na Notícia
Vagueando na Notícia
Gostaria de reagir a esta mensagem? Crie uma conta em poucos cliques ou inicie sessão para continuar.

Redes sociais enganam no uso de antibióticos

Ir para baixo

Redes sociais enganam no uso de antibióticos Empty Redes sociais enganam no uso de antibióticos

Mensagem por Joao Ruiz Seg Abr 05, 2010 4:34 am

Redes sociais enganam no uso de antibióticos

por FILIPA AMBRÓSIO DE SOUSA
Hoje

Redes sociais enganam no uso de antibióticos Ng1275777

Uma mulher de 30 anos leu no Facebook que um determinado antibiótico curaria uma dor nos rins. O seu consumo acabou por resultar numa gravidez, já que o efeito da pílula cessou com o antibióti-co. O caso foi contado ao DN por João Ferreira, médico de saúde pública.

Vários especialistas contactados pelo DN mostram-se preocupados pelo uso indevido de antibióticos devido às redes sociais. Segundo um estudo da Universidade de Colúmbia, publicado no mês passado, redes como o Facebook ou Twitter estão a levar à má utilização de antibióticos.

Portugal é o sexto país europeu onde se consomem mais antibióticos. "As pessoas têm de perceber que tomar um antibiótico não é semelhante a tomar uma aspirina", explica Ana Martins, especialista em saúde pública.

O estudo norte-americano contabilizou - só de Março a Julho de 2009 - cerca de 52 mil posts no Facebook e Twitter onde se sugeria o consumo de determinados antibióticos.

A maioria destas publicações são sobre casos de gripes, constipações e também ressacas. Segundo o estudo, a combinação de palavras mais popular era preci-samente "gripe e antibióticos e "constipações e antibióticos".

"Só se deve tomar um antibiótico por doenças de natureza bacteriana", explica a mesma médica. "E acho que o principal problema é que as pessoas não se apercebem disso."

O grande risco da má utilização destes remédios é a criação de resistências aos antibióticos nos doentes que os tomam inadequadamente. E que ficam assim com menos hipóteses de tratamento.

"Como as pessoas mudaram a forma de se relacionar entre si, as redes sociais converteram-se em fontes cada vez mais importantes de informação", explica Cathryn Murphy, presidente da Associação de Profissionais de Controlo de Infecções e Epidemiologia, responsável pelo estudo.

"A questão é que as redes sociais deviam cingir-se aos relacionamentos sociais e não adoptar o papel de consultório médico ou de médico especialista", concluiu João Ferreira.

Já os autores do estudo discordam: as conclusões mostram que devemos vigiar redes como o Twitter e explorar formas de tornar positivo o seu impacto na saúde.

Em Portugal, a Direcção-Geral da Saúde lançou no ano passado uma campanha alertando para a importância do uso correcto dos antibióticos.

In DN

Embarassed Rolling Eyes

_________________
Amigos?Longe! Inimigos? O mais perto possível!
Joao Ruiz
Joao Ruiz

Pontos : 32035

Ir para o topo Ir para baixo

Ir para o topo


 
Permissões neste fórum
Você não pode responder aos tópicos